Jorge Soto: O papel do consumidor na sustentabilidade

brasil
03.10.2012, 02:31:00

Jorge Soto: O papel do consumidor na sustentabilidade


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Jorge Soto*

Como assegurar qualidade de vida digna para um mundo de nove bilhões de pessoas em 2050? Esta foi uma das principais questões que nortearam os debates na recente Rio+20, no sentido da necessidade de se construir uma visão de futuro, com uma economia mais ‘verde’ e inclusiva.

Como resultado dessa discussão, observou-se a consolidação do papel fundamental desempenhado pelo consumidor. O xis da questão é que, embora o ato de consumo seja normalmente um processo individual, ele tem consequências coletivas. Portanto, o consumo sustentável é fundamental.

O consumo sustentável seria aquele capaz de considerar: (1) a real necessidade daquele ato de consumo; (2) a escolha do produto ou serviço mais sustentável para satisfazer aquela necessidade; (3) uma forma sustentável de uso daquele produto ou serviço e (4) a forma adequada de reuso, reciclagem ou descarte, se for um produto.

Nesses quatro itens pode ser enxergado um ciclo de produção-compra-uso-descarte. O primeiro é responsabilidade indelegável das empresas, mas nos outros três o papel do consumidor é imprescindível. Seria possível ter um descarte adequado, considerando o reuso e a reciclagem sem a participação do consumidor? Os governos municipais têm responsabilidade legal pelo tratamento dos resíduos sólidos urbanos, mas sozinhos não podem resolver o assunto. Por isso que a recente Política Nacional de Resíduos Sólidos coloca que esse assunto merece solução via gestão integrada e compartilhada.

Na Braskem, discutimos cada vez mais esse assunto aplicado à principal cadeia da qual somos fornecedores, a dos plásticos. Entendemos que os plásticos estão cada vez mais presentes na vida moderna e que são a solução mais sustentável na maioria dos aspectos ambientais e sociais. São mais baratos, consomem menos água, solo, energia, etc. para serem produzidos e utilizados. Mas é no descarte que precisam de maior atenção e de envolvimento do consumidor.

Por esse motivo, desenvolvemos com o Instituto Akatu um programa de educação voltado para adolescentes, que no ano passado atingiu 1.577 escolas. Nele discutimos o ciclo de vida dos plásticos e o papel do consumidor em cada uma dessas etapas (veja cartilha em www.braskem.com.br). Discutimos também as soluções para a reciclagem dos plásticos, que são três: energética (gera energia a partir dos resíduos), química (produção de produtos químicos que podem ser utilizados na própria indústria química) e mecânica (produção de novos produtos plásticos a partir dos resíduos).

Para um mundo mais sustentável, portanto, é necessário que o consumidor esteja cada vez mais envolvido. Somente quando todos nós nos comportarmos simultaneamente como cidadãos e consumidores em cada uma das nossas decisões de compra e consumo estaremos dando passos importantes na direção da sustentabilidade.

Jorge Soto  é diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem e Doutor em Planejamento Ambiental pela COPPE/UFRJ

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas