Escolas retomam as aulas em Cajazeiras, mas com cautela

salvador
11.05.2022, 12:20:00
Escola Municipal Francisco Leite (Bruno Wendel/CORREIO)

Escolas retomam as aulas em Cajazeiras, mas com cautela

Clima de insegurança continua na região após mortes de PMs

Aos poucos  alguns estudantes estão voltando à rotina na região de Cajazeiras. Na manhã desta quarta-feira (11) , colégios e escolas da rede pública tiveram aulas, mas com cautela, pois a sensação de insegurança ainda perdura devido às mortes de três policiais militares neste final de semana, no bairro de Águas Claras. Desde a segunda-feira (8), que as aulas estavam suspensas.

Na Escola Estadual Ana Bernardes, na Rua Waldeloir Rêgo, em Cajazeira VI, os alunos tiveram aula até às 10h. "O diretor liberou todo mundo, porque a maioria não mora aqui. A gente ainda tem um pouco de medo. Nós viemos porque ele postou no Instagram da escola que ia ter aula", declarou um dos alunos. "Foi ele (diretor) que disse que era não vir na segunda, por causa da falta de segurança", emendou outro aluno. O diretor da escola é Manoel Menezes. Procurado, ele não quis comentar o assunto. 

A manhã foi de aulas também para os alunos do Colégio Estadual Renan Baleeiro, na Rua do Condor, em Águas Claras. "Não funcionamos ontem por causa mesmo do clima tenso da região, mas hoje voltamos, após uma conversa com a comunidade, que concordou. Porém, estamos liberando mais cedo, 10h, por uma medida de segurança mesmo", declarou o vice-diretor na unidade João Milton Júnior. Apesar da retomada das aulas, alguns estudantes da unidade estavam tensos. "E quem não está? Porque ninguém sabe o que pode acontecer a qualquer momento", declarou um estudante. 

Colégio Renan Baleeiro (Foto: Bruno Wendel/CORREIO)

No antigo final de linha de Águas Claras, o medo ainda era absoluto e os alunos não foram às aulas na Escola Estadual Santa Rita de Cássia. "Desde a segunda, nós estamos aqui, a direção, o pessoal do administrativo, o porteiro, as moças da merenda e limpeza, mas os alunos não vieram. Os pais dizem que não vão mandar seus filhos enquanto a sensação de insegurança continuar. Por causa disso, tive que liberar os professores", disse o vice-diretor Jorge Mota. 

A reportagem procurou um posicionamento da Secretaria Estadual de Educação (SEC), mas até o momento não teve resposta. 

Já a Secretaria Municipal da Educação (Smed) informou que, nesta quarta-feira (11), as 14 escolas da região de Cajazeiras afetadas pelo clima de insegurança estão abertas.  "Entretanto, o clima de insegurança levou vários pais a não conduzirem os filhos para a aula", diz a nota. 

Na Escola Muncipal Francisco Leite,  na Rua Celika Nogueira, Água Claras, houve poucos alunos. "Ainda o reflexo do medo. Os pais chegaram aqui perguntando se ficamos sabendo de alguma coisa, se houve relatos de insegurança. Trouxeram os filhos, mas bastante preocupados. Não vieram muitos alunos", contou um dos primeiros da unidade.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas