Menina que matou pai após estupro diz que 'faria de novo'

brasil
09.02.2017, 15:50:00
Atualizado: 09.02.2017, 15:50:46

Menina que matou pai após estupro diz que 'faria de novo'

"Ela está abalada, mas não chorou. Em depoimento, ela disse que faria (o crime) de novo porque já vinha sendo abusada pelo pai há vários anos", explica conselheiro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A adolescente de 14 anos que matou o pai de 34 com um tiro de espingarda após ser estuprada afirmou à polícia, em depoimento, que "faria de novo". A morte aconteceu na noite de terça, na casa da família, em Tarauacá, no Acre. Ela foi ouvida pela polícia somente no dia seguinte e confessou o crime, justificando que agiu porque sofria abusos há dois anos, além de ameaças.

(Foto: Divulgação/PM)

O presidente do Conselho Tutelar da região, José Carlos Bezerra, acompanhou o depoimento. "Ela está abalada, mas não chorou. Em depoimento, ela disse que faria (o crime) de novo porque já vinha sendo abusada pelo pai há vários anos. Ela disse que isso (os abusos) poderia acontecer a qualquer momento (caso o pai estivesse vivo)", explicou o conselheiro ao Extra.

Acompanhada da mãe, a jovem foi ao Ministério Público, onde permaneceu em silêncio. Ela foi ouvida também por uma psicóloga e um laudo vai determinar se a adolescente deve ser levada para um abrigo. Ela não ficou apreendida. 

Crime
Na noite do crime, o pai estava bebendo, segundo depoimentos. A mãe foi dormir por volta das 23h, quando então o pai pegou uma faca, foi até a adolescente e a obrigou a manter relações sexuais. Segundo a menor, ele ainda disse que se ela contasse o fato iria matar toda a família. Mesmo assim, a jovem contou que resistiu. A mãe acordou para ir ao banheiro e viu a cena. O pai então afirmou que iria matar todos, para não haver testemunha do fato.

Os pais da garota começaram uma briga corporal. A jovem então pegou uma espingarda e baleou o pai. Vizinhos chegaram a tentar socorrê-lo, mas ele já chegou sem vida à zona urbana da cidade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas