Menina de 10 anos gravou estupro para que adultos acreditassem

mundo
30.09.2017, 13:35:00
Atualizado: 30.09.2017, 13:48:05

Menina de 10 anos gravou estupro para que adultos acreditassem

Abusada pelo pai de uma amiga, vítima tinha medo que família não acreditasse

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O estupro de uma menina de 10 anos chocou o Uruguai. Com medo de que os adultos não acreditassem nela, caso fizesse a denúncia, a garota usou uma espécie de notebook dado pelo governo aos estudantes para gravar o próprio abuso, .

Ao longo de um ano, foram diversos episódios de abuso. De acordo com as investigações, alguns ocorreram na presença da filha do criminoso. As duas amigas combinaram juntas um plano para gravar os abusos.

“Esse ato valente da menininha estuprada deveria servir não apenas para que se faça justiça, mas sim para que toda a sociedade tome consciência de que essas coisas acontecem com mais frequência do que acreditamos e que as crianças não mentem, não inventam”, disse a promotora à imprensa local.

Ainda segundo ela, o criminoso é um homem de 62 anos, sem atecedentes criminais, de classe média. “Ele só negava, mesmo diante das provas. Custou muito até que admitisse e não deu uma explicação. Eu mesma tive que sair do interrogatório para conter minha própria ira e cumprir com a minha função”, comentou a promotora.

O acusado está preso e, se for condenado, pode pegar de dois a seis anos de reclusão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas