Fé no turismo: congresso em Salvador discute formas de lucrar com religião

salvador
11.05.2018, 04:00:00

Fé no turismo: congresso em Salvador discute formas de lucrar com religião

Veja locais com potencial de atração; evento terá passeio religioso por Salvador

Foto: Arisson Marinho/CORREIO

A cidade que é conhecida internacionalmente pelo Carnaval, a comida ardente e a diversão nas praias agora também busca atrair cada vez mais turistas em busca de oração. Salvador recebe desde a última quarta-feira (9) o primeiro Congresso Brasileiro de Turismo Religioso, que reúne cerca de 200 participantes, dentre eles religiosos, gestores e outros profissionais que discutem o impacto, meios de aprimoramento e promoção do turismo religioso.

O evento continua nesta sexta (11) e termina nesse sábado com um passeio turístico religioso em pontos do Centro Histórico e da Cidade Baixa. 

Um exemplo de turismo religioso bem sucedido na Bahia e abordado no congresso é o do município de Bom Jesus da Lapa, na região do Vale do São Francisco baiano, e conhecido como “Capital Baiana da Fé”. 

O padre responsável pelo santuário da cidade, Rosivaldo Motta, destacou a divulgação da igreja através dos meios de comunicação como um dos fatores que levam Bom Jesus da Lapa a ser um dos destinos religiosos de maior destaque no país.

“Além das belas grutas e da mística do santuário, a igreja se expande com os meios de comunicação. Também temos redes sociais e mantemos diálogo com as agências de turismo. Por isso, o número de peregrinos tem aumentado todos os anos”, destaca. Cerca de 49% dos turistas da cidade advém de Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo.

O padre, que também tem um blog, diz que a cidade de 80 mil habitantes recebe anualmente de 2,3 a 2,5 milhões de romeiros. “E olhe que ficamos distantes das metrópoles”, ressalta, citando Brasília, a 670 km da cidade, e Salvador, a 750 km. 

Padre Manoel Filho, coordenador do congresso e da Pastoral do Turismo, diz que o congresso mostra todo o potencial da capital e do interior e os benefícios que podem ser colhidos a partir desse segmento. 

"Salvador tem devoções belíssimas, patrimônio histórico e fé do nosso povo. Nós sabemos que isso é uma riqueza, mas queremos mostrar à sociedade, como um todo, que o turismo religioso também pode trazer desenvolvimento socioeconômico”, comentou. 

Potencial
Uma das promessas de turismo para um futuro próximo fica em Dias D’Ávila. A construção da Cidade Santa no município da Região Metropolitana de Salvador está em fase de estudo de campo e já movimenta os sonhos dos moradores. “Meu trabalho vai bombar no Brasil e no mundo!”, diz empolgada a artesã Valdirene Bispo, 40, que trabalha há 21 anos na Associação Ceramista de Artesanato (Acarte), criando e decorando vasos e outras peças.

Feirinha com artesanatos e lembrancinhas no congresso
Feirinha com artesanatos e lembrancinhas no congresso (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)
Feirinha com artesanatos e lembrancinhas no congresso
Feirinha com artesanatos e lembrancinhas no congresso (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

“A Cidade Santa vai fornecer a marca para fazermos peças religiosas para eles venderem. O santuário vai levar turismo do mundo todo para Dias D’ávila”, diz a coordenadora da Acarte, Fernanda Carvalho. Ela acrescenta que o trabalho das rendeiras e crocheteiras da região também será impulsionado com a construção.

Além das palestras sobre empreendedorismo e economia, uma missa foi realizada no evento e contou com a entronização da imagem peregrina do Senhor do Bonfim da Bahia. A missa foi conduzida pelo reitor da Basílica do Bonfim, padre Edson Menezes.

“O turismo religioso vem crescendo muito no Brasil e no mundo inteiro. Para a cidade de Salvador, por sua própria história, mística e sua expressiva quantidade de templos antigos, é muito positiva a realização desse evento. Serve para a gente se aperfeiçoar, melhorar os serviços e nos equipar para oferecer as condições necessárias e exigidas para o turista”, disse. 

Padre Edson Menezes, reitor da Basílica do Bonfim, em celebração durante congresso (Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Padre Edson destaca também o impulso que vem sendo dado ao turismo religioso na cidade. “Entendo que é um processo de descoberta de valores, lugares, possibilidades e potencialidades muito grandes que Salvador e as outras cidades têm”, diz ele, citando a construção do Caminho da Fé e a requalificação da Praça do Bonfim, na Cidade Baixa. 

O coordenador de Turismo Religioso da Secretaria de Turismo do estado (Setur), José Tito Santana, lembra que não são apenas os templos cristãos que têm potencial para atrair cada vez mais visitantes ao estado. “A Bahia tem, no mínimo, 26 cidades com potencial para turismo religioso. O turismo católico ainda tem maior destaque por causa das igrejas seculares, mas o estado tem atrações para muitas religiões, em especial as de matriz africana”, cita.

Abaixo, algumas atrações do turismo religioso na Bahia e aquelas que são promessas para os próximos anos:

  • Cemitério Santa Isabel: conhecido como Cemitério Bizantino, em Mucugê, na Chapada Diamantina

  • Procissão do Fogaréu: que ocorre na Semana Santa, em Serrinha

  • Subida ao Monte do Santuário da Santa Cruz: na Semana Santa, em Monte Santo 

  • Penitentes de Juazeiro: durante a Quaresma, em Juazeiro

  • Igreja do Passo: conhecida como Igreja do Pagador de Promessas, que foi recentemente reinaugurada no Centro Histórico de Salvador 

  • Romaria do Bom Jesus: em Bom Jesus da Lapa

  • Cidade Santa: a ser construída em Dias D’ávila

  • Caminho da Fé: calçadão que será construído entre o Santuário de Irmã Dulce, no Largo de Roma, e a Colina Sagrada do Bonfim, em Salvador

Apesar do potencial, muitos ajustes ainda precisam ser feitos para que o turismo religioso seja uma fonte de receita para cada vez mais baianos. Um exemplo dessa falta de visão estratégica foi citado por Moisés Cafezeiro, coordenador da Cooperativa de Produtores de Artigos Religiosos e Culturais (Cooparc), que reclamou do pequeno espaço dado aos artesãos locais na promoção do turismo. “Valorizando o produtor local, o dinheiro que é gerado fica no município e no estado”, comentou.

Produtor de fitinhas do Bonfim junto com outros 14 produtores, ele afirmou que os próprios adereços vendidos no evento não são produzidos na Bahia. “Nem no evento tem a fitinha que é feita em Salvador, só a que vem de São Paulo”, comentou. 

Serviço
O quê: Congresso Brasileiro de Turismo Religioso

Quando: 9 a 12 de maio de 2018
Onde: Fiesta Convention Center, Itaigara
Como: Inscrições no local (o valor não foi informado)
Informações e programação: www.congressoturismoreligioso.com.br

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas