Empoderamento econômico

artigo
16.07.2019, 05:00:00

Empoderamento econômico


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Falar de empoderamento econômico de mulheres é destacar um dos aspectos mais importantes da pauta de igualdade de  gênero. Desafio mundial, a Organização das Nações Unidas (ONU) Mulheres Brasil  ressalta que os direitos econômicos e sociais das mulheres representam o conjunto de ações que menos avançaram nas últimas décadas em todo o planeta.

Entre os mais diversos benefícios das ações que possam garantir que mulheres encontrem uma rede articulada de atendimento amplo está o enfrentamento a todas as formas de violência e o incentivo necessário para que elas possam romper o ciclo da violência e os danos que isso acarreta em suas vidas.

É também constatação da ONU Mulheres Brasil, com base nos princípios de empoderamento das mulheres, que empresas, lideranças empresariais e empreendedoras são agentes decisivos para a igualdade de gênero, trabalho decente e desenvolvimento sustentável. A própria Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aponta que a desigualdade de gênero no mercado de trabalho gera uma perda média de 15% nas economias dos países.

Ampliar a participação da mulher no mercado de trabalho e maior projeção profissional da categoria são compromissos importantes para qualquer gestor. Na realidade da cidade do Salvador, essas ações são impreteríveis, tendo em vista que a mulher é referência em sua família. O cruzamento de informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE mostra um aumento de 115% no número de grupos familiares chefiados por mulheres na capital baiana nos últimos anos.

É dever do Estado a proteção integral para as mulheres através de políticas públicas eficientes e eficazes. Promover a independência financeira através da inserção de mulheres no mercado de trabalho é mola propulsora do projeto piloto promovido pela Prefeitura de Salvador, por meio da Secretaria de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ), denominado Marias na Construção.

A iniciativa oferece cursos gratuitos para mulheres de comunidades carentes de Salvador, sobretudo as beneficiárias do conjunto de políticas de inclusão social de renda, acesso à terra, água e luz, habitação e mercado de trabalho, por meio de cursos livres e gratuitos voltados para construção civil, com ações de aperfeiçoamento, qualificação e colocação profissional, voltados para área de construção civil.

Há um longo caminho a ser percorrido, porém, temos a certeza de que as reflexões sobre o empoderamento econômico de mulheres não podem mais ser renegadas a um segundo plano. A igualdade de gênero, onde homens e mulheres possuem os mesmos direitos e deveres, deve ser encarada sempre como a base para a construção da sociedade que queremos: justa e livre de segregações e processos discriminatórios de qualquer natureza. Tenho certeza absoluta que o projeto abre mais uma frente de trabalho e perspectiva para as mulheres da primeira e melhor capital do Brasil.

Rogéria Santos é secretária municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas