Lázaro Barbosa é enterrado em Goiás três dias após morte

brasil
02.07.2021, 00:16:53
Atualizado: 02.07.2021, 00:21:26
(Divulgação/PC)

Lázaro Barbosa é enterrado em Goiás três dias após morte

Anônimo pagou custos do enterro do 'serial killer do DF' morto em Goiás

Lázaro Barbosa foi enterrado na tarde desta quinta (1) em Goiás, três dias após ser morto em Águas Lindas de Goiás por uma força-tarefa da polícia, que durou 20 dias.
 
Familiares de Lázaro confirmaram ao UOL sobre o sepultamento de Lázaro, apontado como autor do homicídio de uma família de 4 pessoas em Ceilândia (DF).
 
Lázaro foi enterrado no mesmo cemitério em que o irmão dele foi enterrado, há 6 anos. A cerimônia foi fechada por motivos de segurança. O funeral de Lázaro Barbosa foi pago por uma pessoa cujo nome é mantido em anonimato. 
 
Investigação
O secretário de Segurança Pública de Goiás, Rodney Miranda, disse na segunda-feira (28) que Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, era acobertado por uma organização criminosa, que o ajudou durante os 20 dias de fuga no Distrito Federal e arredores. Em coletiva, Miranda afirmou que ainda há pessoas a serem presas. Um fazendeiro da região já está detido acusado de ajudar Lázaro.
 
“Ainda temos algumas pessoas para investigar e prender. Agora, sai a força intensiva e fica o trabalho investigativo até a gente ir até o último envolvido”, diz Miranda. Uma das linhas é apurar se Lázaro era jagunço ou segurança de fazendeiros de Goiás.
 
Lázaro foi localizado e morto hoje, após troca de tiros, segundo a polícia. Ao lado dele, foram encontrados cerca de R$ 4,4 mil. “Além da arma, ele foi encontrado com cerca de R$ 4,4 mil no bolso. Isso é mais uma prova de que tinha gente acobertando ele. O indicativo de dinheiro no bolso indica que, certamente, ele planejava fugir do estado ou até do país”, acredita.
 
A polícia ainda não sabe qual era o tamanho dessa rede criminosa que ajudou Lázaro. "Tem gente que deu cobertura para ele. Essas pessoas que tentaram evitar que a justiça chegasse a um sujeito de alta periculosidade, certamente queriam acobertar outros crimes", acrescenta o secretário.
 
O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, também falou sobre o fato de Lázaro não agir só. "Primeiro foi falado que ele era um ‘lobo solitário’, mas chegou que estava recebendo apoio de outras pessoas - um deles está preso. Pela nossa inteligência (sabemos que) tem pessoas envolvidas que deram a ele todo suporte, orientação, telefone celular carregado", disse.
 
Cerco final e morte
O secretário disse ainda que Lázaro tinha ido até a casa da ex-esposa e da ex-sogra, em Águas Lindas, quando foi capturado. Imagens de segurança registraram ele caminhando em uma rua próxima da casa e a polícia fechou o cerco na região no início da manhã. As duas estão sendo ouvidas pela polícia.
 
“Ele foi para se encontrar com elas (ex-esposa e ex-sogra). Nós estávamos monitorado e tentamos pegá-lo ali. Ele chegou a ameaçar policiais e dizer que se fossem atrás dele na mata iria dar tiro na cara”, explicou, na coletiva.
 
Lázaro fugiu para a mata e a polícia foi atrás. “Ele descarregou uma pistola contra os policiais. Com o esforço dessas forças conjuntas, sem vaidade, impedimos ele que fugisse ou fizesse outras vítimas".
 
Agora, ele diz que há uma tranquilidade maior para a população, mas o trabalho de investigação continua. “As investigações não acabam aqui, mas o principal que seria o empresário (Elmi Caetano), que é chefe e líder da organização, e o psicopata (Lázaro Barbosa), não são mais problemas. Os chacareiros e a população daqui vão restabelecer sua normalidade”.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas