Exercício de observação número um

kátia borges
15.05.2021, 06:30:00

Exercício de observação número um

No resort de luxo tudo é superdimensionado. Um pé direito gigantesco, na área de alimentação, abriga famílias de várias nacionalidades. Crianças sortudas correm por entre mesas com tampos de madeira, sujas de doce, seguidas por babás vestidas com uniformes impecavelmente brancos. Homens bem-sucedidos bebem além da conta e desmaiam, antes que anoiteça, em camas king size.

Mulheres bem-sucedidas desfilam cangas e roupas de banho e corpos de sereia e rostos harmonizados. Na área da piscina imensa, entre duas pontes, os bares disparam centenas de doses de uísque 12 anos, enquanto drinques coloridos são sacudidos em coqueteleiras de inox. Uma moça em trajes típicos oferece acarajés e abarás. Garçons equilibram fatias de pizza, sanduíches, pratos diversos e copos de cerveja.

E é tanta a comida que se perde a fome. Após a meia-noite servem uma ceia, e há sempre mesas cheias de turistas insones. Num bar interno, lobos solitários espreitam a madrugada. Idosos bem-sucedidos jogam baralho no lobby até quase três e meia. Às duas e meia, um rapaz vem repor os lanches. “É para amanhã?”, perguntam os hóspedes. Quanta ingenuidade. “É para agora mesmo”, responde.

Há sanduíches, café, chá, sucos e chocolate. E olhe que este local já viveu dias melhores, comenta um dos bem-sucedidos jogadores. Nos corredores do resort de luxo, um exército de camareiras se reveza com rapidez na limpeza de dezenas de quartos. Há copos quase vazios por todo o lado. Gente que pede um drink e dá apenas um gole. “Muito doce”. “Meio amargo”. “Muito fraco”. “Muito forte”.

Adolescentes sortudas, herdeiras de casais bem-sucedidos, bebem frisante. Rapazes sortudos, herdeiros de casais bem-sucedidos, aplacam a sede com Logan. A boate é dominada pelos argentinos que tomam a pista sem animação e dançam. Toca uma música esquisita. No piano-bar, uma moça tímida canta Joni Mitchell para uma plateia de três casais. Os restaurantes temáticos já estão fechados. Ninguém aplaude

Notívagos vagueiam pelo saguão sem portas. Chove. Um grupo enorme, com sotaque sulista, aguarda o ônibus que o levará ao aeroporto. Mais cedo, foram até a Vila da Praia. É como estar em um cenário de novelas, comentam alto. Sem os dramas. O luxo de cada coisa a neutralizar o caos em tons pastéis. Olho para o céu cinzento. Há estrelas por trás das nuvens. Adivinho o domingo ensolarado na piscina enorme.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas