Facebook vai lançar loja virtual gratuita para empreendedores

empregos
15.06.2020, 06:00:00
Atualizado: 16.06.2020, 12:53:58
Facebook Shops será uma nova ferramenta para incrementar o e-commerce entre empresas e consumidores (Shutterstock/reprodução)

Facebook vai lançar loja virtual gratuita para empreendedores

Nova ferramenta deve chegar em agosto; veja dicas para se antecipar e ganhar vendas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Imagine a possibilidade de ter uma loja virtual sem esforço algum para contratar especialistas na área ou designers de web. Uma vitrine digital ligada ao Facebook, Instagram, Whatsapp e Messenger. A possibilidade é real e vem sendo desenvolvida há um ano pelo próprio Facebook, que terminou antecipando o serviço em virtude do cenário de crise.

Chamado de Facebook Shops, a ferramenta já está em uso nos Estados Unidos e, de acordo com Eric Gomes, da Agência de Marketing Digital Linka ( www.linka.com.br), a perspectiva é que chegue ao Brasil dentro de dois meses. “Inicialmente, as postagens serão compartilhadas no Facebook e Instagram. No futuro, a perspectiva é que todas as plataformas do Face – Whatsapp e Messenger – estejam conectadas”, completa. 

A analista de marketing digital Priscyla Caldas destaca que a ferramenta funcionará como uma loja virtual, em que a empresa colocará seus principais produtos para serem expostos e comercializados nesta vitrine digital. “O processo de venda será feito de forma personalizada, totalmente gratuita e qualquer empresa pode se inserir, desde que tenha uma página comercial no Facebook e deseje disponibilizar seus produtos por ele”, salienta.

A analista de marketing digital Priscyla Caldas sugere que, enquanto a ferramenta não chega ao Brasil, os empresários estudem mais as possibilidades (Foto: Sérgio Reis)

Fora de catálogo

Eric Gomes salienta que a única ressalva para comercialização de produtos e serviços será para as áreas que já contam com restrições, a exemplo do comércio de armas, drogas, bebidas e sexo. “Os clientes, por sua vez, poderão não apenas escolher, como efetivar a compra sem a necessidade de fazer isso fora dessas redes sociais”, esclarece.

Enquanto a ferramenta não é disponibilizada no Brasil, Priscyla sugere que os empreendedores aproveitem para estudar sobre a plataforma e buscar referências de páginas que já estão usando, buscando assim referências para quando estiver disponível no país.” Será uma excelente oportunidade para quem não pode pagar pela construção de uma loja virtual, então vale aprofundar os conhecimentos sobre comércio eletrônico, o que espera um cliente que compra online e quais as maneiras de fidelizá-los”, ensina.

Eric Gomes salienta que assim como já acontece hoje, quem optar pelas redes sociais como plataforma de venda para serviços e produtos, precisa investir em boa apresentação daquilo que está sendo divulgado, com fotos atraentes e uma entrega que corresponda às expectativas dos clientes. “Estamos vivendo tempos especiais, pois a pandemia viabilizou um aumento significativo de transações no e-commerce, tanto para quem compra como para quem vende”, pontua o representante da Linka.

Vitrine em rede

Outras dicas importantes consistem em fazer um controle rigoroso do estoque, evitando que seja anunciado algo que não esteja mais à disposição; garantir os prazos de entrega; praticar preços que façam sentido, além de cuidar para que a exposição na plataforma não dê a entender que a entrega será feita em qualquer lugar do Brasil, caso isso não possa acontecer.

Para Gomes, além de facilitar a apresentação de qualquer produto ou serviço, a ferramenta vai possibilitar que o consumidor estabeleça um contato muito mais direto com o lojista ou prestador de serviço e isso tende a ser muito positivo.

Priscyla Caldas defende que apesar do evidente benefício, é importante que os empreendedores tenham em mente que, mesmo nas redes sociais, gerenciar uma página não é algo banal, que se resume a fazer publicações e pronto. “Não basta se preocupar apenas com a mecânica das ferramentas, é preciso dialogar com o consumidor, saber o que ele espera”, orienta.

Para ela, antes de colocar uma loja virtual, vale refletir e analisar qual a melhor forma para utilizar e fazer essas vendas por estes aplicativos. “O que vi alguns empresários fazerem, foi em meio ao desespero, tomar atitudes precipitadas que no lugar de aproximar, conseguiram foi afastar seus clientes”, completa, lembrando que é preciso, antes de tudo, pensar estrategicamente, estabelecendo objetivos claros e metas que se deseja alcançar, para depois pensar nas publicações, principalmente em se tratando de comércio eletrônico.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas