Guitarra e chinelada: o 'Desafilho' no trio elétrico

clarissa pacheco
25.10.2020, 07:00:00

Guitarra e chinelada: o 'Desafilho' no trio elétrico

Irmãos Macedo reproduziam em shows brincadeira em família com o pai, seu Osmar, e convidados ilustres

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Osmar Macedo, o filho Armandinho e Gilberto Gil, no carnaval de 1993
(Foto: Débora Paes/Arquivo CORREIO)

Imagina a cara do folião desavisado ao ver essa cena no alto de um trio elétrico em plano Carnaval de Salvador, lá pelas bandas da Praça Castro Alves. Armandinho toca sua guitarra, enquanto o pai, Osmar Macedo, tira um chinelo de couro e ‘ameaça’ o rapaz. A gargalhada de Armandinho e a calma de Gilberto Gil ali no fundo entregam a brincadeira, batizada de 'Desafilho', feita entre seu Osmar, um dos idealizadores do trio elétrico, e os filhos.

Momentos como esse, fotografado no Carnaval de 1993 por Débora Paes, não eram raros. Certa vez, o tal do Desafilho foi testemunhado por Vinícius de Moraes. A brincadeira quase sempre tinha a presença de Gilberto Gil ou Caetano Veloso – Gil, que aparece na imagem, não deixa mentir.

Funcionava mais ou menos assim: os filhos – um de cada vez, organizados por seu Osmar –, tocavam a guitarra, enquanto ele ia dançando, tirando a camisa, brincando com o instrumento. Até que, uma hora ou outra, fatalmente, vinha a chinelada registrada por Débora há 27 anos. De vez em quando, os encontros familiares ganhavam mais convidados ilustres, como Moraes Moreira.

Foi Armandinho quem explicou ao repórter Ivan Dias Marques, há dois anos, para o especial Cenas de Carnaval, dos 40 anos do CORREIO, como funcionava o Desafilho. “É que a gente reproduz no show dos Irmãos Macedo, justamente, o desafio de pai para filho. Como eu tocava muito rápido, ele ficava fazendo pirueta, tirava a camisa, botava o instrumento nas costas, Aí eu ia tocando mais rápido e chegava uma hora, ele não aguentava mais e me dava uma chinelada. Aí eu gritava com a guitarra”, contou. 

Seu Osmar Macedo morreu em 1997, mas o trio Armandinho, Dodô e Osmar segue desfilando no Carnaval de Salvador.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas