Gari tem moto furtada logo após saber da morte da mãe: ‘não faz isso comigo’

em alta
14.07.2020, 22:33:00
Atualizado: 14.07.2020, 22:34:44

Gari tem moto furtada logo após saber da morte da mãe: ‘não faz isso comigo’

André Araújo gravou vídeo emocionado pedindo devolução de veículo que usa para complementar renda; assista

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O gari André Araújo Leandro Pereira, 37 anos, viveu o pior dia de sua vida há uma semana. No mesmo dia da morte de sua mãe, ele teve a moto furtada quando correu para o hospital ao saber da piora da idosa. Depois de receber a notícia do falecimento, voltou ao local onde havia largado a motocicleta, que tinha sido levada em Belo Horizonte (MG).

Essencial para garantir o sustento dele e dos cinco filhos, a moto continuava desaparecida até essa terça-feira (14), quando viralizou nas redes sociais um vídeo de André suplicando pela devolução do veículo. As informações são do jornal Estado de Minas.

Entrega de lanches
Na gravação, o gari conta que usa a moto para entregar lanches à noite, para complementar sua renda.

O emprego como gari, segundo ele relata no vídeo, está para chegar ao fim, já que está cumprindo aviso prévio por causa de uma redução no número de funcionários da empresa durante a pandemia do novo coronavírus.

Prestes a ficar sem emprego formal, ele se desesperou. “Quem pegou, pelo amor de Deus, me ajuda aí. Eu sou gari, entendeu. Tenho cinco filhos para tratar, o negócio está feio para o meu lado. Estou cumprindo aviso na empresa, teve redução de funcionários por causa da pandemia. Me ajuda aí, gente”, diz André, avisando que a placa do veículo é QPP-4994. A moto é um modelo Titan, azul, da marca Honda.

Morte da mãe
André explicou que foi ao Hospital Madre Teresa, em Belo Horizonte, para saber notícias médicas da mãe, que havia sido submetida a uma cirurgia no coração, mas não resistiu.

André deixou a moto no estacionamento da rua, onde estavam outras motos, por não ter dinheiro para pagar o estacionamento particular da unidade de saúde.

“Quem pegou, entrega, por favor, não faz isso comigo não, eu preciso da moto. Me ajuda aí. Já estou com um sentimento ruim pela minha mãe, e agora perco a minha moto. Não faz isso não, gente. Quem pegou, que Deus abençoe com um emprego ou alguma coisa, mas não tire isso de um pai de família não, que a minha necessidade é muito grande e eu preciso dela”, pediu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas