Fóssil de aranha que homenageia Pabllo Vittar é alvo de investigação

em alta
08.06.2021, 15:49:00
Atualizado: 08.06.2021, 15:49:43
(Reprodução)

Fóssil de aranha que homenageia Pabllo Vittar é alvo de investigação

Material foi levado para universidade dos EUA; há suspeita de tráfico

Um fóssil de uma aranha que recebeu o nome em homenagem à cantora Pabllo Vittar pode ter sido traficado para uma universidade em Kansas, nos EUA. O caso é investigado pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com a TV Verdes Mares, afiliada da Globo no Ceará, o anival viveu há cerca de 122 milhões de ano. Em homenagem à artista, recebeu o nome de Cretapalpus vittari. O bicho veio do sítio paleontológico do Crato, na região cearense do Cariri. O nome foi escolhido pelos cientistas estrangeiros Matthew Dowmen e Paul Selden.

O fóssil só poderia ter deixado o Brasil por meio de uma instituição científica, o que não foi o caso, diz a reportagem. A Universidade do Kansar alega que o fóssil foi uma doação do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPN), informação questionada pela comunidade científica do Brasil. Cientistas dizem que não há documento que prove essa doação.

Além disso, por se tratar de um holótipo, uma peça única que serve de base para descrição pela lei brasileira, dizem que ele deveria ficar retido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações - os fósseis são considerados propriedade da união. A lei determina condições para que materiais científicos do país sejam estudados fora. Além da participação de uma instituição daqui, a pesquisa teria que ter pelo menos um cientista brasileiro e o material ser devolvido ao fim.

Diante do caso, o MPF pediu uma comprovação à Agência Nacional de Mineração (ANM), que tem dez dias para apresentar provas de que a transferência foi legal. Se isso não ocorrer, o fóssil deve voltar ao Ceará, diz o órgão. 

É a segunda polêmica do tipo em menos de um ano. Em outubro do ano passado, pesquisadores estrangeiros reveleram o Ubirajara jubtus, dinossauro mais antigo encontrado na Bacia do Araripe. O fóssil está na Alemanha, para onde foi levado em 1995 sem autorização legal. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas