‘Estamos descrentes com tanta covardia’, diz amiga de confeiteiro morto em Salvador

salvador
22.02.2022, 18:00:00
(Arisson Marinho/CORREIO)

‘Estamos descrentes com tanta covardia’, diz amiga de confeiteiro morto em Salvador

Corpo de Wellington Oliveira foi enterrado nesta terça-feira no Cemitério Bosque da Paz

Amigos e familiares de Wellington Oliveira, 39 anos, que era mais conhecido como Tom, ainda tentam processar a perda do confeiteiro. Ele morreu após ser baleado perto do estádio do Barradão, em Canabrava, por um homem ainda não identificado e enterrado na manhã desta terça-feira (22), no Cemitério Bosque da Paz, em Salvador.

Uma equipe da 50ª Companhia Independente de Polícia Militar chegou a socorrer o confeiteiro e levá-lo para o Hospital Eládio Lasserre, mas ele acabou não resistindo. A Delegacia de Homicídios/Central é quem está responsável por investigar autoria e motivação do crime.

(Arisson Marinho/CORREIO)
(Arisson Marinho/CORREIO)

Pessoas próximas à Tom imaginam que a morte dele tenha acontecido em uma tentativa de assalto, já que desconhecem qualquer inimizade do confeiteiro. Isso porque ele era uma “pessoa boa'' e que só cultivava relações positivas ao longo do tempo.

É isso que ressalta Miene Souza, 29, que foi professora de Tom na arte da confeitaria e acabou virando amiga dele. “Tom era alegria pura, eu nunca o vi triste ou desanimado. Ele era aquele que plantava união, amor e felicidade. Acho que você não vai encontrar ninguém que não goste dele”, diz Miene, que é Cake Designer.

Tom era uma pessoa muito querida (Foto: Reprodução)

Sobre como todos têm lidado com o falecimento do amigo, Miene diz que ainda é complicado entender que Tom morreu. “A sobrinha me disse que ela (mãe de tom) estava em casa e medicada. Estamos descrentes com tanta covardia e vai demorar para cair a ficha. Ele era muito amado por nós”, completa.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas