Luislinda sobre lista da Palmares: ‘Sinto-me homenageada com a desomenagem’

bahia
03.12.2020, 17:42:27
Atualizado: 03.12.2020, 17:47:22
(Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Luislinda sobre lista da Palmares: ‘Sinto-me homenageada com a desomenagem’

Sérgio Camargo excluiu 27 nomes de ‘Personalidades Negras’ da fundação, entre eles Gilberto Gil e Vovô do Ilê

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, divulgou a nova ‘Lista de Personalidades Negras’ da entidade, na qual não constam mais os representantes que estão vivos e que já constavam na lista de homenageados. 

O ato, que 'desomenageia' 27 notáveis, atende a uma portaria do próprio órgão que muda as regras para a seleção e publicação dos nomes e biografias de personalidades negras importantes no site da entidade.

Ao Alô Alô, a desembargadora aposentada Luislinda Valois comentou nesta quinta-feira (3) que, diante das ações que a atual gestão do órgão tem tomado, a exclusão acaba sendo algo positivo para ela.

“Senti-me mais uma vez homenageada com a desomenagem da Fundação Palmares. Quando fui homenageada na Palmares foi através da vibração do coração do povo, em reconhecimento ao meu eterno labor em favor da causa da negritude. Obrigada. Serei sempre grata! Aos demais desomenageados listados pela Palmares envio, do fundo do meu coração, a minha eterna solidariedade”, afirmou a desembargadora aposentada e ex-ministra dos Direitos Humanos, durante o governo de Michel Temer.

Outros baianos ilustres também tiveram seus nomes excluídos, como o cantor Gilberto Gil e o presidente do Ilê Aiyê, Vovô do Ilê. Como agora só são permitidas homenagens póstumas, também ficam de fora nomes como Elza Soartes, Zezé Mota, Conceição Evaristo, Benedita da Silva, Martinho da Vila, Sandra de Sá, Marina Silva e Milton Nascimento.

Criada em 2011, a lista tinha como objetivo cultivar a memória de lideranças negras que marcaram a história do Brasil e do mundo, independente de estarem vivas ou não. Antes da nova portaria, a inclusão na lista era democrática, com a sociedade civil podendo sugerir nomes no site da fundação.

Camargo afirmou, em uma rede social, que a nova lista “normatiza, legitima e moraliza as homenagens”. Ao divulgar a nova lista, disse que “alguns podem voltar um dia, não todos”.

Leia mais notícias no Alô Alô Bahia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas