Ex-governador Roberto Santos será enterrado nesta quarta-feira em Salvador

bahia
10.02.2021, 05:30:00
Atualizado: 10.02.2021, 10:35:47
(Divulgação)

Ex-governador Roberto Santos será enterrado nesta quarta-feira em Salvador

Ele marcou uma geração de políticos e deixou um grande legado na cultura e na ciência

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Governador, ministro da Saúde, deputado federal, reitor, médico, professor, pai e avô. Roberto Figueira Santos foi e fez muito em seus 94 anos de vida. Marcou uma geração de políticos e deixou um grande legado na cultura e na ciência. Nessa terça-feira (9), ele morreu no Hospital Aliança onde estava internado havia duas semanas com um quadro de infecção urinária, mas não resistiu a complicações da doença.

Roberto Santos era casado com Maria Amélia Menezes Santos desde 1963. Juntos, o casal teve seis filhos e outros nove netos. O sepultamento do ex-governador acontece hoje, às 11h30, no Cemitério Jardim da Saudade, em brotas. 

O reitor da Universidade Federal da Bahia  (Ufba), João Carlos Salles, afirmou que o sentimento é de uma grande perda. "Os 94 anos de vida profícua do reitor Roberto Santos foram marcados por seu grande amor à ciência, à cultura e à Universidade Federal da Bahia", disse.  A Reitoria decretou luto oficial por três dias.

 Roberto Santos fez da Ufba a sua casa. A universidade era um ambiente literalmente familiar para ele, que é filho do fundador e primeiro reitor da Universidade, Edgard Rego Santos, além de ter ocupado o mesmo cargo que seu pai entre 1967 e 1971.  Ele se formou em Medicina na própria Ufba,  no início dos anos 1950. Logo após formado, obteve bolsa na Fundação W. K. Kellogg, o que lhe permitiu viajar para os Estados Unidos onde, durante quase três anos, frequentou hospitais das universidades de Cornell, Michigan e Harvard.

De volta a Salvador, passou a trabalhar em regime de dedicação exclusiva no Hospital das Clínicas, hoje  Hospital Universitário Professor Edgar Santos (Hupes). Iniciou a carreira de magistério como assistente da 1ª Clínica Médica. Obteve o título de Doutor em Ciências Médico-Cirúrgicas mediante defesa de tese submetida à Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia. Submeteu-se a concurso para a docência-livre e conquistou, também mediante concurso de títulos e provas, a cátedra de Clínica Médica da mesma Faculdade.

Sua vida política teve o primeiro passo em 1967: foi nomeado secretário estadual de Saúde por Luiz Viana Filho, mas deixou o cargo no mesmo ano ao receber a nomeação de reitor da Ufba. Em quatro anos de mandato, se dedicou reformas na estrutura universitária: acabou o sistema cátedra, substituindo para a estrutura de departamentos. Além disso, criou os institutos das áreas básicas do conhecimento e intensificou a pesquisa com a implementação de uma rede de pós-graduação.

Governador 
Após o mandato na Ufba, iniciou sua vida partidária ao se filiar à Arena, partido de sustentação da ditadura militar, em 1974. No ano seguinte, foi indicado para o cargo de governador do estado. Sua gestão, entre 1975 e 1979, foi marcada por grande ênfase na área social. Focando nisso, construiu uma série de centros sociais urbanos e espaços de esporte e lazer. O Estádio de Pituaçu, que leva seu nome, foi uma das obras construídas por ele. 

A rede pública de atenção à saúde foi consideravelmente ampliada e foram muito aumentadas as oportunidades de matrículas no ensino médio profissionalizante. Implantou o primeiro Museu de Ciência e Tecnologia do país.

Na economia, deu um grande impulso à construção de Polo Petroquímico de Camaçari, projeto idealizado e implantado por Antônio Carlos Magalhães. Para fomentar o turismo, construiu o Centro de Convenções da Bahia. Construiu  o  Parque de Exposições. Na área da infraestrutura, construiu rodovias  e aumentou consideravelmente a eletrificação rural em várias regiões. Deixou o Palácio de Ondina em 1979, sendo sucedido por ACM, que partiria para o segundo dos seus três mandatos como governador da Bahia.

Sua gestão foi responsável por um passo importantíssimo na luta contra a intolerância religiosa na Bahia. Vice-reitor da Ufba, Paulo Miguez lembra que ele revogou uma lei que classifica como "injusta e racista", que obrigava os terreiros de candomblé da Bahia a se registrar na Delegacia de Jogos e Costumes da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Antropólogo e professor da Ufba, Vilson Caetano explica que essa obrigação de registro no Setor de censura iniciou em 1938. As casas de candomblé, além de se cadastrar, tinham que solicitar uma autorização para fazer festas públicas e isso gerava um grande constrangimento. "O professor Roberto Santos era um homem muito sensível. Ele assinou o Decreto lei 25093 de 15 de janeiro de 1976, desobrigando as sociedades que praticassem o culto afro-brasileiro registrar, pagar taxas e obter licença junto às autoridades policiais. Assim sendo, ele se tornou um marco para a luta em favor da liberdade de culto e com bate ao racismo institucional e a intolerância religiosa", diz. 

Ministro  
Já filiado ao então PMDB (atual MDB), Roberto Santos tentou se reeleger governador em duas oportunidades, sendo derrotado em ambas: em 1982,  por João Durval. Oito anos depois, em 1990, por ACM, que conquistou o seu terceiro e último mandato.

No início do governo José Sarney assumiu a presidência do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pouco mais de um ano depois, foi nomeado ministro da Saúde, cargo que ocupou entre os anos 1986 e 1987. Em seguida, representou o Brasil na Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra, durante três anos. Seu último cargo eletivo foi em 1994, quanto foi eleito deputado federal pelo PSDB. Depois disso, se dedicou integralmente à academia.

Membro da Academia Nacional de Medicina e Academia de Letras da Bahia, o ex-governador fundou a Academia de Ciências da Bahia. Ao longo da vida, publicou mais de 40 livros - a maioria deles na área de Medicina.

A contribuição de Roberto Santos para a ciência foi motivo para que outras universidades ao redor do Estado prestassem homenagens ao professor. A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) declararam um imenso pesar.

Entre seus livros de maior destaque estão “Educação médica nos trópicos”, “O ensino médico no Brasil” e “A pesquisa médica no Brasil”. Conselheiro decano do Conselho Regional de Medicina do Estado da Bahia (Cremeb), o doutor Jorge Cerqueira afirmou que a medicina baiana perdeu um de seus "mais  distinguidos  mestres" e, para além disso, todo o estado da Bahia fica órfão de um dos seus filhos mais ilustres.

"Exerceu, com rara dignidade, os mais elevados postos da universidade, do estado e do país, mantendo impressionante simplicidade, fazendo com que todos que dele se aproximassem, além de admirá-lo e respeitá-lo, sentissem por ele afeto", disse  Cerqueira.

Sua trajetória profissional rendeu, em 2017, a comenda Sérgio Arouca de Medica e Saúde Pública - uma das honrarias mais importantes do Conselho Federal de Medicina (CFM). Vice-presidente do CFM na ocasião, Jecé Brandão afirma que ele foi a maior autoridade médica da medicina baiana.

*Com supervisão do editor Geraldo Bastos

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas