Enem: o que fazer nos últimos 10 dias antes da prova

salvador
24.10.2018, 03:00:00
Atualizado: 24.10.2018, 10:59:00
(Foto: Arquivo CORREIO)

Enem: o que fazer nos últimos 10 dias antes da prova

Professores destacam principais aspectos para aprimorar o aprendizado nesta reta final

O jogo só acaba quando termina, por isso, mesmo faltando 10 dias para a primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), os professores disseram que ainda não é hora dos estudantes entregarem os pontos. Os mestres contaram o que dá para fazer nesse tempo para aprimorar o aprendizado. É hora da revisão.

A orientação é para que os estudantes aproveitem esses últimos dias para responder exercícios, revisar os principais assuntos, assistir a aulões e conversar com os professores. Relaxar, comer e dormir bem também são importantes.
Na área de Exatas, a recomendação é para estudar a leitura de gráficos e tabelas, rever os principais conceitos e descansar. Na parte de Humanas vale fazer redações cronometradas e atividades de interpretação de textos, além de leitura diária. Todos os professores aconselharam que os estudantes reduzam a carga horária nessa reta final.

Revisar assuntos
Começando por história, o professor do Instituto Dom de Educar da FTC e do Colégio Dom Bosco, Lucas Amorim, contou que os candidatos devem direcionar as energias para revisar os conteúdos que mais caem na prova: Primeira República, Era Vargas e Ditadura Militar.


“Na parte de história geral são comuns questões sobre as duas guerras mundiais e a crise de 1929. Sugiro que eles revisem também o nazifascismo porque tem fortes chances de cair esse ano. O Enem gosta de pautar datas comemorativas e a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU completa 70 anos em 2018”, afirmou.
Agora, é preciso também ter calma e desacelerar. O professor recomendou que os estudantes aproveitem parte do tempo para relaxar. “Ouvir música ou assisti filmes, enfim, fazer o que gosta. Esse é o momento apenas de revisar o que já aprendeu”, disse.
 

Lucas Amorim, de História, orienta os estudantes a revisar assustos mais recorrentes (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)

Fazer exercícios
Manter o foco aos 45 do segundo tempo é indispensável para virar o jogo, segundo o professor de Geografia e Atualidades do Colégio Antônio Vieira, Ricardo Behrens. Mas, ele também destacou a necessidade de diminuir a pressão. O mestre recomendou que os estudantes aproveitem últimos dias para responder exercícios de geografia.

“Esse é o momento de fazer resoluções de questões, de conversar com os professores e assistir aulas interdisciplinares. Nos aulões, por exemplo, são tratados os cinco ou seis assuntos mais comuns de cada prova, de uma forma mais leve que nas aulas convencionais. É uma boa dica”, afirmou.

Ele destacou as mudanças ocorridas na última edição do Enem, que apresentou mais conteúdo de geografia física, com questões voltadas para o meio ambiente. “Desde 2009 até 2017, agropecuária e estrutura fundiária brasileira tem dominado a prova, então, vale resolver questões ligadas a esse a outros assuntos mais recorrente”, falou.

Na área de Atualidades, os estudantes devem ler o máximo possível sobre a saída dos EUA do Acordo do Clima de Paris e do Tratado Transpacífico, e sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, porque esses assuntos têm diversos desdobramentos que podem aparecer na prova.
 

André Luís, de Biologia, recomenda trabalhar as questões emocionais (Foto: Evandro Veiga/ CORREIO)


Controlar as emoções
Numa disputa tão acirrada é normal ficar nervoso, mas essa ansiedade pode atrapalhar o desempenho em campo, por isso, o professor de Biologia dos Colégios Anchieta e Nossa Senhora da Luz, André Luís Carmo, orientou os candidatos a controlar as emoções. Ele aconselhou os alunos a fazerem uma revisão dos temas mais comuns.

“O fator emocional é o mais importante. A prova tem 90 questões para serem respondidas em um prazo muito apertado. Ele não pode focar em responder corretamente apenas as perguntas mais difíceis ou mais fáceis, por exemplo, porque o método de correção considera que os acertos precisam ser intermediários. Ele precisa acertar as perguntas fáceis, as médias e se consegui as difíceis será o diferencial”, explicou.

Ele apostou que Citologia, assunto que ganhou pouca importância no Enem, deve aparecer com mais frequência esse ano porque o tema tem ganhado importância. O mestre orientou os alunos a manterem a rotina nesses últimos 10 dias, dormindo e comendo bem, mas sem excessos, e seguindo a dieta que estão acostumados.

“A gente percebe que os estudantes que fazem a primeira prova ficam abalados, achando que se saíram mal, e isso afeta o desempenho na segunda prova. A recomendação é de que eles não comentem sobre o exame na semana de intervalo”, disse. Também não vale dizer que se saiu muito bem só para desestabilizar o coleguinha. Deus tá vendo.
 


Carlos Duplat, de Química, diz que é preciso diminuir ansiedade (Foto: Acervo pessoal)

Trabalhar a ansiedade
As emoções merecem atenção especial também na opinião do professor de Química dos Colégios Dom e Bernoulli, Carlos Duplat. Segundo ele, como na final de um campeonato, quanto mais próximo o momento fatídico maior a ansiedade, por isso, os candidatos precisam trabalhar essa questão.

“Esse é o momento de sedimentar as informações, o conhecimento que ele já adquiriu. O estudante deve aproveitar esses dias para responder as questões das edições anteriores do Enem e assistir aulões. Esses encontros são importantes porque, além de ter um caráter lúdico que diminui a ansiedade, deixam o estudante mais confiante”, contou.

Duplat lembrou que quem não puder assistir aos aulões presencialmente tem a opção de acompanhar esses encontros pela internet, através do YouTube ou de outras plataformas. “Eles devem focar especialmente nos temas mais comuns do Enem, como energia, biocombustíveis e poluição, por exemplo”, revelou.
 

Toni Santana, de Matemática, afirma que candidato descansado se saí melhor (Foto: Almiro Lopes/ CORREIO)

Descanso
Todo atleta precisa estar descansado antes da partida e os professores concordam com essa teoria. Para o professor de Matemática dos Colégios Antônio Vieira e São Paulo, Toni Santana, os 10 dias que antecedem a prova servem justamente para isso. “Ele precisa dormir cedo na semana antes da prova, reduzir a carga horária e descansar”, afirmou.

Ele também aconselhou os candidatos a praticar exercícios de leitura de gráficos e tabelas, e a revisar os conteúdos de estatística e escala. “Ao contrário do que muita gente pensa, a prova de matemática exige muito mais leitura do que números. É preciso ter atenção ao texto para identificar os distratores e o que eles pedem, por isso, o estudante que está mais descansado costuma se sair melhor”, disse.

O foco maior no texto e menor nos números vale também para a Física. Segundo o professor do Sesi, Yulo Augusto Freitas, os estudantes devem aproveitar esses últimos dias antes da prova para fazer uma revisão conceitual.

“Esse não é o momento de ficar tentando decorar fórmulas, mas de fazer uma leitura suave dos conteúdos. O Enem desmistifica a parte matematizada da Física e é voltado mais para os conceitos. Então, é preciso fazer essas leituras”, afirmou.
 

Yulo Augusto, de Física, destaca revisão conceitual (Foto: Almiro Lopes/ CORREIO)

Leitura
E por falar em leitura, a professora de Redação do Colégio Vitória-Régia Rozana Pires disse que estar bem informado é essencial para se sair bem, tanto na redação como na prova de linguagem. A orientação é para que os estudantes continuem acompanhando o noticiário e lendo textos de formadores de opinião, mas com atenção redobrada para as fake news.

“Eles precisam dá atenção aos textos motivadores e exercitar a escrita. A dica é focar no treinamento, sobretudo, do tempo. Escolher um tema e fazer uma redação, com o relógio ao lado, para treinar, pincipalmente, a introdução e a conclusão”, ponderou.
 

Rozana Pires, de Redação, falou da necessidade de se manter informado (Foto: Betto Jr/ CORREIO)


A professora orientou os estudantes a diminuírem o ritmo e a relaxarem. Ela disse que interpretação de texto conta muito e entender o contexto é peça fundamental na hora de responder as questões. “Dependendo do contexto, a palavra ‘menininha’ pode ser um afeto ou uma ironia, por exemplo, por isso, ele precisa praticar lendo bastante”, avaliou.

Enquanto a partida não começa ainda dá tempo de se preparar. Segundo os professores, esse é o momento do aquecimento. Como bem disse Yulo: “Nessa reta final o bem estar vale mais. Não adianta se sobrecarregar tentando estudar o que não estudou o ano todo”. 

Cartões de confirmação estão disponíveis para consulta
Os cartões de confirmação da inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 com o local e o horário da aplicação das provas já estão disponíveis para consulta. Quem teve algum problema com as informações ou dificuldade de acesso ao documento, deve entrar em contato com o Ministério da Educação (MEC) pelo telefone 0800 616 161 ou pelo link Fale Conosco, no site do Enem.

Para consultar o documento é necessário acessar a página do participante. O estudante informa o CPF e senha ou também pode baixar no celular o aplicativo Enem 2018. Os candidatos que farão a exame na Bahia devem redobrar a atenção porque o horário de verão vai começar no mesmo dia da primeira prova, 4 de novembro.

O MEC recomenda que os inscritos fiquem atentos aos horários de abertura e fechamento dos portões dos locais de prova em cada estado. Para evitar imprevistos, o governo orienta que o estudante planeje o trajeto até o local da prova e comecem a ajustar o horário de sono, dormindo mais cedo uma semana antes do dia da prova.

Nos estados da Bahia, Alagoas, Amapá, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, e Tocantins, os portões abrem às 11h e fecham às 12h.
As provas serão aplicadas em dois domingos. No dia 4 de novembro, os candidatos vão responder às provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, de Ciências Humanas e suas Tecnologias, e a Redação. O tempo de duração será de 5 horas e meia.

Já no dia 11 de novembro será a vez das provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias, com duração de 5 horas - meia hora a mais que na última edição. Na Bahia, 398 mil candidatos confirmaram participação no Enem, e o estado é o terceiro maior em número de inscrições, sendo o primeiro do Nordeste.
 

CORREIO Gráficos

Confira os principais assuntos de cada disciplina
Linguagem

  • Variação linguística
  • Coerência e coesão
  • Interpretação textual
  • Romantismo e Modernismo
  • Figuras de linguagem, como metáforas, ironias e paradoxos

 
Matemática

  • Matemática financeira
  • Geometria plana e espacial
  • Função de 1º e 2º grau
  • Logaritmo
  • Escala

 
História

  • Primeira República
  • Era Vargas
  • Ditadura Militar
  • 1ª e 2ª Guerras Mundiais
  • Crise de 1929

 
Geografia

  • Agropecuária e estrutura fundiária no Brasil
  • Meio ambiente
  • População e urbanismo
  • Geologia
  • Geopolítica

 
Biologia

  • Ecologia, principalmente, relações ecológicas e cadeia alimentar
  • Humanidade e meio ambiente
  • Fisiologia humana, principalmente, sistema imunológico, vacina e soro
  • Genética
  • Biotecnologia, sobretudo a área de transgênicos e células tronco

 
Química

  • Ligação intermolecular
  • Química orgânica
  • Estequiometria
  • Termoquímica
  • Eletroquímica

 
Física

  • Fenômenos ondulatórios
  • Estudo dos movimentos, cinemática e movimento retilíneo
  • Leis de Newton aplicação
  • Calorimetria e termodinâmica
  • Eletricidade básica e circuitos elétricos

 
Redação

  • Questões sociais
  • Direitos Humanos
  • Crianças e os adolescentes
  • Meio Ambiente
  • Fake News

 
Atualidades

  • Saída dos EUA do acordo de Paris sobre o clima
  • Saída dos EUA do Tratado do Transpacifico
  • Saída do Reino Unido da União Europeia
  • Sobretaxa do aço brasileiro pelos EUA
  • Expansão de fronteira agrícola Matopiba
  • Desdobramentos da reforma trabalhista
  • Greve dos caminhoneiros
  • Intervenção federal no Rio de Janeiro
  • Intolerância religiosa
  • Racismo

 
Política no Enem

  • Divisão dos Três Poderes e suas reconfigurações por governos autoritários
  • Representatividade de eleitores, como analfabetos e jovens
  • Luta das mulheres pelo sufrágio
  • A importância do exercício da cidadania pelo voto consciente e a participação de entidades e jovens em movimentos que reivindicaram mudanças do status quo tais como as Diretas Já (1983-84) e o Caras Pintadas (1992)
  • Autoritarismo, cerceamento da imprensa e da liberdade individual para se expressar e se manifestar
  • Liberdade de escolha dos governantes pelo povo e o levante do movimento democrático
  • Os rearranjos dos partidos políticos, do bipartidarismo ao pluripartidarismo
  • Criação da Justiça Eleitoral em 1932, com o intuito da moralização das eleições
  • Discussão sobre conflitos ideológicos e sua propagação, ressaltando a atuação dos meios de comunicação nesse processo, passando da TV à internet e as redes sociais, que nos últimos anos ajudaram no compartilhamento de fake news
  • Os aspectos econômicos do país e seus efeitos na sociedade e na política, com temas como depressão, inflação, hiperinflação e recessão



***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas