Investimentos em prevenção aos transtornos da chuva passam de R$ 120 milhões

salvador
13.04.2019, 06:00:00
Geomanta foi entregue em janeiro na Cidade Nova (Foto: Mauro Akin Nassor/Arquivo CORREIO)

Investimentos em prevenção aos transtornos da chuva passam de R$ 120 milhões

Desde 2013, a prefeitura fez a contenção de 59 encostas em Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A chuva que atinge Salvador durante o outono não é novidade para quem vive na cidade. O jeito, então, é tentar reduzir os transtornos para quem precisa conviver com ela. De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura, chefiada pelo vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis, “desde 2013, a prefeitura já realizou 59 obras de contenção de encosta com investimentos de mais de R$ 70,3 milhões, além da aplicação de 152 geomantas, por meio da Codesal, com investimentos de R$ 14 milhões”.

Ainda segundo a pasta, “outras 15 obras de contenção estão em andamento com investimentos de R$ 36,4 milhões”. Para reduzir os impactos, a prefeitura, por meio da Limpurb, faz a colocação de lonas e a limpeza das encostas.

No governo do estado, a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Conder), por meio do Programa de Prevenção de Desastres Naturais, atua em obras de contenção de encostas, macrodrenagem e proteção dos rios.

O presidente José Lúcio Machado destaca que, em Salvador, foram mapeadas 107 áreas de risco alto ou muito alto, onde foram feitas obras de contenção. “Os serviços realizados levaram segurança e mais tranquilidade para uma população de mais de 101 mil pessoas, principalmente no Subúrbio e no miolo”, destacou.

Por meio de nota, a Conder afirmou que as obras “não se limitam à combinação de soluções de engenharia para estabilização do solo nas áreas de risco com aplicação das técnicas, a exemplo de cortina atirantada, solo grampeado, retaludamento com cobertura vegetal e alvenaria de pedra”.

Segundo a companhia, são realizados também “serviços complementares de drenagem, acessibilidade e urbanização, com a pavimentação de vias, implantação de escadarias, canaletas, guarda-corpo, passeios e, quando possível, equipamentos comunitários, como praças, academias ao ar livre, quiosques e parque infantil”.

*Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas