Malbec e a importância dos vinhos afetivos

paula theotonio
16.04.2020, 18:27:00
Atualizado: 16.04.2020, 19:40:25

Malbec e a importância dos vinhos afetivos


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A “uva do Brasil” não deveria ser considerada a Merlot, que brilha na única Denominação de Origem de vinhos no Brasil. Muito menos a Syrah, que encontrou grande expressão nos terroirs da Serra da Mantiqueira e da Bahia. Deveria ser a Malbec! Não por plantio, história ou por ser ícone de alguma região produtora, mas por preferência nacional.

Uma pesquisa realizada pela Wine Intelligence em 2017 apontou que, embora o Chile domine o mercado de importados, é desses tintos argentinos que a gente, em geral, gosta mais. Estamos em 4º lugar no ranking de países que mais importam vinhos de Malbec no mundo!

O sentimento é tão grande que esquecemos as divergências futebolísticas e comemoramos junto aos hermanos, todo dia 17 de abril, o Malbec World Day. As degustações, aulas e descontos para celebrar a querida uva chegam a durar uma semana inteira.

Mas por que amamos tanto a Malbec?

Oriunda da região francesa de Cahors, foi trazida em 1853 para Mendoza e seu deu tão bem naquele pedaço de solo sul-americano que acabou virando a uva ícone da Argentina. Mas foi somente na década de 90, quando houve a abertura comercial do Brasil, que essa história de amor entre os vinhos argentinos e o povo brasileiro teve início.

Àquela época, tínhamos mais contato com vinhos adocicados, fáceis de beber. E a Malbec chegou entregando bebidas finas, estruturadas, macias, com aroma de fruta vermelha madura e preços mais acessíveis que os rótulos do Velho Mundo. Em entrevista à Gazeta do Povo, o cônsul da Argentina no Paraná, Pedro Marotta, indicou outro motivo para esse “match”: a bebida sempre combinou muito bem com os churrascos tão amados pelos brasileiros.

Com o passar dos anos, fomos descobrindo os outros terroirs argentinos e consolidando esse sentimento. Se quisermos aromas de frutas negras, mineralidade, especiarias e complexidade, ficamos com os rótulos de Luján de Cuyo e Valle de Uco, ali mesmo por Mendoza. No caso de preferirmos taninos mais firmes, podemos apelar para um Malbec de Salta, no extremo norte do país. E na hipótese de querer um Malbec distinto, mais fresco, leve e elegante, sempre haverá uma garrafa da Patagônia para nos surpreender.

Desconfio que tenha sido o primeiro tinto de uvas finas que muitos de nós tenhamos realmente apreciado. Um primeiro amor etílico, eu diria, que tem um lugar guardado no nosso coração; e bebê-lo traz um sentimento diferente, que transcende a sensação no paladar.

E talvez, por esse motivo, seja uma excelente pedida para esse momento de isolamento social, tão repleto de ansiedade. Não existe melhor ocasião para abrir um vinho que te traga alento, que remeta a boas lembranças.

É claro que, à primeira vista, toda bebida relaxa e parece reconfortante. Com vinho, a sensação pode até ser um pouco menos orgânica, principalmente se você for como eu e fica preocupado com temperatura de serviço, ou tentando lembrar os detalhes daquela região produtora. Quase um processo racional.

Portanto aproveite a data, o ensejo e abra um Malbec. Ou qualquer outro vinho que te transporte para uma memória. Para aquela viagem inesquecível, para um jantar romântico, até mesmo para aquela noite em que você tomou um porre engraçado com alguém que te faz feliz. O sabor vai ser ainda mais especial.

Tomei esse La Linda Malbec em Barra Grande, na Penísula do Maraú. Vê-lo nas prateleiras dos mercados sempre me traz boas lembranças desse dia (Foto: Acervo pessoal)

Dados sobre a Malbec

● Plantada em mais de 44 mil hectares na Argentina;

● 85% de suas parreiras ficam em Mendoza

● Representa 38,6% das variedades tintas do país

Para pedir online

Salvador | Grand Cru – A importadora argentina realizará uma live com Andrés Vignoni, enólogo da Viña Cobbos, da Argentina; e o sommelier Massimo Leoncini. Será no dia 17, às 19h30, no perfil @grandcruvinhos. Ao vivo, eles vão degustar o Cobos Felino e o Bramare. No www.grandcru.com.br e via delivery na loja física de Salvador, é possível adquirir vários rótulos da variedade com desconto. Destaque para o Circus Malbec, por R$ 64,90; o Escorihuela Familia Gascón Malbec (R$ 89,90) e o Zuccardi Q Malbec, de R$ 189,90 por R$ 134,90.

Salvador | Cave Queijos – A loja localizada na Pituba preparou kits com queijos de leite cru brasileiros e vinhos para o fim de semana e dentre as várias opções, há excelentes rótulos de Malbec selecionados. Preços a partir de R$ 112.

Salvador | Baco Vinhos — Sem cobrança de entrega, a empresa disponibilizou 7 rótulos de Malbec com descontos. Há ofertas entre R$ 36,40 e R$ 99,90. Os pedidos podem ser feitos pelo Instagram - @bacovinhos.

Vitória da Conquista | BOX 111 – Além de sugestões de harmonização no feed do instagram @adegabox111, a sommelière e proprietária da loja de vinhos, Juliana Britto, indica dois rótulos: o Amadeo Malbec, de R$ 42 por R$ 35; e o Amadeo Gran Reserva, por R$ 159.

Juazeiro | Empório dos Vinhos – Os rótulos Malbec Lídio Carraro e Malbec Farmus do Chile estão entre os rótulos com 30% OFF na loja. A entrega pode ser solicitada pelo instagram

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas