Essa estranha estação luminosa

kátia borges
10.01.2021, 18:55:52
Atualizado: 10.01.2021, 19:30:09

Essa estranha estação luminosa


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Janeiro é sinônimo de veraneio no Hemisfério Sul. Mesmo com o sol no signo de Capricórnio, confesso que planejava escrever sobre o Verão essa semana. Acabou saindo uma crônica de aniversário. Para mim, e em minha vida, as duas coisas se misturam. Há quem considere chato nascer nesse mês. Eu adoro.

Nascer na estação mais quente do ano, e em Salvador, é ter a praia como salão de festas permanente. Perdi as contas de quantas celebrações já fiz em restaurantes e em bares à beira-mar, quando não passei a data em casas alugadas, em algum balneário próximo, ou em barracas de camping, nos lugares mais desertos.

Aniversários perfeitos, os pés enfiados na areia, as roupas cheirando a maresia da manhã até a noite, galões de vinho barato e a sensação de que estava tudo muito certo, tudo muito certo. Mesmo quando, meio gótica, eu me juntava a adolescentes furiosamente felizes, e em férias, e os mais chegados faziam churrasco de peixe.

Mesmo se havia uma rodinha de violão improvisada, em esteira de palha, tocando todo o repertório da Legião Urbana umas quatro vezes. Vá lá, o clima também ajuda um bocado. Após o Réveillon, a humanidade ainda experimenta por alguns dias a sensação ilusória de recomeço, e é a esperança que dá o tom de todos os encontros.

A felicidade deve ser bem isso, quando a esperança nos faz rir feito tolos. A sensação de que algo incrível pode surgir de repente a partir do tédio. Olhar bestamente mar e céu, ensaiando o azul infinito, porque há tempo de sobra, há tempo de sobra para mudar de rumo. Varar as noites quentes de verão acordada de alegria.

Insônia de alegria, artigo raro. Ensaiar o azul infinito. Mesmo hoje, quando alguns amigos queridos e os pais morreram. E o verão é uma incógnita macabra — essas aglomerações furiosamente felizes nas praias causam em mim um misto de pânico, repulsa e desespero. Ainda assim, sinto que devo cumprimentar a estação luminosa.

Muito prazer, então, estranho Verão de 2021! Penso comigo, olhando para o sol do novo ano que começa agora. A luminosidade direta em meus olhos forja sombras, projeta fantasmas de veraneios perfeitos nas paredes do apartamento. Fujo para a varanda e vejo que o céu está azul lá fora. Eu o saúdo com todas as minhas forças.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas