Empregada afirma que Henry ficou apavorado após agressões de Dr. Jairinho

brasil
15.04.2021, 09:01:38
Atualizado: 15.04.2021, 09:05:19
(Foto: Reprodução)

Empregada afirma que Henry ficou apavorado após agressões de Dr. Jairinho

Funcionária prestou novo depoimento ontem

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A empregada Leila Rosângela de Souza Mattos, que trabalhava na casa de Dr. Jairinho e Monique Medeiros, admitiu que Henry ficava apavorado após as agressões do vereador. A declaração foi dada durante depoimento prestado à polícia nesta quarta-feira (14).

A versão da funcionária mudou em relação ao primeiro depoimento apresentado por ela no dia 23 de março, quando ela afirmou não ter conhecimento dos episódios de violência contra a criança de 4 anos.

Nesta nova fala a polícia, Leila contou estar no apartamento de Jairinho e Monique no dia 12 de fevereiro, data em que a babá Thayna de Oliveira Ferreira narrou em tempo real as agressões do parlamentar a Henry. 

Segundo ela, o menino saiu do quarto com "cara de apavorado". O casal está preso pela morte da criança, ocorrida em 8 de março.

De acordo com o depoimento revelado pelo jornal Extra, Rosângela relatou que Jairinho chegou na residência por volta de 15h15. Henry, que, segundo ela, estava no sofá, saiu correndo, pulou no colo do padrasto e o abraçou. 

O comportamento do menino teria gerado estranheza a ela e a babá, que, de acordo com a empregada, chegou a ligar para Monique para contar sobre o episódio. A funcionária disse que o vereador então chamou o enteado para lhe mostrar no quarto algo que ele comprara para viajar. 

A empregada contou ainda que, ao ir ao closet guardar roupas, notou que a porta do cômodo onde os dois ficaram por cerca de dez minutos fora trancada. A babá ficou preocupada , dizendo para Monique que "não queria que eles ficassem sozinhos no quarto". 

Assim como a babá, Rosângela disse que, ao voltar para a sala, Henry "correu imediatamente" para o colo dela, dizendo que não queria mais "ficar sozinho".

A funcionária negou ter visto o menino relatar à babá que levou "bandas" e "chutes" do vereador. Ela contou que, embora Thayna tenha perguntado à criança sobre o que acontecera no quarto, Henry nada teria respondido - ao menos que Rosângela tenha ouvido. Ela relatou que o menino disse estar mancando por ter "caído da cama" e pediu para não ter os cabelos penteados, pois sua "cabeça doía".

Rosângela disse ter ligado duas vezes para Thayna para ter notícias do menino. Ela admitiu que "estranhou esses acontecimentos", mas afirmou nunca ter comentado mais sobre o assunto depois daquele momento. 

A empregada doméstica relatou que ao ligar para Monique alguns dias depois para saber quando o casal voltaria de Mangaratiba, cidade no litoral do Rio de Janeiro, ela foi informada pela patroa que Henry havia tido "um surto com Jairinho" e que "foi a maior discussão", tendo ela conseguido acalmá-lo em seguida.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas