Joia do Leão, Lucas Arcanjo tem no pai a maior inspiração no gol

e.c. vitória
11.01.2020, 05:00:00
Lucas Arcanjo comemora oportunidade com a camisa do Vitória (Foto: LETÍCIA MARTINS/ EC VITÓRIA/ DIVULGAÇÃO)

Joia do Leão, Lucas Arcanjo tem no pai a maior inspiração no gol

Aos 21 anos, jogador será o titular do Vitória no Campeonato Baiano

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A paixão pelas traves está no DNA. Filho de goleiro, Lucas Arcanjo escolheu a profissão ainda criança enquanto acompanhava os treinamentos do pai. Seu Geraldo se profissionalizou no Galícia e defendeu também clubes como Mogi Mirim, Noroeste, Mirassol e Sampaio Corrêa. Não queria que o filho trilhasse o caminho das luvas, mas Lucas decidiu seguir o exemplo de casa.

“Ele passou por muitos times e disse que era uma profissão muito sofrida. Só que quando ele me levava para os treinos, eu ficava só no cantinho vendo os goleiros treinarem separado. Aí eu quis dar seguimento à carreira dele, que não teve tanto sucesso”, explica o jogador revelado na Toca do Leão.

Aos 21 anos, Lucas Arcanjo terá a primeira grande oportunidade como jogador profissional: será o goleiro titular do Vitória no Campeonato Baiano, em que o rubro-negro será representado pela equipe sub-23.

Ele iniciou a temporada no elenco principal, mas nesta semana foi comunicado que passaria a integrar o grupo do estadual. “Quando cheguei, me apresentei ao profissional. Aí teve a reunião com os treinadores de goleiro e decidiram que eu iria treinar no sub-23 e, se precisar no profissional, fico de sobreaviso”, conta.

Lucas deixou de ser o terceiro goleiro da equipe principal para se tornar o titular do time sub-23 e comemora a mudança. “Tem que dar a vida. É uma oportunidade única para a carreira. Primeiro Campeonato Baiano profissional e começar jogando com o time. O ânimo está lá em cima”, vibra.

Comemoração em Salvador e em Piritiba, no centro-norte do estado, onde a família mora. “A expectativa é grande. É um momento único. Que ele abrace como oportunidade de ouro”, recomenda seu Geraldo. “Cavalo arriado só passa uma vez. Qualidade e potencial ele tem. É um menino bom, de um caráter incrível. Espero que conquiste o espaço dele e lute para ser titular do principal”.

Além de Lucas, dois goleiros revelados na Toca do Leão servirão ao Vitória durante o estadual. Yuri, de 19 anos, e Cabral, de 18, que está disputando a Copa São Paulo de Futebol Júnior. O time principal, que vai se dedicar às Copas do Nordeste e do Brasil, terá como opções para o gol Martín Rodríguez, Ronaldo e João Pedro, de 23 anos, que foi contratado do Vasco este ano para ser o terceiro goleiro.

Assim como o pai, Lucas começou no Galícia, em julho de 2014. Antes, dos 8 aos 15 anos, ele foi treinado por seu Geraldo no sítio da família, em um campo de futebol feito para essa finalidade. A transferência para o Vitória aconteceu em março de 2015. O garoto foi promovido ao time profissional no ano passado e entrou em campo apenas duas vezes na temporada.

Além da partida disputada com o sub-23 no dia 22 de agosto, quando o Vitória empatou em 1x1 com o Internacional, no Barradão, e foi eliminado do Campeonato Brasileiro de Aspirantes, Lucas fez um jogo pela Série B, na 4ª rodada, dia 18 de maio. A derrota por 3x1 para o São Bento e a falha diante da torcida marcaram a estreia dele como profissional.

Na ocasião, o clube passava por crise dentro e fora de campo. Antes titular, o também prata da casa Caíque havia sido afastado após uma sequência de falhas. Ronaldo, desprestigiado, ficou na reserva. Recém-promovido, Lucas foi titular após ter sentado no banco só uma vez na competição. Depois do jogo contra o São Bento, ele ficou como opção entre os reservas em outras 11 oportunidades.

Sem se abalar
Apesar de não guardar boas recordações da estreia, Lucas garante que não se deixou abalar. “Não fiquei tão preocupado, porque meu pai foi goleiro e sempre me deixou tranquilo. Ele sempre fala que se for de errar, vai errar. Se for de sair aplaudido, vai sair, mas que não é para deixar subir para a cabeça, para não deixar interferir em nada no dia a dia”.

Patriarca da família, seu Geraldo tem 49 anos e, mesmo à distância, acompanha a rotina do filho e o orienta diariamente. “É certo depois do treino ter uma ligação dele. Todo dia ele me liga. E quando ele vem para Salvador faz questão de acordar cedo e vir para o treino comigo. Assiste e depois fala ‘aquele lance era pra você ter feito isso’, conversa comigo antes dos jogos. Ele tem bastante experiência para passar pra mim”, conta Lucas.

Empolgado com a titularidade, o prata da casa está convicto de que vivenciará na Toca do Leão um ambiente bem diferente do que encontrou no ano passado. “A gente já começou o ano com o psicológico de todo mundo bem positivo. Este ano, com certeza, vai ser diferente do ano passado. Os resultados vão vir. Estamos muito confiantes”, afirma.

“Goleiro tem que ter bastante paciência, treinar intensamente como se fosse jogar e esperar a oportunidade. Foi o que fiz no ano passado. Treinei o ano passado inteiro intensamente e estou pronto”, garante.

Agora, Lucas só precisa esperar pouco tempo. O Vitória estreia no Campeonato Baiano dia 22, contra o Jacobina, no Barradão. Seu Geraldo, claro, estará na arquibancada. “Não perco de jeito nenhum. Quando ele jogar em Salvador ou perto de Piritiba, estarei sempre junto. Sou o torcedor número um dele”, orgulha-se o pai.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas