Forças Armadas aprovam compra de 35 mil comprimidos de Viagra

brasil
11.04.2022, 14:45:00

Forças Armadas aprovam compra de 35 mil comprimidos de Viagra

Maior parte dos comprimidos é destinada à Marinha

As Forças Armadas aprovaram pregões para compra de 35.320 comprimidos de Viagra, medicamento que é usado tradicionalmente para tratar a disfunção erétil. Os dados estão disponíveis no portal da Transparência e no painel de preços do governo e foram compilados pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO).

Ao todo, oito processos de compra foram aprovados desde 2020 e ainda estão em vigor. O medicamento aparece com nome genérico Sildenafilia, nas dosagens de 25 mg e 50 mg. A maior parte é destinada à Marinha, com mais de 28 mil comprimidos. Para o Exército foram 5 mil comprimidos e para a Aeronáutica, 2 mil.

A informação foi inicialmente divulgada pela colunista Bela Megale, de O Globo. À coluna, a Marinha e a Aeronáutica afirmaram que o medicamento é para o tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP), uma síndrome que resulta no aumento da resistência vascular na pequena circulação, elevando níveis de pressão na circulação pulmonar.  O Exército não respondeu. 

O deputado Elias Vaz apresentou um requerimento pedindo explicações ao Ministério da Defesa.  "Precisamos entender por que o governo Bolsonaro está gastando dinheiro público para comprar Viagra, e nessa quantidade tão alta. As unidades de saúde de todo o país enfrentam com frequência falta de medicamentos para atender pacientes com doenças crônicas, como insulina, e as Forças Armadas recebem milhares de comprimidos de Viagra. A sociedade merece uma explicação", disse em nota.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas