Justiça nega liberdade provisória a PMs que teriam sequestrado advogado

salvador
24.09.2020, 17:02:00
Atualizado: 24.09.2020, 17:06:37

Justiça nega liberdade provisória a PMs que teriam sequestrado advogado

Vítima diz ter pago R$ 15 mil a policiais após extorsão em Salvador

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O pedido de revogação da prisão preventiva dos policiais militares Edson Barbosa Júnior e Gustavo Nascimento Martinez, que estão sendo investigados pelo sequestro e extorsão do advogado Deivisson Santos de Almeida, foi negado pela justiça baiana. A vítima conta que teve que pagar R$ 15 mil para ser libertado pelos PMs.

A decisão foi do juiz da Vara de Auditoria Militar, Horácio Moraes Pinheiro, que seguiu a recomendação do Ministério Público Estadual (MP-BA) ao negar o pedido de soltura.

Os policiais acusados de extorsão mediante sequestro intercederam, através de sua defesa, pela liberação pois já prestaram depoimento à justiça e estão dentro dos requisitos necessários para aguardar a decisão em liberdade.

No entanto, o juiz entendeu que o pedido não deveria ser acatado porque o crime que os réus teriam cometido é grave e a soltura deles resultaria em um risco para a sociedade.

"Entendemos, tal como o MP, que o pleito de revogação não merece guarida. Os requerentes são réus na ação penal em comento, na qual são acusados da prática do crime de extrema gravidade. A utilização de tal medida de natureza constritiva em face dos Réus se afigura necessária em face da garantia da ordem pública", escreveu na decisão.

O magistrado também afirmou que o índice de violência na capital baiana é preocupante e que suspeitos de crimes como este precisam permanecer em custódia, ainda mais quando os réus são indivíduos que deveriam proteger a população. 

"É preciso, pois, a atuação do Poder Judiciário visando a manter custodiadas as pessoas que se envolvem na prática de tais delitos - especialmente quando decorrente, em tese, de ação daqueles dos quais a sociedade espera proteção -, sob pena de o sentimento de impunidade desencadear uma série de novos delitos e aumentar a sensação de insegurança dos cidadãos", concluiu.

De acordo com o MP-BA, o crime teria acontecido em março, quando os dois PMs abordaram a vítima, o fizeram entrar em uma viatura desconfigurada da polícia e exigiram R$ 20 mil para libertar o advogado com vítima.

Deivisson teria conseguido fazer com que um conhecido levasse R$ 15 mil aos investigados, que o soltaram logo em seguida, em Pituaçu. Se os policiais forem considerados culpados pelo crime, podem pegar até 15 anos de prisão pelo ato.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas