Governador do RS diz que houve 'excesso de violência' em morte de homem negro

brasil
20.11.2020, 13:42:00
Atualizado: 20.11.2020, 13:56:37
(Reprodução)

Governador do RS diz que houve 'excesso de violência' em morte de homem negro

João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, foi espancado até a morte em mercado Carrefour

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou nesta sexta-feira (20) que houve "excesso de violência" no caso da morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, espancado em um mercado Carrefour em Porto Alegre, na noite da quinta (19). 

Freitas, que era negro, foi agredido depois de se desentender com a caixa do supermercado. Um vídeo feito com a cena circulou nas redes sociais. 

"Infelizmente nesse dia que nós deveríamos estar celebrando essas políticas públicas nos deparamos com cenas que deixam todos indignados pelo excesso de violência, que levou a morte de um cidadão negro, em um supermercado da capital gaúcha. Todas as circunstâncias em que esse crime aconteceu estão sendo apuradas, para que sejam punidos os responsáveis", afirmou o governador.

Ele disse que o inquérito sobre o caso terá "muito rigor".

Os dois suspeitos, um de 24 anos e outro de 30, foram presos em flagrante. Um deles é polícia militar e por isso foi para um presídio militar. O outro é segurança da loja. O caso é tratado como homicídio qualificado.

O governador afirmou que o PM envolvido não é ligado ao policiamento ostensivo. "Não é um policial de presença de policiamento ostensivo. Todo trabalho e todo esforço do governo é, justamente, no treinamento adequado dos nossos policiais pra atuar nas ruas e garantir segurança. Lamentavelmente, a gente vê o envolvimento de um policial que tem que cumprir tarefas administrativas, nessas cenas que nos deixam todos indignados. Houve excessos que deverão ser apurados e dada a consequência", garantiu.

Leia todo pronunciamento

Hoje é dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. Exatamente aqui estou, com o material da Polícia Civil, porque o nosso governo criou no ano passado um departamento de proteção a grupos vulneráveis, dentro dele vamos inaugurar, nos próximos dias, uma delegacia para apurar os crimes de intolerância, contra diversos grupos.

Infelizmente, nesse dia que nós deveríamos estar celebrando essas políticas públicas, nós deparamos com cenas que deixam todos indignados pelo excesso de violência, que levou a morte de um cidadão negro, em um supermercado da capital gaúcha.

Todas as circunstâncias em que esse crime aconteceu estão sendo apuradas, para que sejam punidos os responsáveis.

Os inquéritos policiais estão sendo levados adiante com muito rigor, aqueles que se envolveram detidos, e já apresentado o inquérito por homicídio triplamente qualificado, toda investigação vai se dar no curso do processo. Não é um policial de presença de policiamento ostensivo.

Todo trabalho e todo esforço do governo é, justamente, no treinamento adequado dos nossos policiais pra atuar nas ruas e garantir segurança. Lamentavelmente, a gente vê o envolvimento de um policial que tem que cumprir tarefas administrativas, nessas cenas que nos deixam todos indignados.

Houve excessos que deverão ser apurados e dada a consequência.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas