Herbem Gramacho: Hora de retomar a hegemonia do Nordeste

herbem gramacho
26.01.2017, 05:00:00
Atualizado: 27.01.2017, 13:42:21

Herbem Gramacho: Hora de retomar a hegemonia do Nordeste


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Bahia, Vitória e, em muito menor grau, Juazeirense começam hoje a missão de fazer a Bahia conquistar a Copa do Nordeste. O estado é o que mais vezes foi campeão regional. São sete títulos (cinco com o Vitória e dois com o Bahia), vantagem considerável sobre Pernambuco, que tem quatro (três do Sport e um do Santa Cruz). Juntos, os dois estados economicamente mais fortes da região concentram 11 dos 14 troféus já disputados (78,5%). Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará são os “entrões” no rateio de taças.

No entanto, a hegemonia baiana estagnou na virada da década. Depois do título rubro-negro em 2010 e da lacuna no calendário em 2011 e 2012, nenhum time da Bahia ganhou mais o Nordestão. São quatro edições seguidas neste novo formato que deixa a Lampions League muito mais interessante financeiramente para os clubes – são R$ 600 mil para cada time que disputa a primeira fase neste ano - e mais abrangente para o público, com transmissão de TV nacional. 

No período, porém, houve apenas um time baiano na final, com o Bahia vice do Ceará em 2015. Em 2013 e 2014, o Vitória parou nas quartas de final. Em 2016, o Bahia parou na semi. É pouco para quem tem dois clubes entre os três de maior orçamento da região. Pernambuco chegou a duas finais nesses quatro anos e ganhou ambas: Sport em 2014 e Santa Cruz em 2016. A Paraíba também se deu melhor que a Bahia no atual formato da Copa do Nordeste, com fase de grupos seguida de mata-mata a partir das quartas de final. O traiçoeiro Campinense foi campeão em 2013 e vice em 2016.

Como quase sempre, Bahia e Vitória entram novamente como favoritos na competição em 2017. Muito por causa da capacidade de investimento, bem maior que a de 17 dos 18 adversários, inclusive Santa Cruz e Náutico. Só o Sport se equipara à dupla Ba-Vi financeiramente. Formar o trio nordestino na Série A também pesa para Bahia, Vitória e Sport. Mas o histórico recente mostra que o caminho não é fácil para os baianos. 

Se for para apontar o melhor time do Nordeste, no papel, este é o Sport. O time pernambucano vai para o quarto ano seguido na Série A, o quinto na Copa Sul-Americana e tem, disparado, o melhor jogador da região (o meia Diego Souza), além de uma espinha dorsal que dá solidez à equipe, como o goleiro Magrão, os laterais Samuel Xavier e Renê e o volante Rithely. Lógico que não é um timaço, tanto que acabou a última Série A em 14º lugar. O renovado ataque deve dar trabalho, mas não é uma maravilha: Marquinhos, ex-Vitória, Leandro Pereira, ex-Palmeiras, além do remanescente Rogério, outro que passou pela Toca do Leão. Nada que assuste, mas um bom time.

BAHIA E VITÓRIA 

Contratar é o ato que mais empolga o torcedor, mas devagar com o andor. Dos 13 contratados pelo Vitória  até agora – já contando com o volante Bruno Ramires, que estava ontem no Barradão -, muitos são incógnitas. 

A defesa, que preocupou em 2016, não foi olhada com tanto carinho pela diretoria quanto o setor ofensivo. Alan Costa e Geferson saíram sem deixar saudade no rebaixado Internacional. De Leandro Salino, que tem 31 anos e saiu do Brasil aos 23 para jogar em Portugal e na Grécia, pouco se pode falar. A destacar positivamente, só o zagueiro Fred e o volante Uillian Correia.

Mas, no balanço, os reforços ofensivos tornam o saldo positivo. Dátolo, Cleiton Xavier, além de Pisculichi e André Lima para dar mais opções a Argel no elenco, são bons reforços para a maioria dos times da Série A. 

No papel, o Leão começa o ano com meio-campo e ataque melhores que o Bahia. Já a linha de defesa tricolor é mais sólida, embora o time esteja carente de um goleiro.

Herbem Gramacho é editor de Esporte e escreve às quintas-feiras.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas