Eleições 2018: Eleitores usam aplicativos para escolher em quem votar

bahia
29.09.2018, 06:30:00

Eleições 2018: Eleitores usam aplicativos para escolher em quem votar

CORREIO listou cinco apps que auxiliam a escolher o seu candidato

Em tempos de propaganda eleitoral encurtada, os candidatos nas eleições de 2018 têm uma dificuldade maior: serem vistos - e lembrados - pela população em outros meios que não a TV. Os que têm segundos de propaganda usam a internet como principal plataforma de divulgação. A internet, no entanto, não é só uma ferramenta importante para os candidatos. Os eleitores também a usam para se informar e, até mesmo, escolher o merecedor de seu voto.

Não faltam ferramentas na rede para  pesquisar sobre os postulantes. A atenção deve ser redobrada, porém, com as fake news, que espalham fatos falsos na internet. As famosas correntes de WhatsApp devem sempre ser checadas para evitar que mentiras sejam espalhadas. 

O desenvolvedor de sistemas Vinícius Dias, 23 anos, acessa portais oficiais para escolher seus candidatos. “Pesquiso alguns portais que disponibilizam informações sobre a candidatura, para ver se houve alguma irregularidade, também vejo o site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para ver se a pessoa é ficha limpa, ou não”, conta. Dias sente mais dificuldades com o Legislativo do que com candidatos do Executivo.

Vinícius Dias, 23 anos, acessando o site DivulgaCand para ficar de olho em seu candidato (Foto: Almiro Lopes / CORREIO)

“Os candidatos ao Executivo geralmente formatam proposta e é mais fácil achar site de campanha e esses formatos. No Legislativo eu achei mais complicado achar informação, então eu fiquei mais restrito a ver a corrente do partido, o histórico do candidato e a identificação com causas que ele defende”, contou o desenvolvedor. 

Dentre os critérios que costumam ser usados pelos eleitores na hora de escolher um candidato estão o que o candidato pensa, a carreira dele, a atuação profissional, o histórico, postura ética, propostas, partido ao qual faz parte, promessas, financiadores da campanha e relação de bens.

A jornalista Raísa Rodrigues,  27, utilizou o google, as páginas dos candidatos, leu os programas de governo e usou o aplicativo Tem Meu Voto e no Ruralômetro, que vê como os parlamentares votaram nas leis sobre o meio ambiente,indígenas e trabalhadores rurais. “Pela primeira vez também analisei o plano de governo dos candidatos e acho que isso é muito importante”.

O estudante de Direito e assessor administrativo Luiz Expedito,  24, não segue candidatos somente no ano de eleição. Ele conta que vê parlamentares e candidatos que têm mais afinidade com seu pensamento e os segue na internet. “Aqueles que são mais próximos daquilo que eu entendo como projeto político adequado à minha realidade, eu sigo.  A partir dessa identificação, eu começo a seguir o perfil dele no Facebook para acompanhar projetos”, conta. Ele ressalta que coloca as postagens dos políticos como “favoritas” para que apareçam primeiro na rede social. 

Para o cientista político e historiador Carlos Zacarias, a internet ganhou um status maior nesta eleição.  Apesar de considerá-la uma ótima fonte de informação, o historiador lembrou das fake news e dos algoritmos que regem o sistema. “É importante que a gente saia da nossa bolha e pesquise em diversos locais que pensem de formas divergentes das nossas”.

Zacarias lembrou do peso da televisão no processo eleitoral, que continua alto. “Há oito anos a televisão era mais decisiva. Naquela época, a campanha só começava quando passava na TV". Ele dá dicas de sobre o uso da internet. "É muito importante ter a internet para que a gente tenha informações sobre quem financia as campanhas, os projetos que os parlamentares apresentaram e aprovaram, entre outras”.  

O cientista político pesquisador da Fundação Getúlio Vargas, Humberto Dantas, conta que as pesquisas pelo candidatos na internet ainda é pequena. “Acredito que nunca teremos uma eleição em que todos os eleitores busquem mais informações sobre os candidatos, mas, certamente, uma parcela procura e esse ano nós temos um bom conjunto de ferramentas que possibilitam que essa busca seja feita", afirma. Ele ressalta a importância do uso dessas ferramentas. "É importante que pouco a pouco essa busca seja feita e que as pessoas sejam conscientizadas da importância", completa.

Confira cinco aplicativos:
Detector de ficha de político

Utiliza de reconhecimento facial para detectar os processos criminais, ações de improbidade administrativa e inquéritos que cada um responde na Justiça. Para usar, é preciso fotografar o rosto do político e funciona até com fotos da internet. (http://www.vigieaqui.com.br/detectordefichadepolitico#cor-da-corrupcao)

Tem meu voto 
Ajuda o eleitor a encontrar o candidato a deputado estadual, deputado federal e senador com quem mais se identifica. Sete perguntas são respondidas sobre o seu desejo para o país. Quando chegar em 10 candidatos finalistas, o sistema disponibiliza informações indispensáveis sobre cada um deles. (https://temmeuvoto.com)

#MeRepresenta 
O aplicativo busca conectar eleitores a candidatos que valorizam os direitos humanos. Reúne temáticas como segurança, corrupção, trabalho, saúde, educação, raça, gênero, meio ambiente e povos tradicionais. A ONG é formada por coletivos de mulheres, pessoas negras e LGBTQIA+. (https://merepresenta.org.br/)

Vote na web 
O app apresenta os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional. Qualquer pessoa pode votar contra ou a favor das propostas e dar a sua opinião. O eleitor pode visualizar os mapas de votação além de conferir o seu grau de afinidade com políticos e partidos. É possível ver o perfil de cada político. (http://www.votenaweb.com.br/)

Guia do Voto
O aplicativo propõe fornecer conhecimento para o eleitor sobre o processo eleitoral, esclarecendo dúvidas recorrentes e com teste de conhecimentos. O app apresenta candidatos que se encaixam no perfil definido pelo eleitor e traz links para cada candidato no TSE. (https://guiadovoto.org.br/)


Onde achar informações específicas sobre os candidatos:
Lista de bens
 Os candidatos são obrigados a declararem seus bens. As informações ficam divulgadas no link http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/.

Perfil do candidato  Informações como idade, profissão, nível de escolaridade, cor/raça, gênero e estado civil podem ser encontradas no site http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/.

Ficha Limpa  Um plugin é disponibilizado pela ferramenta "VigieAQUI" que destaca em qualquer site os nomes de políticos com pendências na Justiça.

Doadores da campanha Todas as informações sobre doações e prestações de contas dos políticos candidatos podem ser acessados no site http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/

Como votou  Os sites oficiais das casas legislativas (Câmaras Municipais, Câmara dos Deputados e Senado Federal) dispõe sobre informações sobre o voto dos políticos em cada projeto, além das propostas apresentadas por eles.

**
Aplicativo substitui título impresso

Além da possibilidade de escolha do seu candidato e de maior conhecimento sobre ele, a internet também proporcionará que os eleitores dispensem o uso do título de eleitor em papel para utilizar o e-título. O aplicativo foi lançado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e substitui a necessidade de portar o documento na hora de votar.

O e-título trará todas as informações que constam no papel e bastará somente o celular para votar. Para quem ainda não realizou a biometria, será necessário apresentar, além do aplicativo no celular, um documento com foto.

De acordo com o TSE, o aplicativo que dispensa o uso do título foi desenvolvido sem a necessidade de compra de qualquer equipamento ou contratação de serviço externo. A Corte Eleitoral, no entanto, não especificou quanto do orçamento interno do tribunal foi alocado para o projeto.

O aplicativo foi uma iniciativa do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Acre com o objetivo de evitar que moradores de localidades muito distantes tivessem de ir até o cartório eleitoral apenas para imprimir o título. Agora, bastará baixar o aplicativo, sendo obrigatório comparecer à sessão somente nos casos de primeiro registro.

O e-título está disponível para aparelhos que funcionam com o sistema operacional Android, na Play Store e para o sistema iOS.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas