Justiça dos EUA não vê crime em diretora filmada agredindo aluna de 6 anos

em alta
11.05.2021, 08:17:48
Atualizado: 11.05.2021, 08:22:01
(Foto: Reprodução)

Justiça dos EUA não vê crime em diretora filmada agredindo aluna de 6 anos

Mãe teria concordado com punição

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Após investigação, promotores da Flórida, nos Estados Unidos, concluíram que a diretora filmada agredindo uma aluna de 6 anos não cometeu crime. Com isso, a educadora não responderá judicialmente pelo ato contra uma criança latina.

A promotoria chegou a essa conclusão após descobrir que a cena em que Melissa Carter usa um pedaço de madeira para bater na bunda da menina foi filmada pela mãe da criança. De acordo com o subprocurador-chefe adjunto do estado Abraham Thornbury, a matriarca teria permitido a agressão. 

No entanto, a mãe parece ter se arrependido e divulgou as imagens denunciando o episódio, ocorrido em 13 de abril na escola primária Central, em Clewiston.

O 'castigo' teria sido aplicado após a menina causar danos a um equipamento de informática da escola. A mãe teria sido cobrada em 50 dólares para ressarcir o colégio. 

Na ligação telefônica, a funcionária Cecilia Self disse que a aluna do primeiro ano havia danificado o computador propositalmente, ao que a mãe, Fabiola Rivera, respondeu que a filha também estaria quebrando itens em casa.

Foi neste momento, segundo Thornbury, que a mãe pediu que a escola punisse a menina com agressão física. A funcionária teria explicado que para isso ocorrer ela deveria se dirigir ao local e estar presente na sala durante o espancamento.

Com o pedaço de madeira, a criança foi atingida três vezes nas nádegas e, em seguida, foi avisada que aquela medida poderia ser adotada novamente caso fosse necessário. A menina também ouviu exigências que pedisse desculpas e se comportasse direito

“Ambas integrantes a equipe parecem tratar a criança e sua mãe com respeito durante todo o processo”, escreveu Thornbury no documento, lembrando que, na Flórida, os pais têm permissão legal para usar castigos físicos nos filhos e repassar a medida a outras pessoas.

"Em nenhum momento durante o vídeo do incidente a Sra. Rivera levantou qualquer objeção ao que está acontecendo, por palavra ou ato de qualquer forma, corroborando ainda mais os relatos da Sra. Self e da Sra. Carter", diz o memorando. "Perto da conclusão do vídeo, quando a Sra. Rivera está saindo do escritório, ela pode ser claramente ouvida dizendo 'obrigada' à Sra. Carter e à Sra. Self."

Para Thornburg, o vídeo divulgado pela mãe "resultou em um relato incompleto e enganoso do incidente".

O advogado da mãe, por outro lado, disse à "NBC 2" que ela não tem documentos e teme ser deportada. Inicialmente, Fabiola Rivera disse aos policiais que, por sua primeira língua ser o espanhol, ela ficou confusa a princípio, sem entender o que estava acontecendo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas