Família de artista morto por PMs faz nova manifestação pedindo justiça

bahia
26.04.2018, 04:30:00

Família de artista morto por PMs faz nova manifestação pedindo justiça

Protesto acontece na data em que o assassinato completa sete dias

A família do artista plástico Arnaldo Filho, 61 anos, fará uma manifestação na dia em que a morte completa sete dias. Nesta sexta-feira (27), familiares e amigos se reunirão em frente à casa onde morava Nadinho, como ele era conhecido, e caminharão em silêncio até a Praça Dr Gualberto Dantas Fonte.

O artista foi morto em uma ação da Polícia Militar no bairro Santo Antônio, na noite último sábado (21). Os PMs alegaram que receberam uma denúncia de que havia um homem armado em uma residência e que Nadinho recebeu os policiais com arma em punho, disparando contra a equipe. A família contesta a versão e diz que ele sequer tinha arma. 

Memorial 
Segundo uma das filhas do artista plástico, a manifestação pacífica será uma espécie de homenagem artística a seu pai. “Vamos pedir para que as pessoas compareçam de branco e levem velas. Vamos levar a arte dele, as pessoas vão recitar poesias que foram feitas em sua homenagem”, contou Márcia Cristina dos Santos sobre o ato que vai começar às 18h. 

Foto: Divulgação
Família convida os amigos para participarem da missa de sétimo dia (Foto: Reprodução)

Mais cedo, às 7h, será realizada a missa de sétimo dia, na Igreja Matriz Nossa Senhora das Candeias. No convite, distribuído para amigos e parentes, consta a frase de protesto da família. “A sua única arma era o pincel”. 

Justiça
Desde o momento em que a família de Nadinho soube das circunstâncias em que ele foi assassinado, iniciou-se um movimento pedindo por Justiça. Além de denunciar o caso à imprensa, parentes fizeram uma manifestação na última segunda-feira (23) pedindo a prisão dos três PMs que formavam a equipe que atirou no artista plástico.

Foto: Mauro Akin Nassor
Familiares foram recebidos pelo comandante geral da PM, que prometeu concluir o inquérito em 40 dias. (Foto: Mauro Akin Nassor/ Arquivo CORREIO)

Após o episódio causar grande comoção social, a família, o prefeito e vereadores de Candeias foram recebidos pelo comandante geral da PM, coronel Anselmo Brandão, na última terça-feira (24), que prometeu concluir o inquérito sobre a morte do artista plástico em até 40 dias. Segundo Márcia Cristina dos Santos, a Polícia Militar ofereceu auxílio psicológico aos familiares de Nadinho. 

“Pela primeira vez eu senti uma pontinha de esperança. Mas não cessou nosso desejo por Justiça. Vamos continuar lutando”, disse Márcia. A família vai procurar um advogado e a Defensoria Pública para acompanhar o processo. 

Entenda o caso
O artista plástico Arnaldo Filho, conhecido como Nadinho, morreu após ser baleado durante uma ação da Polícia Militar dentro de seu ateliê, na noite de sábado (21), em Candeias. Segundo os familiares da vítima, PMs entraram no imóvel e já chegaram atirando no homem, que estaria desarmado e desenhando.

Em nota, a PM afirmou, inicialmente, que a morte aconteceu no bairro Santo Antônio, por volta das 20h, após equipe de militares da Operação Força Tática de Candeias receberem um chamado através do Centro Integrado de Comunicação (Cicom), informando que um homem havia invadido uma residência no bairro.

"Ao chegarem no endereço informado, as equipes policiais bateram à porta do imóvel e identificaram-se como policiais militares, contudo o homem que apareceu em uma das janelas recepcionou os policiais empunhando e apontando uma arma de fogo contra os integrantes das guarnições e, segundo o relato dos próprios policiais, teria acionado duas vezes a tecla do gatilho da arma, mas a munição teria falhado. Frente à iminente ameaça, os policiais alvejaram o homem com dois disparos, um atingiu o braço e outro, o tórax", afirmou a PM, em nota.  

A família negou que isso tenha ocorrido. "Eles entraram na casa e plantaram uma arma. Ainda disseram que meu tio tinha pólvora na mão, mas ele não atirou. Era um homem de bem que não tinha nenhum envolvimento. Ele morava nessa casa desde pequeno", complementa o sobrinho que, junto à outros familiares, pretende denunciar a ação policial. 

Na última segunda (23), familiares do artesão fizeram um protesto na frente da delegacia de Candeias, pedindo a prisão dos policiais envolvidos na operação. Também nesta segunda, três dos seis policiais militares envolvidos no caso foram afastados das atividades operacionais.

De acordo com a PM, eles foram afastados para serem acompanhados por uma equipe de psicologia do Departamento de Promoção Social (DPS) da Corporação, contudo responderão em paralelo ao Inquérito Policial Militar instaurado.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas