Funcionário de hotel é preso por estupro após invadir quarto e abusar de hóspede

em alta
20.10.2020, 17:17:00
Atualizado: 20.10.2020, 17:25:15

Funcionário de hotel é preso por estupro após invadir quarto e abusar de hóspede

Câmeras mostram quando ele entra e sai de quarto; caso foi na Barra da Tijuca, Rio

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um funcionário de um hotel na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, foi preso após ser denunciado por uma hóspede por abuso sexual. A vítima, uma turista que estava no Rio para um curso do trabalho, prestou queixa na delegacia após o mensageiro da unidade entrar, sem autorização, em seu quarto e praticar o abuso.

O caso foi registrado como estupro e a prisão foi feita nesta segunda-feira (19). Câmeras do circuito interno da unidade registraram a ação do funcionário Fábio de Oliveira de Barros, 37 anos, que já foi demitido. As informações sãod o jornal Extra e da TV Globo. 

A vítima, que não quis ser identificada, esteve na recepção do Américas Barra Hotel por volta das 21h. Ela não se sentia bem, e passava mal, e chegou acompanhada por uma amiga. As duas foram recebidas pelo mensageiro, que, segundo o relato, colocou empecilhos para que a acompanhante levasse a hóspede até o quarto.

"Não queria deixar ela entrar. Mas a gente conseguiu. Ela subiu. Conseguiu me deixar dentro do quarto pra ver se eu estava bem, segura. E ele foi super grosso, até. Exigiu que ela saísse", contou a vítima à TV Globo.

Primeiro, Fábio foi até o quarto e bateu algumas vezes na porta. Sem respostas, deixou o local e instantes depois voltou com um cartão magnético. A partir daí, ele passaria três minutos no quarto com a vítima, segundo registros das câmeras.

A hóspede contou ter se assustado com o acesso do homem ao quarto ao ouvir o barulho da porta sendo destravada. O funcionário, então, se apresentou como motorista da amiga da vítima. Ele falou ter ido para saber notícias, uma vez que a mulher estava preocupada. Com isso, se aproximava da vítima, até encontrar uma oportunidade de encostar nas partes íntimas dela.

"Eu confiei de que não entraria uma pessoa para fazer alguma coisa comigo. Depois ele veio baixando e continuou falando 'Olha, a sua amiga está preocupada. Você está bem mesmo?'. Nisso, ele foi abaixando a mão. Ele foi, abaixou e passou a mão nas minhas partes íntimas. Passou a mão mesmo. Nisso, eu tive o reflexo de dar um chute nele", relatou a vítima.

Fábio se assustou com a reação e deixou o quarto apressado. É possível vê-lo correndo pelo corredor.

A vítima disse ter ficado apreensiva e com medo do que pudesse acontecer após o homem sair. "E eu fiquei: 'E agora? Não posso dormir porque esse homem tem acesso e eu não vou sair aqui do quarto. Porque se ele voltar? Se ele me matar?' Entendeu? Eu fiquei muito assutada. E aí fiquei a noite acordada. Passei a noite acordada vigiando a porta", contou.

Agentes da Polícia Civil foram ao hotel colher provas, como as imagens registradas pelas câmeras e a realização da perícia. A prisão em flagrante de Fábio aconteceu em sua casa, no Tanque, na zona oeste do Rio. Ele preferiu ficar em silêncio.

Em nota, a Polícia Civil disse que a "prisão foi feita por policiais da 16ª DP (Barra da Tijuca), nesta segunda-feira (19/10). Segundo os agentes, a vítima compareceu à unidade, registrou a ocorrência e relatou que o criminoso trabalhava como mensageiro em um hotel, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. De acordo com as investigações, ele usou uma chave para entrar no quarto em que ela estava hospedada."

O Américas Barra Hotel e Eventos disse, também em nota, que "repudia totalmente qualquer tipo de agressão física ou moral a qualquer ser humano".

"Estamos ajudando a polícia a esclarecer o ocorrido fornecendo todas as informações solicitadas além de estar prestando todo o apoio necessário a denunciante. O funcionário já não faz mais parte da empresa. Esperamos que a verdade seja apurada e em caso de confirmação do delito o acusado seja devidamente punido", declarou o hotel no comunicado.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas