Entregador de aplicativo dorme na rua para não gastar gasolina até casa

brasil
29.06.2022, 11:39:02
(Foto: Reprodução / TV Globo)

Entregador de aplicativo dorme na rua para não gastar gasolina até casa

Morador do Rio, Renato economiza R$ 25 por dia com estratégia

O alto preço da gasolina faz o entregador Renato de Amorim Loureiro deixar de dormir em casa para passar a noite na rua. Morador da cidade de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, ele vive a 50km do trabalho. Por isso, ele tomou a decisão que o faz economizar R$ 25 por dia. 

"As coisas estão muito caras e a gente não consegue ter retorno financeiro. Tem o combustível também. Da minha casa, ida e volta, dá uns 100 km. Você já sai de casa gastando. Então eu acabei usando essa estratégia", comentou a TV Globo Renato, que fica até 20 dias direto sem voltar em casa.

"Eu prefiro descansar para voltar pro trabalho do que muitas vezes ir para casa", completou o trabalhador.

Renato é motoboy há 20 anos, mas atualmente só consegue trabalho através dos aplicativos de entrega, onde não tem direitos trabalhistas nem horário fixo de trabalho. Com isso, ele trabalha mais, mas segue faltando dinheiro no final só mês.

"Meu custo diário hoje é na faixa de R$ 60, R$ 70, juntando com combustível e alimentação. No aplicativo, para você fazer R$ 150 tem que trabalhar muito. Se eu trabalhar 8 horas por dia, por exemplo, como eu trabalhava quando eu tinha carteira assinada, eu vou tipo empatar dinheiro, não vou ganhar nada", disse Renato a Globo.

"Eu prefiro tá aqui trabalhando, dia e noite, para que minha família tenha um sustento e tenha como pagar as dívidas", explicou Renato.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas