IF Baiano atua em projetos e parcerias para combate ao lixo marinho

sustentabilidade
08.03.2019, 18:06:02

IF Baiano atua em projetos e parcerias para combate ao lixo marinho

Grupo de pesquisa faz catálogo didático de residuos coletados do fundo do mar

O carnaval passou e é hora de recolher o lixo deixado pelos foliões. No entanto, um local costuma passar despercebido: o fundo do mar. O exemplo é a festa local, mas o alerta é global e válido em qualquer tempo. Estudos recentes estimam entre 8 e 25 milhões de toneladas a entrada anual de resíduos sólidos nos oceanos do planeta. No Brasil, o número se aproxima de 2 milhões de toneladas no mesmo período.

O lixo encontrado no fundo dos mares do litoral de Salvador e região metropolitana é preocupação e objeto de estudos no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), sintonizado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS - agenda2030.com.br, da ONU, mais especificamente o ODS 14 - Vida na Água - Conservar e promover o uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos.

Fruto dessas ações é a parceria com o projeto Fundo da Folia, um grupo voluntário que atua há quase uma década realizando limpeza subaquática nas praias da capital baiana. A iniciativa nasceu em 2010, com a observação de que o lixo gerado no Carnaval era recolhido das ruas e das praias do circuito da folia, mas não do fundo do mar. A partir de então, as ações se intensificaram e o grupo foi crescendo. Hoje, as limpezas são realizadas semanalmente, com a ajuda voluntária de surfistas, mergulhadores, pesquisadores, estudantes e interessados em contribuir com a causa.

Coleção
Com a participação nas ações de limpeza do projeto Fundo da Folia, pesquisadores do grupo Paranoá vêm coletando e analisando os diversos tipos de lixo e catalogando esses materiais para criação de uma coleção didática do lixo marinho. Parte da coleção está sendo exposta no Museu Náutico da Bahia, em uma parceria com o curso de Oceanografia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), desde o ano passado, onde permanece pelos próximos meses.

Hoje, o trabalho é um projeto de iniciação científica, desenvolvido no campus do IF Baiano em Catu. “A intenção é identificar cada polímero (lixo plástico) para uma coleção de referência que, daqui a cem anos, caso haja algum problema de contaminação, por exemplo, na Baía de Todos os Santos e alguém falar: 'Ah, mas ninguém produz mais isso hoje.', então, temos na coleção uma identificação científica de um produto que foi descartado na baía há cinquenta, cem anos atrás”, explica o orientador do projeto, professor e pesquisador do IF Baiano, José Rodrigues, que também coordena a implantação da Rede Brasileira de Coleções Didáticas e Científicas do Lixo Marinho (Re-COLIXO).

Consciência

Os materiais coletados do fundo do mar evidenciam o impacto ambiental do excesso de lixo nos oceanos. “Não é um problema novo. A academia estuda isso há mais de 30 anos e só agora a sociedade está tomando ciência da catástrofe”, afirma o pesquisador do IF Baiano, José Rodrigues.

Hoje, é frequente no noticiário os mais diversos casos de animais marinhos vítimas de acidentes causados pelos resíduos perdidos nos oceanos. Este é apenas um dos impactos decorrentes do problema. O pesquisador aponta também o efeito na cadeia alimentar das espécies. “Hoje a gente tem estudos mostrando a presença de lixo no trato intestinal até dos zooplânctons, pequenos organismos que vivem dispersos na coluna d’água. Esses zooplânctons, junto com os fitoplânctons são a base da cadeia trófica dos oceanos. Todos os outros animais estão acima deles e então, esses pequenos organismos vão ser comidos, com o plástico, pelo peixe um pouco maior”. Em seguida, a espécie pode servir de alimento aos predadores de topo, os grandes mamíferos, tubarões, aves, etc, e no meio do caminho, passa pelas espécies mais comerciais como, por exemplo, os atuns e salmões.

O próximo destino do plástico é de fácil dedução. Nós, seres humanos, somos consumidores das espécies comerciais marinhas. “Nós estamos ingerindo plástico”, destaca Rodrigues. “O que não sabemos ainda é o que esse plástico vai fazer no nosso corpo. Estudos recentes já confirmaram a presença de plástico nas fezes humanas. Isso quer dizer que o plástico está chegando. Mas, chega só por causa do peixe? Não. Na água mineral da garrafinha plástica também vêm resíduos daquilo que, hoje, começamos a estudar – mas precisa-se de equipamentos mais sofisticados – que é o nanoplástico. O animal come o plástico por que ele confunde o saco (plástico) com seu alimento. O ser humano não confunde o saco com o alimento dele, mas o alimento do ser humano pode ser um peixe que confundiu”, complementa.

Parque Marinho
Em outra vertente, mais uma ação vem se desenvolvendo, com a participação do docente e pesquisador do IF Baiano, José Rodrigues, como consultor no processo em tramitação para criação do Parque Natural Municipal Marinho da Barra, uma unidade de proteção integral. A ideia é implantar uma unidade de proteção integral que promova atividades de turismo sustentável, ou seja, em que são vedadas práticas que envolvam poluição ambiental ou retirada do recursos naturais.

Em audiência pública, realizada em novembro de 2018 e promovida pela Secretaria de Cidade Sustentável e Inovação (Secis), a criação do Parque Natural Municipal Marinho da Barra obteve aval da sociedade. Pioneiro em Salvador, a unidade vai conservar, além do ecossistema marinho, o patrimônio cultural subaquático formado por três naufrágios entre o Farol da Barra e o Forte de Santa Maria: o Bretagne (1903), Germânia (1876) e o Maraldi (1875) e promover lazer contemplativo e um espaço para realização de pesquisas científicas.

*Com informações do IF Baianao

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas