Guia da 3ª dose: tudo que você precisa saber sobre o reforço da vacinação

bahia
31.08.2021, 05:15:00
Atualizado: 01.09.2021, 08:29:16
(Jefferson Peixoto/Secom)

Guia da 3ª dose: tudo que você precisa saber sobre o reforço da vacinação

Em Salvador, doses da Pfizer começaram a ser aplicadas nesta segunda-feira (30)

Salvador já começou a aplicar a terceira dose contra a covid-19 desde a segunda-feira (30), nos idosos acima de 80 anos. O vacinômetro da prefeitura mostrou que 509 pessoas receberam a injeção no primeiro dia. Os principais critérios para tomar o novo reforço é ter no mínimo seis meses que recebeu a segunda dose e o nome na lista do site da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). No entanto, muita gente procurou os postos achando que já estava na sua vez de turbinar a vacinação e não conferiram a lista. Nesta segunda, no 5º Centro de Saúde (Barris), ao menos 16 idosos tiveram de voltar para casa sem vacinar porque ainda não haviam completado os seis meses de prazo mínimo.

Nesta terça-feira (31) a estratégia de vacinação municipal continuará englobando a aplicação da terceira dose nos idosos com 80 anos ou mais que completam os seis meses da segunda injeção até 2 de setembro. A vacinação será das 8h às 16h, nos drive-thrus do Atakadão Atakarejo (Fazenda Coutos); Shopping Bela Vista e 5º Centro (Barris); ou nos pontos fixos do 5º Centro (Barris), USF Vista Alegre, USF Cajazeiras V, UBS Virgílio de Carvalho e USF Santa Luzia (Eng. Velho de Brotas). 

Segundo orientação do Ministério da Saúde (MS), a terceira dose deveria ser oferecida a partir de 15 de setembro para as pessoas a partir de 70 anos e os imunossuprimidos. Salvador se antecipou porque, segundo a SMS, a norma do MS já está publicada e, portanto, é oficial. Ainda segundo a pasta municipal, com a chegada de mais ampolas, os imunossuprimidos serão incluídos. Ao antecipar a vacinação, o município também conseguiu aumentar o número de beneficiados.

Muitos idosos e seus familiares permanecem com dúvida sobre a terceira dose. Uma senhora que não quis se identificar tomou a injeção, mas está preocupada. "Não queria tomar essa Pfizer, pois minha primeira e segunda doses foram de CoronaVac”, relatou.

Ela queria continuar usando o mesmo imunizante, o que não é possível, uma vez que, de acordo com a orientação federal, a  terceira injeção precisa ser de outro laboratório justamente para aumentar a imunidade contra as variantes do coronavírus. O reforço será preferencialmente feito com a Pfizer e, na ausência desta, Janssen ou AstraZeneca.  

“Para que o MS tomasse essa decisão, isso foi baseado em estudos científicos e foi evidenciado que não há prejuízo na resposta imune das pessoas e nem mesmo evidências de eventos adversos”, garante Doiane Lemos, coordenadora de imunização da SMS.

Leia mais: Terceira dose da Pfizer aumenta proteção em até 6 vezes, diz estudo de Israel

Sem injeção

Walkyria Garrido de Alencar, 90 anos, foi uma das pessoas que compareceu ao 5º Centro e não conseguiu se vacinar porque ainda não era a sua vez. Ela tomou a segunda dose no dia 10 de março e a aplicação da terceira dose, nesta segunda (30), aconteceu em pessoas que tomaram o imunizante até o dia 5 de março. “Como eu moro aqui perto, no Garcia, não perdi muito tempo. Foi até bom eu ter vindo, pois agora já sei como é o procedimento e aviso para a minha irmã não cometer o mesmo erro”, disse.

Dona Helena Santana, 83, pensa da mesma forma. “Eu entendo que não tem como eles se organizarem de uma hora para outra. Não é fácil para eles ter que esperar vacina, não ver ela chegar e ter que controlar todo esse processo”, argumenta.  

Já seu filho Carlos Santana, que é motorista de aplicativo e perdeu algumas horas de trabalho para acompanhá-la, não ficou muito feliz em sair do posto sem a vacina. “A gente quer ver logo ela vacinada com esse reforço e eu quero agilizar o máximo possível. Eles deveriam ter comunicado melhor”, aponta. 

Segundo os agentes de imunização que estavam no local, muitas pessoas entenderam que todos os idosos com mais de 80 anos seriam vacinados com o reforço, independe de quando eles tomaram a segunda dose. "São muitas as pessoas que estão se atrapalhando nisso. Alguns são como dona Helena e entendem que erraram ou que não é bom tomar a vacina antes do prazo determinado, mas outros querem burlar a regra, dar uma carteirada. É complicado”, lamentou um agente de imunização, que preferiu não ser identificado.  

Para evitar que isso aconteça, é importante verificar se o nome está na lista de habilitados para vacinação, disponível no site www.saude.salvador.ba.gov.br. “Só quem está apto a se vacinar é quem está com o nome no site. Por isso, é importante as pessoas conferirem antes de se dirigirem aos postos de vacinação”, pediu Doiane Lemos.  

Leia mais: Idosos no Chile começam a tomar terceira dose da CoronaVac

Idosos que tomaram reforço saíram contentes  

Quem conseguiu ser vacinado comemorou o momento. Presidente da Liga Bahiana Contra o Câncer (LBCC) e filho do renomado professor Aristides Maltez, o médico Aristides Maltez Filho, 88 anos, deu bom exemplo. “A grande arma que a gente tem para enfrentar a pandemia é a vacina e eu sou feliz em ser alcançado pela terceira dose. Meu desejo é que continue ocorrendo a imunização e que não nos faltem lotes de vacina, o que atrapalha o êxito da campanha”, diz. 

Aristides Maltez Filho escolheu o 5º Centro de Saúde para tomar terceira dose da vacina 

(Foto: Daniel Aloisio/CORREIO)

Já Agnelo de Oliveira Silva, 70, levou sua mãe Maria Mercês, 92 anos, para ser imunizada. “Eu fiquei até feliz, pois os estudos mostraram que duas doses ainda não são suficientes. Se precisar tomar três, quatro, nós vamos tomar. Eu me sinto seguro é sendo vacinado”, disse o idoso, já esperando seu momento de também ser imunizado.

Leia mais: Terceira dose de CoronaVac aumenta proteção em até 5 vezes, mostram estudos

Para ajudar quem vai se vacinar a entender a 3ª dose, montamos um guia baseado nas informações da SMS,  Sesab, Ministério da Saúde e em evidências científicas, confira: 

1 - Quais são os critérios para tomar a 3ª dose?  
Ter 80 anos ou mais; seis meses do recebimento da 2ª dose e o nome constar no site da SMS - www.saude.salvador.ba.gov.br. Com esses três critérios confirmados, o idoso pode ir ao ponto de vacinação;

2 – Em Salvador, a 3ª dose será aplicada somente nos idosos?  
A determinação do MS é referente a idosos e imunossuprimidos. Ainda não há previsão de quando as outras faixas etárias serão imunizadas com esse reforço. As aplicações de 1ª e 2ª doses, no entanto, seguem normalmente conforme a divulgação diária da SMS;

3 – O MS fala em vacinar com 3ª dose idosos com 70 anos. Por que Salvador começou a partir de 80 anos?  
O MS estabeleceu acima de 70 anos, mas a nível de CIB – Comissão Intergestora Bipartide -, Salvador iniciou a partir de quem tem 80 anos ou mais. Com mais doses de vacina os outros grupos serão beneficiados;  

4 – Toda a população tomará as três doses? 
Ainda não há evidências de que a indicação da 3ª dose vai ser extensiva para todos. O MS, baseado em estudos e por questão de logística, está favorecendo os grupos prioritários; 

5 - Vai ser uma única vacina aplicada como 3ª dose?  
A nota técnica diz que tem que ser usada, preferencialmente, a vacina da Pfizer ou, de maneira alternativa, Janssen e Oxford/AstraZeneca. Salvador começou com a Pfizer;  

Leia mais: Anvisa autoriza estudo clínico com terceira dose da vacina da AstraZeneca

6 - Quem tomou CoronaVac não pode tomar 3ª dose de CoronaVac?  
As evidências são de que essa 3ª dose estimula o sistema imunológico da pessoa para que, caso a titulação de anticorpos tenha caído ao longo do tempo, seja dado um outro ‘start’, ou seja, que ela venha a ter novamente um nível alto de proteção. Pesquisas mostram que o ‘start’ é mais eficiente com intercambialidade de vacinas;

7 - Não faz mal tomar a 3ª dose de um imunizante diferente da 1ª e 2ª?  
O MS se baseou em estudos científicos para tomar a decisão de intercambiar as vacinas e os estudos mostravam que não há prejuízo na resposta imune das pessoas e nem mesmo evidências de eventos adversos; 

8 – De onde está sendo tirada a vacina para a 3ª dose? 
Salvador já está vacinando pessoas a partir de 18 anos para cima e adolescentes de 12 a 17 anos portadores de doenças crônicas. Com o saldo de vacina disponível, tirando as doses necessárias para esses grupos, a cidade começou a aplicar a 3ª dose. Além disso, a cidade também está usando as doses que não foram procuradas por pessoas de 18 anos ou mais; 

9 – Por que são seis meses de intervalo entre a 2ª e 3ª dose? 
A análise de titulação de anticorpos mostra que o indivíduo começa a produção de anticorpos e eles ficam em alto nível em determinado período de tempo. No período de seis meses, foi configurado que a pessoa desenvolveu e permaneceu com a proteção ideal contra a covid. A partir dos seis meses, pode haver decréscimo dos anticorpos. Por isso é usado esse período;

10 – Os profissionais da saúde poderão tomar 3ª dose? 
Os demais grupos a serem inseridos dependem das deliberações do Ministério da Saúde; 

11 – A 3ª dose pode ser aplicada em casa para pessoas acamadas?  
Sim. Se o indivíduo já pode tomar a 3ª dose, basta fazer agendamento no serviço Vacina Express da SMS. Independente dela ter feito a 1ª ou 2ª dose presencialmente, é possível fazer o agendamento para tomar a 3ª em casa;   

12 - Quem tomou a 1ª e 2ª dose em outra cidade, pode tomar a 3ª em Salvador? 
É preciso saber o motivo da pessoa ter tomado as outras doses em outro local que não Salvador. O município recebe doses com base em quem aplicou primeira e segunda na capítal. Então, é preciso que a pessoa justifique adequadamente o motivo de não ter recebido essas doses na cidade e será verificado se há saldo de doses para atender essa demanda. A justificativa pode ser feita pelo telefone 156 ou na Ouvidoria do Município;  

13 - Precisa fazer algum novo cadastro para tomar 3ª dose? 
Se a pessoa tomou a 1ª e 2ª em Salvador, estará no banco de dados da SMS, por isso é importante checar se o nome aparece na lista antes de ir aos postos;

14 – Qual é o percentual de eficácia da 3ª dose? 
As evidências vêm dos estudos de Israel, principalmente, na qual verificou-se a redução de vulnerabilidade dos grupos beneficiados. O objetivo é que esses idosos não venham a contrair a doença mesmo estando vacinados. Mas ainda não há porcentagem de eficácia; 

15 - É esperado que a 3ª dose também cause alguma reação? 
Segundo o MS, não houve diferença ou incremento em relação aos eventos adversos em quem recebeu 3ª dose, em relação às injeções anteriores;  

Leia mais: Médicos são denunciados por tomar terceira dose de vacina contra a covid

16 - Como fica quem tomou Janssen, que é dose única? 
Na imunização dessa faixa etária dos idosos, Salvador ainda não tinha recebido a Janssen e sim CoronaVac e AstraZeneca;   

17 - A campanha de 3ª dose impacta ou afeta a oferta de 1ª e 2ª dose? 
O Ministério da Saúde, uma vez estabelecida a dose de reforço, faz o planejamento em relação ao fornecimento das doses, tanto que a programação de 1ª e 2ª dose segue normalmente; 

18 - O MS já começou a enviar vacina para 3ª dose ou disse quando vai enviar?  
A pasta ainda não enviou as remessas, mas a resolução CIB do sábado, 28, determinou que na Bahia, inicialmente, só serão vacinados idosos com 80 anos ou mais com mais de seis meses que tomou a 2ª dose, independente da vacina. O MS deve enviar remessas em setembro; 

19 -  A Sesab orienta que os municípios apliquem logo ou aguardem a remessa específica?  
A Bahia já começou a vacinação dos adolescentes e os municípios que tem saldo de doses da Pfizer, como Salvador, já aplicam a 3ª dose;  

Ministério da Saúde pede que estados e municípios sigam PNI 

Para avançar de forma homogênea na imunização dos brasileiros contra a covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, defendeu na quarta-feira (25) que estados e municípios cumpram as diretrizes do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Segundo Queiroga, o trabalho em conjunto fará com que 75% da população adulta esteja vacinada com as duas doses até o fim de outubro. 

“O segredo para avançarmos na imunização de todos os brasileiros é seguirmos firme falando a mesma língua. Então, é fundamental que os estados e municípios deem os braços ao Ministério da Saúde e ao Programa Nacional de Imunizações. Assim, chegaremos mais rápido no nosso objetivo de imunizar, com as duas doses da vacina, até 75% da população adulta até outubro”, afirmou Queiroga. 

A declaração foi dada durante a assembleia do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Em sua participação no encontro, o ministro reforçou a importância de gestores estaduais e municipais estarem alinhados com o que é pactuado semanalmente entre a União, os estados e municípios. 

Marcelo Queiroga é Ministro da Saúde 

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro também destacou que, com a coordenação do Programa Nacional de Imunizações da pasta, o país já vacinou mais de 70% da população adulta com a primeira dose, e mais de 34% dessa população com as duas doses. “Se nos unirmos, teremos a maior campanha pública de vacinação do mundo”, reforçou o ministro da Saúde. 

Foi nesse encontro virtual que o ministro comunicou aos secretários estaduais de saúde que, a partir da segunda quinzena de setembro, a pasta inicia o envio das doses de reforço para idosos com mais de 70 anos e imunossuprimidos. Além do reforço na imunização, o Ministério da Saúde também irá reduzir o intervalo entre as doses da Pfizer e Astrazeneca de 12 para 8 semanas.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas