Forte chuva deixa 40 famílias desabrigadas em Conde, no Litoral Norte

coronavírus
21.05.2020, 14:04:00
Atualizado: 22.05.2020, 00:07:36

Forte chuva deixa 40 famílias desabrigadas em Conde, no Litoral Norte

A chuva provocou alagamento e fez transbordar rio que corta a cidade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pouco mais de 40 famílias estão desabrigadas devido à chuva forte que vem caindo nos últimos dias no município de Conde, na região do Litoral Norte da Bahia. Na noite desta quinta-feira (20), a água provocou alagamentos e fez transbordar um rio que passa dentro da cidade. No centro e na zona rural, as pessoas estão ilhadas e o fornecimento de água foi interrompido em parte da região porque a enxurradas destruíram uma adutora. Até o momento, não há notícias de desaparecidos e nem feridos.

Desde segunda-feira (18), a chuva não para de cair no município e a prefeitura pretende decretar estado de emergência. “Com essa chuva, a cidade foi atingida por dois problemas: os alagamentos e a cheia do Rio Itapirucu. Estamos num caos e por isso se faz necessário elaborar o decreto. As estradas vicinais estão todas destruídas e diversas estruturas foram comprometidas, como as pavimentações. Lavouras inteiras estão submersas, sem falar nas famílias que estão desabrigadas”, declarou ao CORREIO o prefeito da cidade, Antônio Eduardo Lins de Castro.

“E para agravar tudo, a gente ainda tem essa pandemia. As famílias que estão desabrigadas, estão sendo levadas para escolas e mantidas afastadas uma das outras, para evitar aglomerações. As pessoas estão de máscaras e com o uso do álcool em gel. Até então, estamos conseguindo manter o protocolo para evitar a proliferação do vírus na cidade”, disse Castro. A cidade registrou até agora apenas um caso confirmado da covid-19 e tem um outro em análise. Outras 22 pessoas foram submetidas ao teste e deram negativo para a doença.  

A chuva que vem provocando estragos na cidade deve cair até sábado. Segundo Castro, a Defesa Civil do município e o Corpo de Bombeiros se reúnem ainda nesta quinta para definir ações de prevenção.

Rio Itapicuru subiu e invadiu a cidade
Foto: (Divulgação)


Elaborado e reconhecido o decreto de emergência, recursos do Estado e do governo federal poderão ajudar na reconstrução da cidade, de pouco mais de 27 mil habitantes. “Estamos fazendo um levantamento dos danos e, com base nisso, faremos o decreto de emergência”, disse o prefeito. Conde já está em situação de emergência desde o dia 19 de março por conta da pandemia do novo coronavírus – desta vez, a medida foi adotada pelo governo do estado.

A forte chuva  fez com que água invadisse as pistas da cidade
(Foto: Divulgação)

No entorno do rio
Conde cresceu no entorno do Rio Itapicuru, cuja principal nascente fica no município de Antônio Gonçalves, região da Chapada Diamantina. O curso do rio segue no sentido Oeste-Leste, de forma praticamente perene durante o ano todo, fato relativamente raro nesta região. Passa pelas termas de Caldas do Jorro e Caldas de Cipó, nas cidades de Tucano e Cipó, respectivamente, e desagua no oceano Atlântico em Conde.  

Em janeiro de 2016, o rio transbordou de seu leito menor e alagou a maioria das ruas de Conde, ilhando o município. O número de desabrigados foi de centenas de famílias, tendo os efeitos sido menores, uma vez que a população foi avisada previamente da inundação em decorrência das fortes chuvas. E na manhã desta quinta não foi diferente. “Aqui é a foz do Itapicaru e quando chega, vem com acúmulo de águas de diversas cidades anteriores, atingindo também todas as populações ribeirinhas”, explicou o prefeito.  

Moradores ficaram ilhados e em alguns casos a locomoção foi feita de barco
(Foto: Divulgação)

De acordo com o prefeito, os moradores foram alertados das consequências da chuva com avisos nas redes sociais e carro de som. “Apesar de terem sido avisas do risco, algumas pessoas permaneceram em suas residências quando a água invadiu a cidade. Muita gente perdeu tudo”, contou.

Era por volta das 19h de quarta-feira quando o rio transbordou e se misturou com a água da chuva provocando alagamentos e inundações. Em alguns casos, as pessoas caminhavam com água na cintura. Em situações mais críticas, a locomoção só possível com o uso de barcos.

Praia do Forte
A Praia do Forte, no município de Mata de São João, também registrou chuvas, como mostra o vídeo enviado pela leitora Mariana Andrade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas