Esposa de Lázaro Barbosa diz que policiais a torturaram por localização do marido

brasil
21.06.2021, 09:46:59
Atualizado: 21.06.2021, 09:50:39

Esposa de Lázaro Barbosa diz que policiais a torturaram por localização do marido

Baiano é suspeito de uma série de crimes, incluindo chacina, homicídios e estupros

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução

A esposa de Lázaro Barbosa, 32, suspeito de matar uma família em Ceilândia (DF) e de cometer uma série de crimes em fuga, revelou que foi agredida por policiais que queriam saber o paradeiro dele. O homem está foragido há 13 dias.

"O policial deu três, quatro tapas no meu rosto. Ele quebrou o rodo da minha tia e ia me bater com o cabo. Eu pensei comigo: Senhor, eu não acho justo eu apanhar com esse cabo de vassoura. O Senhor sabe que eu não sei onde ele está", contou em entrevista ao "Domingo Espetacular", da TV Record.

Fuga: Lázaro quer sair do Goiás e do DF, revela família feita de refém

Ainda segundo a mulher, um policial ameaçou afogá-la se ela não desse informações sobre a localização de Lázaro. "Isso é um abuso, eles não podem bater na gente assim", completou.

Além da esposa do fugitivo, líderes religiosos de espaços tradicionais de matriz africana em Goiás também denunciam abusos de autoridade por parte da Polícia durante as buscas a Lázaro.

Intolerância: Líderes religiosos denunciam violência de equipes policiais que buscam por Lázaro

Procurada pelo "Domingo Espetacular", a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás afirmou que a polícia age de acordo com protocolos, e que as denúncias serão apuradas.

A mulher de Lázaro também relatou ameaças de civis que acreditam que ela tenha informações sobre o marido.

Habilidade: 'Mato é quintal pra ele', diz baiano que é melhor amigo de Lázaro Barbosa

"Muitos estão falando que eu era cúmplice, que eu sabia de tudo, que eu tinha que morrer. Hoje mesmo uma mulher me falou para eu não ficar andando na rua, porque tem muita gente comentando: por que não mata a mulher dele? Corta o pescoço dela para ver se atinge ele, se ele se entrega", disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas