Explosão em mina de Sento Sé deixa dois mortos

salvador
21.08.2017, 16:40:46
Atualizado: 21.08.2017, 21:11:32
Garimpeiros estão há quatro meses no local, em busca de ametistas (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Explosão em mina de Sento Sé deixa dois mortos

É o primeiro acidente com morte desde que exploração ilegal de ametista começou, há 4 meses

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Dois homens morreram após explosão num buraco de uma mina ilegal de ametistas na zona rural de Sento Sé, na região do Vale do São Francisco. Conhecida como “Serra Pelada da Bahia”, a mina, a 50 km da cidade, vem sendo explorada por populares há cerca de quatro meses de forma rudimentar, desde que foi descoberta por acaso, durante uma caça de tatu.

De acordo com a Polícia Civil da cidade, a explosão ocorreu entre as 21h30 e 22h deste domingo (20). Foi o primeiro acidente fatal que houve na mina, localizada no povoado de Quixaba. Ivanilson Bezerra da Silva, 22 anos, morreu no local, e João Martins Cordeiro Filho, 35, chegou a ser socorrido para o Hospital de Traumas de Petrolina (PE).

VEJA GALERIA DE IMAGENS DO GARIMPO EM SENTO SÉ

O setor de serviço social do Hospital Municipal de Sento Sé, onde foi dado o primeiro atendimento a João Martins, informou que a situação dele era bastante delicada. Ele acabou não resistindo aos ferimentos.

Peritos do Departamento de Polícia Técnica da Bahia foram para o local do acidente, na tarde desta segunda, para investigar as causas da explosão, que não se sabe se ocorreu pelo uso de dinamites ou bomba caseira.

Cerca de 8 mil pessoas estão no local em busca da pedra violeta de quartzo cujo quilo é comercializado por garimpeiros na região por entre R$ 1,5 mil e R$ 3 mil, e que atravessadores vendem por até R$ 10 mil o quilo.

Família no local
Irmão de Ivanilson, Vando Bezerra da Silva, 28, disse que ficou sabendo, por outros garimpeiros, que foram jogadas duas bombas caseiras dentro de um buraco e apenas uma havia explodido.

“Eles acharam que a outra não tinha funcionado e quando estavam descendo, ela explodiu”, disse ao CORREIO.

Ainda segundo Ivanilson, o irmão foi para a mina no início da exploração.

Nesta segunda, o corpo de Ivanilson ainda estava no Hospital Municipal de Sento Sé, aguardando ser removido para o Instituo Médico Legal (IML) e posterior liberação para a família.

CORREIO visitou local
A “Serra Pelada da Bahia” foi tema de uma série de reportagens especiais do CORREIO no início deste mês. De lá para cá, a situação permanece a mesma.

A Agência Nacional de Mineração Nacional – desde 26 de julho o novo nome do Departamento de Mineração Nacional, mas com as mesmas atribuições – informou que já fez a interdição da mina em 12 de julho.

“Só que não temos como controlar a quantidade de pessoas que estão lá. Isso só seria possível com uma grande operação”, disse o chefe da fiscalização da agência Cláudio da Cruz Lima, ao justificar a continuidade da exploração ilegal.

Ele informou que esteve semana passada na mina e que vem tentando a regularização da mesma por meio da criação de uma cooperativa de garimpeiros. “Tivemos audiência pública com vários órgãos e estamos dando os encaminhamentos para ver como podemos resolver isso”, finalizou.

De acordo com a agência, na área de 253 hectares do garimpo há 6.457 poços de retirada de ametista – nem todos eles ativos – e 2.270 barracas usadas por garimpeiros. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas