Eric Clapton anuncia que não fará shows em locais que exijam vacina contra covid

coronavírus
22.07.2021, 10:51:30
(AFP)

Eric Clapton anuncia que não fará shows em locais que exijam vacina contra covid

Em novembro, ele lançou a canção Stand and Deliver, que servia como protesto contra o isolamento social

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O músico britânico Eric Clapton, de 76 anos, anunciou que não vai fazer shows em locais que exijam vacinação do público contra covid-19. Segundo a revista Rolling Stone, Clapton teria falado ao cineasta Robin Monotti, por meio do aplicativo de mensagens Telegram, a sua recusa. "Após o anúncio do PM (primeiro ministro) na segunda-feira, 19 de julho de 2021, sinto-me na obrigação de fazer um anúncio pessoal: quero dizer que não me apresentarei em nenhum palco onde haja um público discriminado. A menos que haja providências para que todas as pessoas compareçam, eu me reservo o direito de cancelar o show", escreveu Clapton.

O músico se manifestou depois da decisão do primeiro-ministro britânico Boris Johnson de que as casas noturnas inglesas, além de outros estabelecimentos que atraiam grande público, terão de exigir de seus clientes a prova da vacinação completa contra covid-19 a partir do fim de setembro.

Não foi a primeira reação negativa de Clapton - em novembro, ele lançou a canção Stand and Deliver, ao lado de Van Morrison, que servia como protesto contra o isolamento social no combate do coronavírus. A dupla temia que a ausência de público provocasse reações negativas ao mercado musical.

Clapton recebeu a primeira dose da vacina Oxford/AstraZeneca em maio, o que lhe provocou reações negativas no corpo. "Tomei a primeira injeção da AZ e imediatamente tive reações graves durante dez dias", escreveu ele a um amigo. "Cerca de seis semanas depois, tomei a segunda dose da AZ, mas com um pouco mais de conhecimento das reações. Mesmo assim, as reações foram desastrosas, minhas mãos e pés estavam congelados, dormentes ou queimando e praticamente inúteis por duas semanas. Temi nunca mais tocar."

As reações de Clapton o isolaram no mundo da música, segundo ele mesmo reconheceu em entrevista a um canal do YouTube, no mês passado. "Tentei entrar em contato com colegas músicos, que não me respondem mais. Meu telefone já não toca mais com frequência. Não recebo mais mensagens e e-mails", afirmou.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048