Flávio Bolsonaro diz que não fez nada de errado e está à disposição da Justiça

brasil
21.12.2018, 18:00:00

Flávio Bolsonaro diz que não fez nada de errado e está à disposição da Justiça

MP informou que pedirá esclarecimentos acerca dos fatos apontados pelo Coaf ao filho do presidente eleito

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A assessoria de imprensa do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), eleito senador em outubro, enviou nota afirmando que "não é investigado e não fez nada de errado" no procedimento do Ministério Público do Rio que analisa movimentações atípicas na conta de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, apontadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A assessoria também declarou que Flávio "estará à disposição das autoridades competentes, por ser o principal interessado na elucidação dos fatos".

O MP informou que, "dando prosseguimento às investigações", enviará um ofício à Presidência da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) sugerindo o comparecimento de Flávio Bolsonaro no MP, no dia 10 de janeiro, para que preste esclarecimentos acerca dos fatos apontados pelo Coaf.

O conselho identificou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta no nome de Queiroz, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 e um repasse de R$ 24 mil para a futura primeira-dama Michelle Bolsonaro - o presidente eleito disse que se tratava do pagamento de uma dívida antiga do policial militar com ele.

As transações atípicas foram reveladas pelo jornal O Estado de S Paulo, no último dia 5. Desde a divulgação dos dados, Queiroz não se justificou em público. Ao Estado, o ex-assessor disse que não sabia nada sobre o assunto.

O nome de Queiroz consta na folha de pagamento da Alerj de setembro com salário de R$ 8.517. Ele era lotado com cargo em comissão de Assessor Parlamentar III, símbolo CCDAL-3, no gabinete de Flávio Bolsonaro. Conforme o relatório do Coaf, ele ainda acumulava rendimentos mensais de R$ 12,6 mil da Polícia Militar. Ele foi exonerado no último dia 15 de outubro.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas