Em vídeo, baiano compara tempo fechado com fim do mundo e viraliza

salvador
11.12.2017, 22:23:00
Atualizado: 11.12.2017, 23:45:30
Após sucesso de vídeo, Thiago resolveu investir na carreira de youtuber (Foto: Reprodução)

Em vídeo, baiano compara tempo fechado com fim do mundo e viraliza

Jovem achou que nuvem escura anunciava o fim e resolveu registrar desespero em vídeo

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O que você faria se presenciasse o fim do mundo? Telefonar para amigos e familiares queridos? Rezar? O ator Thiago Marinho, de 19 anos, aproveitou seus "últimos momentos" registrando o desespero diante do suposto apocalipse. No vídeo, gravado no sábado (9), ele narra com humor o tempo fechado em Salvador. As imagens já tiveram mais de 130 mil visualizações.

“Eu achei que o mundo ia acabar! Pensei que o vídeo seria um material pós-morte, por isso coloquei logo no Instagram”, disse o ator ao CORREIO.

No vídeo, Thiago se desespera do terraço do cinema Glauber Rocha, mostrando uma atípica nuvem escura no céu. Ele estava no local com os amigos fazendo um piquenique. “O vento tá levando a gente. O tsunami chegou mais cedo”, afirma ele, fazendo referência a um vídeo que viralizou no Whatsapp sobre um suposto tsunami que atingiria a costa da capital baiana entre o final de dezembro e o início de janeiro.

Repercussão
O vídeo já teve mais de 130 mil visualizações, 1,4 mil curtidas e 1,8 mil compartilhamentos. “Quando postei no Facebook, não imaginei que faria tanto sucesso, achei que só umas cinco pessoas iam ver”, afirma o jovem, que pretende investir na carreira de youtuber a partir de agora. “Quero postar um vídeo por semana explicando vários temas”, revela.

No final do registro o adolescente dança com amigos para esperar o tal fim do mundo. “Não tinha nada a fazer, a gente dançou”, lembra ele. Se presenciar outra hecatombe, Thiago deve mudar um pouco o roteiro. “Primeiro eu entro em desespero, depois acho que vou ouvir música até o ‘fim’ me acabar”, afirma o morador do bairro do Candeal. Tudo gravado e compartilhado, claro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas