Justiça Federal rejeita denúncia do MPF contra Glenn Greenwald

brasil
06.02.2020, 19:21:13
Atualizado: 06.02.2020, 19:53:53

Justiça Federal rejeita denúncia do MPF contra Glenn Greenwald

Outros seis acusados de envolvimento na invasão a celulares de autoridades viraram réus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O jornalista Glenn Greenwald, que divulgou troca de mensagens entre procuradores da Lava Jato (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, rejeitou, na tarde desta quinta-feira (6), a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o jornalista e fundador do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald. O MPF havia denunciado Glenn por ter supostamente auxiliado os hackers que invadiram celulares de procuradores da Operação Lava-Jato.  

O magistrado afirma que deixou de receber a denúncia "por ora", diante da controvérsia acerca de uma liminar do ministro do STF Gilmar Mendes.  Em 8 de agosto, Gilmar concedeu medida que impediu a investigação sobre o jornalista, diante da proteção constitucional ao sigilo da fonte jornalística.

Glenn não foi investigado nem indiciado pela Polícia Federal, mas o procurador Wellington Oliveira entendeu que ficou demonstrado, em um áudio encontrado em um computador apreendido, que o jornalista orientou o grupo de hackers a apagar mensagens.

Isso, segundo o procurador, caracterizou "clara conduta de participação auxiliar no delito, buscando subverter a ideia de proteção a fonte jornalística em uma imunidade para orientação de criminosos".

Ricardo Leite aceitou a denúncia sobre os outros seis acusados pelo MPF, que agora vão virar réus. São eles: Walter Delgatti Netto e Thiago Eliezer Martins Santos, que, segundo a acusação, atuavam como líderes do grupo; Danilo Cristiano Marques, suposto "testa de ferro" de Delgatti; Gustavo Henrique Elias Santos, que teria desenvolvido técnicas que permitiram a invasão do Telegram; a mulher dele, Suelen Oliveira, acusada de agir como laranja em fraudes; e Luiz Molição, que teria sido porta-voz do grupo nas conversas com Glenn.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas