Inquérito do MP vai investigar causas e responsáveis por rompimento de barragem

bahia
13.07.2019, 06:30:00
Atualizado: 13.07.2019, 08:26:50
(Foto: Junior Nascimento/CORREIO)

Inquérito do MP vai investigar causas e responsáveis por rompimento de barragem

órgão não descarta a possibilidade de uma ação coletiva contra causadores do desastre

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) instaurou um inquérito para investigar as causas e as responsabilidades pelo rompimento da barragem do Quati, no município de Pedro Alexandre, no Nordeste da Bahia, que ocorreu na quinta-feira (11). Segundo a promotora Luciana Khoury, uma equipe do MP vai até a cidade neste domingo (14) para verificar que tipo de assistência está sendo oferecida aos prejudicados. 

Estamos acompanhando a situação e apurando as causas do acidente, os danos e impactos ocorridos na região. Vamos apurar se estão havendo as devidas fiscalizações na barragem e as medidas que serão adotadas de agora em diante, que possam evitar mais danos as famílias e ao meio-ambiente. Estamos apurando também se a barragem esta com licenciamento e em funcionamento adequados, e se estava sendo fiscalizada e monitorada”, afirmou. 

O MP não descarta a possibilidade de uma ação coletiva contra os responsáveis pelo desastre, mas a promotora informou que é preciso aguardar a investigação. 

Direitos
O presidente do Instituto Baiano de Direito Imobiliário (IBDI), Bernardo Romano, informou que nesse caso existem duas implicações imediatas. “Uma é da ordem de direito público. Foi decretado estado de calamidade no município e com isso há abertura de diversas medidas para salvaguardar os interesses dessas pessoas, como abrigos, aluguel social e bolsas de ajuda, por exemplo”, afirmou. 

A segunda implicação é de ordem privada, ou seja, as vítimas podem constituir advogado ou procurar a Defesa Civil para exigir indenização ou entrar com um mandado de segurança para garantir direitos imediatos. Segundo Romano, registros documentais e testemunhas podem ser usados como comprovantes de perdas provocadas pelo desastre. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas