Evidências atestam a eficiência das máscaras no controle da pandemia, ao contrário do que afirma site

coronavírus
07.08.2020, 20:05:00

Evidências atestam a eficiência das máscaras no controle da pandemia, ao contrário do que afirma site

As alegações de que o uso de máscaras pode causar intoxicação e aumentar o risco de contaminação pelo novo coronavírus e ou por outros vírus e bactérias não têm comprovação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Conteúdo verificado: Um texto no site do Instituto Rothbard traz informações falsas sobre o uso de máscaras e qualifica como “tirania” as medidas de controle da pandemia.
São falsas as alegações feitas em um texto, publicado pelo site do Instituto Rothbard, que chama o incentivo ao uso da máscara de “tirania”. O conteúdo ainda afirma que não existem evidências capazes de provar a eficiência da proteção facial e que seu uso pode causar intoxicação e aumentar o risco de contaminação pelo novo coronavírus e outros vírus e bactérias.

As afirmações vão na contramão do que dizem as autoridades sanitárias de diversos países e das recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), cujo trabalho se baseia em evidências científicas. A conclusão dessas autoridades é a de que o uso correto das máscaras reduz a quantidade de partículas virais expelidas e, portanto, ajuda a conter o avanço da pandemia.

O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), por exemplo, indica em seu site 19 artigos publicados em diferentes revistas científicas que atestam a efetividade do uso de máscaras como parte da estratégia para controlar a pandemia. A OMS, por sua vez, conta com uma Divisão Científica que subsidia a elaboração das normas da organização e que produz inúmeras pesquisas na área da saúde pública.

Em resposta ao Comprova, a equipe do site do Instituto Rothbard afirmou que o texto não contraria as recomendações dos órgãos de saúde porque comunicados contrários ao uso de máscaras já foram emitidos pelas entidades. O site, no entanto, não leva em conta o contexto em que tais comunicados foram feitos e ignora as mudanças de posicionamento das autoridades.

No início da emergência sanitária causada pela pandemia do novo coronavírus, a OMS recomendou que pessoas sem sintomas da doença evitassem usar máscaras cirúrgicas para que não houvesse falta para os profissionais da linha de frente e para os pacientes sintomáticos. Naquele momento faltavam equipamentos de proteção em vários países do mundo. Em junho, com o avanço do números de casos e óbitos causados pela covid-19, a OMS passou a recomendar o uso de máscaras para o público geral, afirmando que a mudança em seu posicionamento fora baseada na conclusão de novos estudos científicos.

Segundo a equipe do instituto, as organizações e entidades sanitárias são “órgãos burocráticos que se contrariam a si próprios[sic], o tempo todo. E, de modo algum, eles são nossa referência e deviam ser a referência de qualquer pessoa”.

Como verificamos?
Para verificar o texto do Instituto Rothbard entrevistamos, por áudios no Whatsapp, as professoras Giliane Trindade e Viviane Alves do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que desenvolveram uma pesquisa experimental para avaliar a eficácia das máscaras na prevenção da covid-19. Falamos, ainda, com o médico pneumologista do Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte, Leonardo Meira de Faria.

Além disso, consultamos os dados e indicações para frear a disseminação do vírus da Organização Mundial da Saúde (OMS) e dos órgãos sanitários do Brasil e dos Estados Unidos, já que encontramos conteúdos similares ao do Instituto Rothbard em sites norte-americanos.

Por fim, entramos em contato com a equipe do site do instituto por e-mail.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 07 de agosto de 2020.

Verificação
O que é o Instituto Rothbard?

Em seu site, o Instituto Rothbard define-se como “o epicentro de disseminação da Escola Austríaca de economia e do libertarianismo”. Segundo a página, a Escola Austríaca defende “a proliferação irrestrita de territórios livres e independentes, até que o alcance da jurisdição do estado se esvaeça”. No site, são encontrados diversos textos que criticam a atuação dos governos e de organizações supranacionais, como a OMS.

O portal reúne uma série de conteúdos sobre a pandemia que relativizam a gravidade da emergência sanitária e criticam as medidas adotadas para frear seu avanço. Em um dos textos, o portal destaca a manifestação convocada por grupos neonazistas contra o isolamento social, que ocorreu em Berlim no dia1º de agosto, para afirmar que os “europeus estão acordando para a tirania da covid”.

Em outro, o site defende o desembargador que humilhou guardas metropolitanos após levar uma multa por estar sem máscara na cidade de Santos, no litoral paulista. Segundo o portal, que define aqueles que usam máscaras como “paranoicos”, caberia unicamente ao desembargador a decisão de usar ou não a proteção facial.

Além disso, o portal traz inúmeras referências aos conteúdos produzidos pela “The Healthy American”, uma associação anti máscaras norte-americana. A associação também se refere às medidas para frear o espraiamento da pandemia como “ tirania” e mantém uma campanha para que lojas abram em horários distintos para atender aqueles clientes que não desejem usar máscaras.

O que dizem as autoridades e os especialistas?
A OMS e as autoridades sanitárias do Brasil, dos Estados Unidos e de diversos outros países recomendam o uso de máscaras como uma parte da estratégia para frear o espraiamento do novo coronavírus. As autoridades destacam que para que a prevenção da doença seja efetiva, além de usar máscaras, a população deve higienizar constantemente as mãos e manter uma distância de pelo menos um metro e meio entre as pessoas.

Ao contrário do que afirma o conteúdo verificado, existem evidências científicas consistentes indicando que o uso de máscaras reduz a quantidades de partículas virais que pessoas infectadas com a covid-19 expelem ao falar, espirrar ou tossir. O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), por exemplo, indica em seu site 19 artigos que foram publicados em diferentes revistas científicas e atestam a efetividade dasmáscaras como parte da estratégia para controlar a pandemia.

A OMS passou a recomendar o uso de máscaras pelo público geral em 5 de junho. Na entrevista coletiva em que foi feito o anúncio da mudança na recomendação, o órgão explicou que a decisão partiu da conclusão de novos estudos que apontavam a eficiência das máscaras como parte da estratégia para o controle do espraiamento da doença. Nessa data, a OMS publicou documento que reúne essas conclusões e indica como usar corretamente a proteção facial em diferentes ambientes e situações. O documento apresenta 80 referências, que abrangem pesquisas conduzidas pelo próprio órgão e por pesquisadores de centros de pesquisa de diversos países.

Em entrevista ao Comprova, a professora e pesquisadora Giliane Trindade Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explicou que o uso de máscaras impede que pessoas pré-sintomáticas ou assintomáticas liberem partículas virais ao falar, tossir ou espirrar. “A finalidade do uso da máscara é justamente evitar a pulverização dessas gotículas de saliva, evitando que elas atinjam a superfície do rosto de outras pessoas ou superfícies inanimadas, como por exemplo, corrimão, assento de ônibus, lugares em que as pessoas vão ter mais contato”, esclareceu a pesquisadora.

A explicação da professora e pesquisadora, que realizou uma pesquisa experimental para avaliar a eficácia das máscaras no combate a disseminação da covid-19, está de acordo com as recomendações do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos. O órgão produziu a ilustração abaixo para conscientizar as pessoas sobre a importância do uso de máscaras.

As tentativas de descredibilizar o uso de máscaras durante a proliferação de doenças virais não é uma novidade. Viviane Alves, que também é professora do Departamento de Microbiologia da UFMG e participou da pesquisa experimental realizada na universidade mineira, acredita que essa onda de desinformação se trata de um negacionismo. “No século XX durante a gripe espanhola também havia a existência da ‘liga anti máscara’ que pregava que elas não eram necessárias e faziam mal. A mesma coisa tem ocorrido agora, várias pessoas tentando prejudicar a saúde da população. Usar máscara, manter o distanciamento social e higienizar as mãos são medidas eficazes provadas cientificamente para prevenir a transmissão, diminuir o número de casos e também diminuir a sobrecarga do sistema de saúde”.

O Comprova já verificou outros conteúdos falsos e enganosos sobre o uso de máscaras desde o início da pandemia. Na verificação mais recente, listou o posicionamento das principais autoridades de saúde brasileiras sobre o tema.

Há possibilidade de intoxicação?
Ao contrário do que afirma o texto do Instituto Rothbard, para a microbiologista Giliane Trindade, a informação sobre intoxicação por dióxido de carbono não procede. O que pode acontecer – no caso de pessoas infectadas – é o vírus ficar contido dentro do material preventivo evitando que seja espalhado e atinja outras pessoas.

“Se a gente pressupõe que o indivíduo tem uma noção correta da forma de descartar a máscara ou de como higienizar, ela não vai funcionar como um vetor de transmissão de vírus. O indivíduo consciente, que está com medo de morrer por covid-19, segue todas as autoridades de saúde e presta atenção naquilo que está sendo divulgado pelas autoridades sanitárias”, concluiu a microbiologista.

O médico pneumologista Leonardo Meira de Faria também não considera que as máscaras causem baixos níveis de oxigênio e hipóxia. Segundo o médico, os poros das máscaras não impedem que a troca de gases que ocorre na respiração seja prejudicada. “Na verdade a máscara é um dispositivo seguro, então a reinalação do gás carbônico não acontece. Não se atinge níveis tóxicos a ponto de considerar que ela possui um risco individual nesse sentido, em hipótese nenhuma”.

Máscara baixa a imunidade?
No texto verificado, há três tipos de máscaras citados – cirúrgica, N95 e de pano – e são apontados como facilitadores da entrada de germes no organismo, supostamente reduzindo a imunidade. Especialistas consultados pelo Comprova alegam que não existem dados sobre as máscaras – fabricadas de forma correta – permitirem esse contato com germes.

“Germes presos nas máscaras não vão causar nenhum tipo de infecção, eles são microrganismos que já moram no corpo. Germes do ambiente que estiverem pelo lado de fora da máscara não vão conseguir penetrar o material. Obviamente, se o tecido estiver contaminado depois de um certo tempo de uso e você colocar a mão e logo em seguida colocar no olho, você também será infectado. Por isso é importante higienizar as mãos e evitar o toque direto nas máscaras e no rosto”.

Há de se destacar que as autoridades recomendam máscaras diferentes para situações diferentes, que variam conforme o ambiente o risco de exposição ao vírus que ele oferece. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) possui uma página que reúne informações sobre máscaras faciais de proteção e que indica qual o tipo mais adequado para os diferentes contextos. A agência, por exemplo, não recomenda o uso de uma máscara tipo N95 para uma ida ao supermercado — ao contrário do que sugere o texto do instituto.

O Comprova já mostrou ser falso um vídeo que dizia que as máscaras reduziam a imunidade e potencializavam a proliferação de bactérias.

O que diz o Instituto Rothbard?
Procurado pelo Comprova, o instituto disse, por e-mail, que nenhum dos textos e vídeos publicados em seu portal contrariam as orientações do CDC e da OMS, alegando que os órgãos “se contrariam a si próprios [sic], o tempo todo” e não servem como referência para os materiais produzidos pela equipe.

Além disso, afirmou ter compromisso com a defesa da liberdade. O instituto pontuou que “o próprio título do artigo [objeto desta verificação] já explica a importância de defender a liberdade diante desta tirania opressiva do governo” e que o texto concentra informações de todos os tipos.

Por que investigamos?
Em sua terceira fase, o Projeto Comprova investiga conteúdos de grande viralização nas redes sociais e com potencial de causar desinformação sobre políticas públicas do governo federal, eleições municipais de 2020 e sobre a pandemia do novo coronavírus. Em se tratando de conteúdos sobre a pandemia, a verificação se torna ainda mais importante, pois a desinformação pode colocar a saúde das pessoas em risco. É o caso do texto do Instituto Rothbard, que pode induzir as pessoas a não usarem máscaras — estratégia recomendada pelas autoridades de saúde para diminuir a velocidade de propagação da doença.

Desde o início da pandemia, o Comprova identificou e desmentiu diversos boatos sobre o uso de máscaras, mostrando que elas são eficientes no combate ao novo coronavírus e que não reduzam a imunidade nem potencializam a proliferação de bactérias. Em outras verificações, também mostrou que um vídeo e um áudio enganavam ao acusar que máscaras importadas da Ásia estariam contaminadas.

Segundo dados da ferramenta CrowdTangle, até a data de fechamento deste texto, o conteúdo somava mais de 4,2 mil interações no Facebook. O Comprova também encontrou conteúdos similares ao verificado em sites dos Estados Unidos que possuem um grande número de interações nas redes sociais, como o “The Healthy American”.

Falso, para o Comprova, é um conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

*Esta checagem foi postada originalmente pelo Projeto Comprova, uma coalizão formada por 29 veículos de mídia, incluindo o CORREIO, a fim de identificar e enfraquecer as sofisticadas técnicas de manipulação e disseminação de conteúdo enganoso que surgem em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Esta investigação foi conduzida por jornalistas do Estadão e Nexo, e validada, através do processo de crosscheck, por quatro veículos: SBT, Folha, Gaúcha ZH e UOL.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas