Homem atira em vizinho para impedir ritual religioso em Salvador

salvador
11.10.2018, 08:28:00
Atualizado: 11.10.2018, 15:57:18

Homem atira em vizinho para impedir ritual religioso em Salvador

Crime ocorreu no início da manhã desta quinta na Fazenda Grande do Retiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Alexandre Santos Silva foi baleado por um vizinho, na manhã desta quinta-feira (11), depois de tentar colocar uma oferenda religiosa na rua. O crime aconteceu por volta das 5h20, na Rua Fazenda Grande do Retiro, no bairro de Fazenda Grande do Retiro.De acordo com informações do boletim de ocorrência do posto da Polícia Civil do Hospital Geral do Estado (HGE), Alexandre foi até a rua onde mora para colocar uma oferenda, quando um vizinho, que não teve o nome divulgado, se irritou com a vítima. 

O crime aconteceu após uma discussão entre os dois. O vizinho, que não queria a realização do ritual religioso, sacou uma arma e atirou contra Alexandre três vezes e acertou o braço, axila e nádega da vítima, que não teve sua idade divulgada. Alexandre foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de San Martin e depois encaminhado para o HGE, onde permanece internado. O estado de saúde da vítima não foi divulgado.

A ocorrência do HGE será encaminhada para a 4ª Delegacia (São Caetano), responsável pela região onde houve o crime, que vai apurar a autoria e a motivação do crime. 

Intolerância religiosa
A Bahia tem 135 casos de intolerância religiosa registrados entre 2013 e agosto deste ano, segundo a Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). Desse total, 29 aconteceram em 2018. O número já é maior que os 21 crimes registrados em todos os 12 meses do ano passado. 

Desde 2013 - ano da criação do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, órgão ligado à Sepromi -, o ano com maior número de ocorrências foi em 2016, com 32 crimes de intolerância religiosa.

A Sepromi tem uma rede de atendimento contra esse tipo de violência nos municípios. O contato deve ser feito através do (71) 3117-7448. O órgão é responsável por orientar a vítima a procurar a unidade mais próxima.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas