Mãe que resgatou filha abusada por sogros diz que jovem recebeu ligação de presídio

em alta
30.03.2022, 16:23:00
(Reprodução)

Mãe que resgatou filha abusada por sogros diz que jovem recebeu ligação de presídio

Namorado da jovem está preso na Cadeia Pública Hélio Gomes, na Baixada Fluminense, cumprindo pena pelo estupro de uma menina de 4 anos

A mãe da jovem de 22 anos que foi mantida em cárcere privado pela sogra e estuprada pelo sogro na residência do casal, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, disse que recebeu uma ligação do namorado da filha, que está preso. O rapaz está cumpre pena na Cadeia Pública Hélio Gomes, em Magé, pelo estupro de uma menina de apenas 4 anos.

A jovem foi resgata pela Polícia Militar do Rio, no último domingo (27), após conseguir pedir ajuda a um amigo, que avisou à mãe dela.

"Eu estava com o telefone da minha filha na mão. Perguntei quem era. Ele deu um nome falso, falando que era amigo da minha filha e que queria falar com a minha filha", contou a mulher, que recebeu a ligação na noite de segunda-feira (28).

Ao Globo, ela relata ter percebido que era o namorado da filha ao telefone - que, de alguma forma, tinha acesso a um telefone de dentro do presídio - e que pediu para ele não voltar a telefonar.

"Falei: 'Para de ligar para a minha filha, para de mandar mensagem para a minha filha, esquece que a minha filha existe. A sua mãe quase matou a minha filha. Era para a minha filha estar dentro de um caixão. Para de falar com ela. Esquece que ela existe'", contou.

Ela ainda diz o detento alegou não saber que a jovem era mantida em cárcere e era agredida e estuprada na casa de seus pais. A mãe não acreditou no homem e reforçou que ele não procure mais sua filha, acrescentando que o celular da jovem ficará em sua posse.

Ela disse, ainda, que falou para o preso que sabe em que presídio ele está e que não pode ter acesso a telefone na cadeia.

"Aí ele falou: 'a senhora vai me prejudicar? Eu disse que não quero prejudicar ninguém'. Eu só quero que ele cumpra a pena, saia de lá e vá viver a vida dele. E deixe a minha filha em paz. E disse, ainda, que se algo acontecer comigo ou com alguém da minha família, vou saber que foi alguém da família dele ou ele" afirmou.

Relembre caso

Uma jovem de 22 anos foi resgatada por policiais militares, neste domingo (27), após ter sido mantida em cárcere privada por seis dias e estuprada pelo casal de sogros em uma casa em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Os militares foram acionados pela mãe da vítima que soube, através de um amigo da vítima, que ela era mantida presa na casa dos sogros. No local, a jovem foi encontrada com várias lesões pelo corpo. Ela contou que estava sendo agredida e estuprada pelo sogro, com o consentimento da sogra.

De acordo com o Globo, a jovem havia se mudado para a casa dos sogros para ficar próxima ao presídio onde o namorado se encontra preso pelo estupro de uma criança de 4 anos.

"A minha filha conheceu esse homem em rede social. Não sei como, mas ele tem acesso a celular no presídio. E, no decorrer do tempo, ela foi sumindo. Eu não conseguia mais falar com a minha filha. Ela (a sogra) tomou conta do telefone e das redes sociais da minha filha e a forçava a postar fotos dizendo estar bem" contou a mãe da jovem.

Segundo a mãe da vítima, a sogra de sua filha a forçava a manter relações com o marido. A jovem também era obrigada a limpar a casa: "Minha filha acordava à base de puxão de cabelo e soco na cara. Ela está desfigurada. Ela ia matar minha filha. Ainda tenho medo de ela fazer isso.

"Foi muita crueldade o que fizeram comigo. O tempo inteiro eu fico pensando em tudo o que aconteceu. Não consigo dormir, passo as noites em claro. Agora, só quero que eles paguem", contou a vítima.

O casal de agressores foi levado para a 76ª Delegacia de Polícia (Centro de Niterói).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas