Ifba desiste de ofertar quase cinco mil vagas e terá que devolver R$ 3 milhões ao MEC

bahia
08.03.2021, 06:01:00
Salvador era uma das 17 cidades que iriam receber os cursos (Tiago Caldas/arquivo CORREIO)

Ifba desiste de ofertar quase cinco mil vagas e terá que devolver R$ 3 milhões ao MEC

Pelo menos 21 cursos técnicos ou de qualificação profissional não serão mais ofertados pela instituição; veja a lista

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Instituto Federal da Bahia (Ifba) desistiu de ofertar quase 5 mil vagas de pelo menos 21 cursos técnicos ou de qualificação profissional que estavam previstos para serem realizados nos anos de 2020 e 2021. A informação se tornou pública após o Ministério da Educação (MEC) solicitar da instituição a devolução de R$ 3 milhões devido a não implantação dos cursos. Outros R$ 2 milhões seriam pagos durante a realização das atividades, totalizando uma perda de R$ 5 milhões.

 No total, estavam previstos a oferta de mil vagas para cursos técnicos subsequentes - voltados para alunos que já concluíram o ensino médio EAD. Outras 3.750 vagas seriam destinadas para 21 cursos de qualificação profissional ou formação inicial e continuada para mulheres em situação de vulnerabilidade social, como consta no documento do MEC. Segundo os servidores do Ifba ouvidos pela reportagem, essas vagas seriam para  detentos em unidades prisionais e  jovens em medidas socioeducativas.

Entre as aulas previstas estavam a de edição de vídeo, desenho de produtos gráficos web, agricultura florestal, fotografia, novos cursos que seriam ofertados pela instituição em 17 cidades baianas, 15 delas onde  o Ifba ainda não estava presente. 

 As atividades educacionais em questão são frutos de uma proposta enviada à Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do MEC (Setec) para o fomento à oferta de vagas em cursos de educação profissional e tecnológica. O Ifba concorreu com outras redes federais de ensino e teve seu projeto aprovado em dezembro de 2019. No mesmo mês, segundo o MEC, R$ 3 milhões foram descentralizados à instituição para viabilizar o início das aulas.

Porém, entre 2019 e 2020 o Ifba passou por uma mudança de gestão na sua reitoria. De 2014 a 2019, o reitor era o professor Renato da Anunciação Filho. A partir de 2020 assumiu o cargo a professora Luzia Matos Mota. De acordo com o MEC, a nova gestão ficou de estudar a viabilidade  dos cursos e apresentar, até maio de 2020, uma proposta de reformulação, o que não foi cumprido.

Após seis meses do prazo estipulado, em novembro de 2020, a instituição baiana informou que a execução do projeto era inviável. Isso se deu em ofício enviado a Wandemberg Venceslau, secretário de Educação Profissional e Tecnológica do MEC. Na ocasião, a reitora Luzia Mota alegou inviabilidade financeira de executar o plano  proposto pela gestão passada e impossibilidade de operacionalização.   
“Os orçamentos levantados originalmente não contemplaram os custos com pessoal de administração. O valor empenhado também não contemplou os custos com assistência estudantil, diárias e passagens necessárias à execução das atividades.  Não foi possível montar uma estrutura que atendesse o mínimo de qualidade para gerar o curso, mesmo sendo na modalidade EAD”, argumentou a instituição.  Segundo os cálculos da nova gestão, seriam necessários R$ 6,5 milhões só para ofertar as 3,7 mil vagas dos cursos de qualificação profissional, ou seja, sem contar as mil vagas EAD. Com a desistência, no dia 10 de fevereiro de 2021, o MEC solicitou ao Ifba a devolução dos R$  3 milhões pagos em 2019.

 O objetivo do projeto, segundo servidores do Ifba com quem a reportagem conversou, era dar uma oportunidade aos detentos. “Na época, o reitor viabilizou o projeto  para que os presos encontrassem vias de sair do sistema prisional, e também os jovens em medidas socioeducativas. E tudo isso foi impossibilitado”, conta uma das servidoras, que pediu para não se identificar.

Inicialmente, dois projetos foram submetidos pelo Ifba ao MEC, cada um com orçamento inicial de R$ 10 milhões. O Ministério, por sua vez, só pode repassar R$ 3 milhões, com a  promessa de R$ 2 milhões a serem enviados no segundo ano.  Pelo projeto, a falta de recurso  não comprometeria sua execução, por conta das parcerias e convênios que o Ifba teria com prefeituras, Ministério Público da Bahia (MP-BA), Ministério Público do Trabalho (MPT) e  Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap). 

O MP, porém, informou que não há previsão de custear o projeto. O  MPT e a Seap não responderam até o fechamento desta matéria. Já as prefeituras de Campo Formoso,  Monte Santo, Lauro de Freitas, Itabuna e Pau Brasil não tinham conhecimento do acordo.  A prefeitura de Jaguaquara afirmou que houve diálogo, mas não o firmamento de  convênio. O diretor do campus do Ifba de Barreiras, ligado a São Desidério, não conhecia o projeto.

Além da falta de convênios suficientes, o instituto disse que “não existiu, no momento de aprovação do projeto, nem mesmo uma carta de intenções ou termo de compromisso assinado pelos prefeitos”.  Os servidores negaram o que foi dito pela atual reitora, de que não foram apresentados documentos. “Está no sistema de informação, em pastas compartilhadas”, rebate uma servidora. 

O que diz o Ifba?   
Em nota, o Ifba diz que, na verdade,  “não há recursos relativos ao Termo de Execução Descentralizada (TED) Nº 9040 no IFBA”. “O IFBA recebeu um crédito orçamentário, que é uma autorização de gastos dada pelo Governo Federal para a realização de cursos presenciais e EAD. Sendo assim, a primeira etapa da execução do recurso foi realizada em 31/12/2019, último dia de exercício da gestão anterior do IFBA. O empenho ficou aguardando as outras duas etapas: liquidação e pagamento”, alegou a atual reitora, Luzia Mota.

Ela afirma que, quando assumiu em 2020, “tomou conhecimento do valor empenhado, e não obteve, da gestão anterior, os registros da concepção pedagógica dos cursos, memória de cálculo dos custos e nem o estudo de viabilidade”. Mota foi, então, avaliar a viabilidade técnica, pedagógica e financeira do projeto, e identificou “alto risco institucional pelas inconsistências pedagógicas, operacionais e de ordem financeira na implementação dos cursos de forma presencial e semipresencial”. 

O Ifba tomou, portanto, a decisão de não implementar o projeto, mas ressalta que não chegou a receber pagamentos do MEC. Por isso, não teria nada a devolver. O Ifba também pediu cancelamento do empenho.  O advogado Rafael Barreto, especialista em direito constitucional, explica que, de maneira geral, todas as despesas do governo federal devem ser devidamente registradas, com antecedência. 

“Toda e qualquer execução de despesa pública tem que estar previamente registrada e divulgada dentro de um sistema orçamentário. O empenho é o ato pelo qual você faz o bloqueio do recurso dentro do orçamento. É como se você deixasse um dinheiro no cofre, bloqueado, para não gastar”, esclarece Barreto, ressaltando que  o empenho  do orçamento público não significa que o investimento chegou na conta do prestador. 

 O MEC informou ao CORREIO, por meio de nota, que a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec), responsável pelo edital, “acompanha a execução dos Termos de Execução Descentralizada (TEDs) firmados com os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, mas não se manifesta acerca de processos ainda em trâmite”.  

Lista de cursos que seriam ofertados
1 - Editor de vídeo
2 - Desenhista de produtos gráficos
3 - Agricultor agroflorestal
4 - Auxiliar de fiscalização ambiental
5 - Cravejador de joais
6 - Eletricista de sistemas de energias
7 - Fotógrafo
8 - Letramento digital/ operador de computadores
9 - Maquiador
10 - Manicure e pedicure
11 - Depilador
12 - Pedreiro de alvenaria
13 - Pedreiro de revestimentos
14 - Pintor de obras imobiliárias
15 - Montador e reparador 
16 - Ouvires
17 - Assistente administrativo
18 - Eletricista 
19 - Programador de sistemas
20 - Joalheiro
21 - Cacauicultor

* Com orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas