Insetos fundamentais para agricultura podem estar extintos nas próximas décadas

sustentabilidade
19.02.2019, 14:15:46
Atualizado: 20.02.2019, 19:34:58
Cerca de 40% das espécies experimentam uma "dramática taxa de declínio" e podem desaparecer (Divulgação)

Insetos fundamentais para agricultura podem estar extintos nas próximas décadas

Abelhas, formigas e besouros estão desaparecendo oito vezes mais rápido que espécies de mamíferos, pássaros e répteis

Se o uso de poluentes e o avanço da urbanização não forem reduzidos dentro das próximas décadas, cerca de 40% dos insetos responsáveis por polinização, controlar pragas e por auxiliar o ser humano na produção agrícola entrarão em extinção. Isso foi o que mostrou um estudo da Universidade de Sidney, na Austrália, publicado na revista Biological Conservation. Os cientistas descobriram que o declínio atinge um terço das espécies, especialmente as abelhas, formigas e besouros. Por um outro lado, o levantamento mostrou que as populações de moscas domésticas e baratas está crescendo.

Entre os fatores destacados como causadores desse desequilíbrio estão a perda de habitat, em virtude da urbanização e do desmatamento. Em seguida, há o aumento do uso de fertilizantes e pesticidas na agricultura. Por fim, existe ainda a mudança climática.

De acordo com o biólogo, mestre em ecologia e ex- coordenador do curso de Engenharia Ambiental da Unifacs, Nilton César, o problema é globalizado, pois os insetos são muito sensíveis à poluição e a degradação ambiental.

“O Brasil é o segundo maior consumidor de agrotóxico do mundo, paradoxalmente, ainda somos um país agrário que depende da natureza para subsidiar as atividades agrícolas, afinal, não há agricultura sem a ajuda de abelhas, formigas e outros insetos que atuam como polinizadores, controladores de pragas ou auxiliam no processo de equilíbrio ambiental”, explica Nilton César.

Por outro lado, o aumento das temperaturas, a explosão demográfica e o consumo irresponsável proporcionam a geração de uma quantidade de lixo que tornam a proliferação de pragas urbanas - como baratas e moscas - quase uma consequência natural. “Esses animais não possuem predadores naturais na quantidade em que se reproduzem e, para que fiquemos livres deles, usamos inseticidas, deixando-os cada vez mais resistentes”, completa o professor.

Para o mestre em ecologia, a resolução dessa questão não é simples e passa por reeducação ambiental, controle da natalidade e políticas públicas que imponham um intenso rigor no uso dos defensivos agrícola, além de melhorias  na gestão do lixo.

Vale destacar que os insetos polinizadores são fundamentais para os cultivos de cupuaçu, guaraná, castanha, dendê, pinhas, cultivos florestais, citros e mandioca, entre outros. E que moscas e baratas podem ser transmissores de doenças geradas pelo lixo contaminado. 


 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas