'Era um homem muito perigoso', diz major sobre líder do BDM morto em confronto

salvador
07.08.2020, 05:00:00
(Leitor CORREIO)

'Era um homem muito perigoso', diz major sobre líder do BDM morto em confronto

A polícia quer evitar que traficantes determinem o fechamento do comércio em represália à morte do líder Coió

A morte de um líder do tráfico sempre acende um alerta na polícia. Nesses casos é comum a represália de comparsas do mundo do crime, ainda mais quando se trata de um membro de uma facção criminosa.

Bruno Leite de Jesus, 25 anos, o "Coió", foi baleado num confronto com a PM no bairro de São Cristóvão nesta quinta-feira (5) e morreu. Ele era considerado um homem bastante perigoso, segundo declarou o major Everton Monteiro, comandante da 52ª Companhia Independente (Lauro de Freitas).

De acordo com o major, Bruno integrava a facção Bonde do Maluco (BDM) e era líder do tráfico de drogas no centro de Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador (RMS). Era ele quem controlava o tráfico em Lauro e no Parque São Cristóvão, onde foi morto numa operação da PM.

“Há dois anos, ele saiu de Lauro por causa da nossa investida. A gente estava atrás dele. Então, ele foi para o Parque São Cristóvão, região próxima daqui. De lá, mandava aqui, pois tinha seus soldados. Era um homem muito perigoso”, disse.

Coió era tão poderoso que a Polícia Militar achou prudente reforçar o policiamento na região. A medida é para evitar uma ação de comparsas e evitar cenas de terror no bairro.

“Desde o início da manhã desta quinta (6), estamos com policiamento reforçado no centro para evitar retaliação. A nossa ideia é evitar que integrantes da facção mandem fechar o comércio. Para isso, nossos homens estão no local para tranquilizar a população”, declarou Monteiro.

Segundo o major, o centro de Lauro conta com o efetivo de 18 policiais circulando em cinco viaturas. “Desta forma, conseguimos cobrir estrategicamente toda a região”, disse o policial. Os principais pontos de atuação de Bruno no centro de Lauro são: Beco do Eleutério, Rua da Valeta e Beco do Fedor. 

Sucessor
É sabido que, após a morte de qualquer líder do tráfico, um ou vários nomes surgem até que um deles consiga o respeito dos demais. Logo, a morte de Bruno deixa uma pergunta: quem o sucederá? O major disse que toda a situação ainda é prematura.  “Ainda não sabemos. Não há, por enquanto, um nome de expressão. Isso é uma das coisas que estamos conversando com a Polícia Civil”, declarou. 

Titular da 23ª Delegacia (Lauro de Freitas), o delegado Joelson Reis disse que também não há no momento um nome que se destaque entre no BDM do centro de Lauro.  “Não tem nenhum. A gente está acompanhando. A força atualmente do grupo era ele (Bruno)”, disse o delegado. 

A cobertura da 23ªDP abrange outras regiões próximas ao centro de Lauro. A grande maioria tem a atuação do BDM e a nova liderança pode vir de algumas delas. “Os que estão ainda aqui ligados a Bruno são soldados e olheiros, que não têm a tática de liderança e a parte que é CP (Comando da Paz) é muito pequena”, disse o delegado. 

Entre os soldados, Reis citou três nomes, sendo dois irmãos. São eles: Caio de Vinícius de Jesus, o Vinni, e Luan e Luildson do Nascimento Lima. “Tanto Caio, o Vinni, e os irmãos já foram presos aqui várias vezes. A gente prende, a justiça solta”, disse o delegado

Contudo, o titular da 23ª DP disse que montou um dossiê no tráfico que atua na região e entorno do centro de Lauro. “Nosso Serviço de Inteligência já tem tudo mapeado por nomes, localidades, fotos, inquéritos, todo o diagnóstico de nossa área”, declarou ele, sem dar mais detalhes.  

Ainda de acordo com o delegado, Bruno assumiu a liderança no ano passado, com as mortes de Leandro Santos Bezerra e Jack Bonfim Melo da Anunciação, o Jackinho, também baleados em confronto com a PM. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas