Espetáculo Pele Negra, Máscaras Brancas estreia na Ufba em março

entretenimento
16.03.2019, 06:10:00
Atualizado: 17.03.2019, 20:21:57
Onisajé dirige dez atores na peça baseada em obra de Frantz Fanon ( (Foto: Adeloya Magnoni/ Divulgação))

Espetáculo Pele Negra, Máscaras Brancas estreia na Ufba em março

Com diretora e elenco 100% negro, montagem põe dedo na ferida e não poupa ninguém quando o assunto é racismo

Dois anos depois de estrear Gusmão - O Anjo Negro e Sua Legião, a Companhia de Teatro da Ufba volta a botar o dedo na ferida e monta um espetáculo no qual discute o racismo estrutural e as implicações nas subjetividades negras.

Baseado em obra homônima do psiquiatra negro Frantz Fanon (1925-1961), Pele Negra, Máscaras Brancas estreia nessa segunda-feira (18), no Teatro Martim Gonçalves, abrindo a programação do Fórum Negro de Artes e Cultura - FNAC, que este ano chega à sua terceira edição. 

Com elenco 100% negro, a montagem também é a primeira da companhia a ser dirigida por uma mulher negra, Onisajé (Fernanda Júlia).“Essa foi uma porta aberta com Gusmão e que Pele Negra chega para manter aberta. A ideia é que a representatividade negra se mantenha, e não apareça esporadicamente, dando retornos rápidos e fugazes. Estamos e continuamos”, enfatiza a diretora, que ao lado de estudantes e de professores têm “empretecido o pensamento cênico-teatral” dentro da Escola de Teatro da Ufba.  

Montagem explora conceitos de lugar de fala, colorismo e interseccionalidade (Foto: Adeloya Magnoni/ Divulgação)

Se Gusmão expôs o racismo estrutural ao homenagear aquele que foi o primeiro ator negro a concluir o curso de graduação dentro da instituição, Peles Negras, Máscaras Brancas segue o mesmo propósito, pondo foco nas implicações nas subjetividades negras.

Teatro negro
“Fanon reivindica a humanida das pessoas negras. É muito importante falar do quanto o racismo adoece e enloquece, como atravessa nossas subjetividades. Ele é o mais categórico autor a dizer isso, e a partir da obra dele diversos pensadores passam a reforçar esse coro“, destaca Onisajé, que além da temática, destaca a centralidade das epistemologias e das metodologias negro-referenciadas na montagem

Interpretado por dois atores, um deles uma mulher trans, o próprio Frantz Fanon aparece como personagem na trama para, novamente, defender a tese de doutorado rejeitada pela banca examinadora no ano de 1952:  Pele Negra, Máscaras Brancas, obra que se tornou referência mundial sobre o tema.


Fanon reivindica a humanidade das pessoas negras, e não alivia para ninguém, bate em todo mundo. É um processo devastador-  Onisajé; diretora é primeira mulher negra a montar espetáculo da Companhia de Teatro da Ufba

O texto é de Aldri Anunciação, que em sua nona dramaturgia, volta a investir em um futuro distópico. Além dos anos de 1952 e 2019, parte do enredo se desenrola em 2888, mil anos após a Abolição da Escravatura no Brasil. Os atravessamentos com o país são muitos, mas a narrativa não é territorialmente situada.  

(Foto: Ricardo Simões/ Divulgação)

Para ele, essas são estratégias que tornam a sua escrita mais confortável e lhe permitem explorar o conceito de tempo espiralar desenvolvido pela pesquisadora Leda Maria Martins (UFMG), no qual passado e futuro recorrem no presente. 

Aldri ainda utilizou outras duas obras como condutoras da dramaturgia: Os Condenados da Terra, também de Fanon, e Necropolítica, de Achille Mbembe. “Eu tento articular diálogos da nossa contemporaneidade com uma previsibilidade de futuro. Algumas pessoas denominam isso de distopia: você imaginar um futuro perverso ou intensificado nos seus conflitos a ponto de parecer impossível aquilo acontecer, só que se você olhar com mais atenção são coisas que podem acontecer”, explica.


Fanon nos expõe a nós mesmos, não coloca o racismo somente como uma dicotomia entre brancos e pretos, coloca o negro diante de si próprio -  Aldri Anunciação; dramaturgo conheceu obra do psiquiatra nos anos 2000, ainda na graduação

Serviço:Teatro Martim Gonçalves. Dias 18, 23, 24, 29, 30 e 31 de março; 05, 06, 07, 12, 13 e 14 de abril, sempre às 19h. Gratuito.

Vale ver outros espetáculos no FNAC (programação completa aqui):

Espetáculo de dança Ziriguidum: dia 19, às 19h, no Martim Gonçalves
 Afronte e – Akulobee: dias 21 e 22 de março, às 19h, na Casa Rosada (Barris)
Travessias: apresentação única dia 21, às 19h, no Martim Gonçalves


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/o-foco-e-total-aqui-neymar-se-apresenta-a-selecao-brasileira/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/conheca-um-dos-destinos-mais-procurados-pelos-soteropolitanos/
Potencial do povoado Baixio atraiu o empreendimento Ponta de Inhambupe
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pm-morre-apos-ser-baleado-dentro-de-hotel-no-dois-de-julho/
Vídeo mostra hora do disparo, que atingiu o soldado no rosto
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/homem-agride-e-ameaca-de-morte-funcionarios-de-restaurante-em-salvador/
Caso ocorreu na noite desta quinta-feira (23) em empreendimento na Cardeal da Silva
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/esse-cara-vai-me-matar-luisa-sonza-fala-sobre-regressao-de-whindersson-apos-briga/
Youtuber se envolveu em confusão com influencer Carlinhos Maia; entenda
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/plateia-abandona-sessao-por-cenas-de-sexo-explicito-de-filme-em-cannes/
Cena de sexo bastante longa em banheiro entre personagens foi criticada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/classico-caverna-do-dragao-e-revivido-em-live-action-para-comercial/
A recepção da propaganda foi tão boa que internautas logo pediram um filme
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/juntos-e-shallow-now-5-versoes-do-hit-menos-piores-que-a-de-paula-fernandes/
Tem nos ritmos forró, country e, claro, no estilo pagodão da La Fúria; ouça
Ler Mais