'Ele conhecia muita gente boa e ruim', diz irmão de pai de santo morto a tiros

salvador
14.08.2017, 22:00:00
Atualizado: 15.08.2017, 00:37:25

'Ele conhecia muita gente boa e ruim', diz irmão de pai de santo morto a tiros

Adailton da Silva Dias, 50 anos, foi enterrado nesta segunda (14). Ele foi vítima de atentado na Caixa D'Água na quinta. Polícia busca pistas de assassinos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Adailton foi enterrado no cemitério do Bosque da Paz (Foto: Betto Jr./ CORREIO)

O corpo do pai de santo Adailton da Silva Dias, 50 anos, morto a tiros no último domingo (13), foi enterrado no final da tarde desta segunda-feira, no cemitério Bosque da Paz, na Estrada Velha do Aeroporto. A vítima veio a óbito no Hospital Ernesto Simões, após ser atingida por quatro tiros no tórax, abdômen e braço direito na hora em que comprava acarajé, no bairro da Caixa D’água, na última quinta-feira.

Durante o velório, familiares, amigos e pessoas adeptas ao candomblé prestaram as últimas homenagens a Dias. Inconsolável, a irmã da vítima, Maisa Dias, lamentava:

“Essa é a pior dor que eu já senti na minha vida, gente! Dói muito porque eu dei muito conselho pra ele. Nunca vou me conformar com a morte do meu irmão”. 

De acordo com Cláudio Alencar, amigo da vítima, Adailton era querido por todos os moradores do bairro da Caixa D’água. “Nós nos conhecíamos há muito tempo e o negócio da gente era no axé. Ele respeitava muito o candomblé”, declarou.

Ainda segundo Alencar, o pai de santo era muito conhecido no bairro. "Ele era querido por todos os moradores".

Irmão mais novo do pai de santo, Lenildo Dias ainda não conseguia acreditar na morte da vítima. “Quando os vizinhos ligaram, eu fui no hospital e ainda consegui falar com Adailton. Ele fez um sinal e perguntou sobre o carro, sem explicar”, disse.

Para Lenildo, o irmão foi vítima de uma armação. “Ele não era envolvido com nada e nem usava drogas, mas era uma cara que conhecia muita gente boa e ruim”, contou. 

Familiares e amigos homenagearam Adailton Dias (Foto: Betto Jr./CORREIO)

O crime
Na noite da última quinta-feira (10), dois homens foram até a barraca de acarajé em que Adailton estava e efetuaram os disparos. De acordo com o irmão da vítima, na hora do tiroteio, o pai de santo correu para o bar de Baleia. “O tabuleiro de acarajé caiu e ele correu para o primeiro lugar que achou”, afirmou.

Depois dos disparos, Adailton foi socorrido e levado por vizinhos até o Hospital Ernesto Simões, no Pau Miúdo. O pai de santo seguiu internado, mas não resistiu e faleceu no final de semana. 

O crime, que ainda não tem autoria e motivação, está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas