Joe Biden recebe família de George Floyd na Casa Branca

mundo
25.05.2021, 13:36:00
Atualizado: 25.05.2021, 13:52:09
Biden na ocasião do funeral de George Floyd (Arquivo AFP)

Joe Biden recebe família de George Floyd na Casa Branca

Morte do homem negro, que causou protestos, completou 1 ano

Um ano após a morte de George Floyd - no caso de violência policial que impulsionou protestos contra o racismo em todo o mundo -, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebe parentes do homem negro morto por policiais brancos em Mineápolis nesta terça-feira, 25. O encontro de Biden com a família de Floyd ocorre em meio a pressões sobre a aprovação de um projeto de lei contra a violência policial no Congresso americano.

A reunião, que será privada, vai acontecer na Casa Branca, de acordo com a porta-voz da presidência, Jen Psaki, durante uma entrevista coletiva na segunda-feira (24). Vários membros da família, com quem Psaki disse que Biden desenvolveu relacionamentos, comparecerão, incluindo vários irmãos e sua filha, Gianna.

Com a agenda legislativa travada no Congresso, a Casa Branca vem tentando destacar a empatia do presidente. "(25 de maio de 2020) foi um dia que teve um grande impacto sobre ele e milhões de americanos", disse a porta-voz do presidente, Jen Psaki, acrescentando que Biden foi marcado pela "coragem e simpatia" da família de Floyd, particularmente sua filha Gianna.

"Eu gostaria de estar com vocês e tomá-los em meus braços", disse ele durante uma conversa por telefone com parentes de Floyd logo após o anúncio da decisão no julgamento de Derek Chauvin, o policial que apertou o joelho contra o pescoço do jovem, causando sua morte.

Morto em 25 de maio de 2020 em Mineápolis durante sua prisão por quatro policiais, Floyd se tornou um símbolo nos EUA no exterior Sua provação desencadeou uma mobilização sem precedentes e suas palavras finais ("Não consigo respirar") tornaram-se um grito de guerra contra os abusos da polícia.

Em seu primeiro grande discurso no Congresso no final de abril, Biden pintou o quadro de uma América de pé após uma série de grandes crises. O presidente então pediu ao Congresso que aprovasse um projeto de reforma da polícia com o nome de George Floyd no primeiro aniversário de sua morte. Mas o "Ato de Justiça no Policiamento de George Floyd" ainda está sendo debatido pelo Senado.

O texto, aprovado pela Câmara, prevê, em particular, a proibição do uso de estrangulamentos e visa limitar a ampla imunidade ("imunidade qualificada") de que gozam os policiais. A Casa Branca estabeleceu seu próprio prazo para o Congresso aprovar a legislação, que Psaki reconheceu na segunda-feira não será cumprida. "O calendário para a aprovação da lei não será mantido", admitiu.

Psaki disse, contudo, que a Casa Branca permaneceu relativamente otimista. Segundo ela, Biden falou na sexta-feira com o senador Cory Booker, democrata de Nova Jersey e um defensor declarado da reforma policial, acrescentando que o senador Tim Scott, da Carolina do Sul, principal negociador dos republicanos sobre o assunto, também expressou interesse em continuar as negociações "O presidente ainda está muito esperançoso de que será capaz de sancionar a Lei de Justiça no Policiamento George Floyd", disse

Escolhido a partir de uma imagem de homem de diálogo, capaz de chegar a acordos com os republicanos, o presidente democrata, que foi senador por 38 anos, sabe que grande parte de seu capital político está em jogo. "Continuamos avançando em direção a um acordo e permanecemos otimistas sobre a possibilidade de alcançá-lo", escreveram os senadores Cory Booker (democrata), Tim Scott (republicano) e Karen Bass (democrata) em um comunicado conjunto na segunda-feira. (Com agências internacionais).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas