Estudantes baianos relatam dificuldades de adaptação na preparação para o Enem

enem
04.11.2020, 06:00:00
Atualizado: 17.11.2020, 18:40:13
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Estudantes baianos relatam dificuldades de adaptação na preparação para o Enem

Professores dão dicas de como superar problemas da pandemia e como se organizar para otimizar o aprendizado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A preparação para o Enem já é um processo muito conhecido e esperado pelos brasileiros que, desde muito novos, já entendem o quão fundamental é o exame para o seu destino profissional. Salas de aula, auxílio dos professores, livros, atividades, simulados e as cobranças dos pais fazem parte do cotidiano do jovem rumo à universidade. Marcas que continuam presentes em um cenário pandêmico, agora, com aulas por vídeo, ajuda remota dos educadores, livros em plataformas digitais e as cobranças dos responsáveis que estão ainda mais próximos de seus filhos com o isolamento.

Com o ‘novo normal’, os alunos e professores tiveram que se desdobrar para converter o ambiente de casa em um espaço de aprendizado e ensino enquanto tocavam em frente o plano de aulas, que tem como principal objetivo fazer com os jovens alunos cheguem com as melhores condições possíveis no exame nacional mais importante para ingresso nas universidades.Para os estudantes,  o desafio ainda maior. Em casa e distantes do acompanhamento presencial que escolhas e cursinhos realizavam diariamente, eles se tornaram os fiscais do próprio aprendizado e passaram a decidir a hora de estudar e o tempo demandado para essa atividade. 

A tarefa é complicada, mas, para Victor Benevides, professor de Química que leciona em escolas e cursinhos de Salvador, Itabuna e Santo Antônio de Jesus, pode ser cumprida pelos estudantes. “Nesse momento, se os alunos tiverem consciência de sua motivação e do porquê de todo esse esforço, se organizar fica menos complicado. A primeira coisa é desenvolver o autoconhecimento e entender quais são os seus objetivos e que eles dependem do quanto você se dedica nos estudos”, diz.

Victor dá dicas de como manter o foco nos estudos (Foto: Acervo Pessoal)

Desafios
É justamente nesta orientação que a soteropolitana Helena Barros, 17 anos, se ampara para continuar firme e forte nos estudos. A estudante, que quer fazer relações internacionais como curso superior, conta que procura lembrar de suas metas na hora de arrumar forças para se empenhar em suas horas de estudo. 

“O que tem me ajudado é manter um foco nos meus objetivos e na faculdade que eu quero ir, além de tentar separar os ambientes de estudo daqueles em que eu posso me distrair. Nesse sentido, estudar virtualmente tem sido um grande desafio, por demandar bem mais disciplina e concentração, além do cenário atual do Brasil também provocar bastante estresse", afirma Helena.

Brenda Cordeiro, 22, que se prepara para tentar entrar no curso de medicina, também fala das dificuldades impostas pela situação do país em 2020. Ela revela que o ano tornou a tarefa de seguir com os estudos um desafio e tanto. “É muito difícil essa nova realidade, por tudo que ela envolve.  Como a necessidade de concentração, aprendizagem, espaço e a falta de contato com professores. Tudo isso prejudicou não só pela pandemia, mas por tudo que o ano proporcionou.  Mortes, perdas, problemas psicológicos e físicos vieram junto”, diz.

Brenda tem tido dificuldades para manter rotina de estudos na pandemia (Foto: Acervo Pessoal)

Apesar de todos os contras, a baiana, que é de Itororó, no sudoeste do estado, afirma que tem se organizado e construído uma rotina de estudo para que sua aprendizagem continue. “O meu cursinho é integral com toda programação online, tem horário específico para algumas atividades, mas pode entrar depois também. Acredito que estudar bem não se resume a muitas horas ou quantidade de exercícios, mas a qualidade no que se faz e a constância.  Então, vou priorizando mais simulados, resolução de questões, alguns resumos e leituras”, explica Brenda.

A rotina também tem sido companheira de Helena quando o assunto é se manter focada, já que sua escola manteve o calendário de aulas de maneira remota. “Acho que uma das maiores ajudas pra manter o ritmo de estudo foi a consistência do colégio. Apesar de não termos a parte presencial, ter o privilégio da minha escola ter mantido ao máximo a rotina das aulas tem sido fundamental”, avalia.

Helena quer cursar relações internacionais (Foto: Acervo Pessoal)

Para Elis Rocha, 17 anos, que é de Itapetinga, sudoeste da Bahia, tem sido difícil se manter no ritmo dos estudo com a pandemia de covid-19. “Com as escolas fechadas, estudar para o Enem se tornou mais estressante do que já era. Mesmo com os cursinhos e aulas virtuais, coisa que nem todos têm condições de pagar. Juntou toda pressão de escolher uma profissão, a data do Enem, que, inclusive, não foi aceita pela votação dos estudantes, e a instabilidade sobre várias coisas. A concentração e o foco são muito afetados por essas questões”, relata a estudante, que quer cursar fisioterapia.

A jovem coloca, ainda, a ausência das rotinas comuns como um grande obstáculo para todos que estão se dedicando aos estudos durante o ano. “A rotina, por mais que nos empenhemos, não é a mesma de quando tínhamos aula presencial e outras atividades extracurriculares. Esse fator atrapalha muito nos estudos, pois muitas vezes nos culpamos por não conseguir cumprir as metas da semana”, lamenta Elis. 

Elis lamenta a falta do ritimo de estudo das aulas presenciais (Foto: Acervo Pessoal)

Dicas para o aprendizado
Para aqueles que estão tendo dificuldades, o CORREIO buscou a ajuda e orientação de quem trabalha com o ensino específico para pré-vestibulandos e também teve que se adaptar à nova realidade. Em conversa com a nossa reportagem, Adriano Caribé, professor de matemática do 3° ano do Colégio Anchieta e professor do curso vestibular Pontomed, tratou de dar dicas distintas para perfis diferentes de alunos. 

“Para quem tem um plano conduzido pelas escolas e cursinhos, a dica é simples: continue seguindo o roteiro de estudo estabelecido e respeite os horários estipulados para o aprendizado. Para quem, infelizmente, deixou de ter aula e está em pior situação, recomendo a criação de uma rotina de estudos condizente com as suas maiores necessidades e o seguimento da mesma. Constância de leitura e aprendizagem é importante demais nesse processo”, orienta.

O educador também alerta para a necessidade dos alunos se esforçarem para corrigir erros sem a cobranças dos professores. “O estudante precisa, sem sombra de dúvidas, corrigir os seus erros e não ter um conformismo. Se você fez um simulado de matemática e acerto 30 de 45, não pense que tá bom e é o que você precisa porque essa área tem menos peso na prova de quem vai fazer humanas ou linguagens. É importante entender onde foi o erro e tentar corrigir isso”, declara Adriano.

Outro educador ouvido pelo CORREIO foi Carlos Nazaré, professor de pré-vestibular e de história dos colégios Módulo, Antônio Vieira e Bernoulli. Ele também valoriza o respeito à rotina de estudos determinada pela escola ou pelo estudante, além da execução das atividades práticas. “É fundamental manter uma rotina em relação às aulas, sabendo discernir os assuntos mais importantes e executando as atividades práticas propostas. Não é só ouvir e estudar, mas, também, realizar exercícios que têm a função de mostrar em que pé está o aprendizado”, indica.

Orientação pedagógica
A nova realidade citada por professores e alunos tem intensificado os desafios para o ensino de qualidade. Por isso, escolas e cursinhos têm procurado manter os discentes focados nas aulas e com o aprendizado contínuo. Luciana Oliveira, coordenadora pedagógica do Colégio Oficina, afirma que tem baseado o incentivo na lembrança do privilégio que os alunos têm de, ainda, estarem tendo aulas em um período pandêmico. 

“Temos conseguido trabalhar o foco dos alunos mostrando para eles a importância da perspectiva da aprendizagem e trabalhando o ponto do privilégio que é, em um momento tão importante para quem vai prestar Enem, ainda ter aulas por aplicativo e orientação à disposição. Coisa que os alunos da rede pública não podem ter”, explica Luciana, que também é terapeuta e acredita que a abordagem pedagógica é fundamental no atual cenário em que os jovens estão se preparando para o exame.

CORREIO traz fascículos para revisão
Até o dia 13 de janeiro, o CORREIO publica 17 fascículos especiais do 14º projeto Revisão Enem 2020. Na semana passada o tema foi Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias. Nesta semana o caderno traz questões de Ciências Humanas e suas tecnologias. 

Com simulados online, que são disponibilizados no site Correio24horas.com.br, os conteúdos contam com uma série de questões objetivas, realizadas pelo SAS Educação, para os estudantes testarem os seus conhecimentos nas disciplinas cobradas no Enem. “É um projeto pensado para facilitar a vida do estudante nessa reta final. Os conteúdos são desenvolvidos para abranger todas as 120 habilidades cobradas no Enem e os assuntos mais recorrentes nas provas, para que o aluno descubra uma forma dele se aproximar mais da realidade do exame,  além de disponibilizar as vídeoaulas com as resoluções para que o aluno, também, aprenda o conteúdo que ainda não sabe”, diz o professor Ademar Celedônio, diretor de Ensino e Inovações Educacionais no SAS Plataforma de Educação

Além disso, sempre às quartas-feiras, o site do jornal conta com videoaulas. As aulas podem ser acessadas na íntegra no canal www.correio24horas.com.br/revisao. "Reunimos em um só lugar materiais inéditos de estudo que serão atualizados semanalmente e ficarão disponíveis para serem consultados sem sair de casa, a qualquer momento, de qualquer lugar, computador ou celular. Toda quarta-feira o estudante poderá ler conteúdos especiais, assistir videoaulas e realizar simulados para testar os seus conhecimentos nas mais diversas áreas”, diz Vanessa Araújo, coordenadora de projetos do CORREIO. 

Além do contéudo de revisão disponibilizado no site do CORREIO, a  UniFTC oferece gratuitamente, toda sexta-feira, aulas de revisão para o ENEM com professores renomados de grandes escolas. Mais uma oportunidade para o leitor estudar através de conteúdo gratuito e de qualidade. Para se inscrever nas aulas gratuitas, basta acessar o site do projeto.

O Revisão Enem 2020 é uma realização do Correio, com o patrocínio da UniFTC e o apoio da SAS.

*Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas